Descrição de chapéu The New York Times

Lado sombrio de exército digital de Bernie Sanders assusta democratas

Pessoas que fizeram críticas ao candidato foram alvo de perseguição virtual

The New York Times

O argumento que Bernie Sanders apresentou para defender-se foi simples: “não fui eu”.

Ele estava circulando no plenário do Senado um dia no verão de 2017 quando uma colega, Kamala Harris, aproximou-se dele. “Será que temos um problema?” Harris perguntou, segundo democratas que acompanharam a troca de palavras.

Alguns partidários conhecidos de Sanders andavam desancando Harris publicamente, descrevendo-a como a opção preferencial do establishment corporativo democrata há muito tempo criticado por Sanders. Essa visão foi amplificada por contas nas redes sociais que defendem Sanders.

“Ataque preventivo”, escreveu uma pessoa no grupo de Reddit SandersForPresident, onde fãs de Sanders compartilhavam detalhes sobre o giro recente feito por Kamala Harris em The Hamptons com antigos doadores de Hillary Clinton. “Inicie a conversa agora, termine-a antes de 2020.”

O pré-candidato Bernie Sanders, durante comício em Perry, Iowa - Ivan Alvarado - 26.jan.2020/Reuters

Sanders assegurou a Harris que não havia problema, disseram os democratas informados sobre a conversa. Ele insistiu que não tem como controlar as comunicações de seus seguidores.

Mas dois anos mais tarde, quando os dois senadores disputavam a candidatura presidencial democrata e Harris retornou a The Hamptons para colher cheques para sua campanha, Bernie Sanders divulgou uma observação própria depois de Harris ter questionado seu plano “Medicare para todos”.

“Eu não vou a The Hamptons levantar fundos junto a bilionários”, ele escreveu no Twitter em agosto passado, reforçando uma mensagem que partidários seus já andavam promovendo. A mensagem foi retuitada milhares de vezes.

Desde o início da primeira campanha presidencial de Sanders, em 2016, sua enorme base de apoio online tem sido alternativamente uma fonte de força ímpar e de aborrecimento perpétuo para o senador –invejada e ironizada por rivais que cobiçam lealdade desse tipo, temida por democratas que já enfrentaram o assédio de seus seguidores e alternadamente prezada e repreendida levemente pelo próprio candidato.

O entusiasmo dos fãs de Bernie Sanders ajudou a fazer do senador um dos pré-candidatos mais bem posicionados uma semana antes dos caucus em Iowa.

Nenhum outro pré-candidato democrata atrai seguidores mais dedicados à defesa ferrenha de seu candidato e a fustigar seus adversários, mais dispostos a reiteradamente doar seu tempo e dinheiro para sustentar a candidatura dele.

Até o final de 2019 Sanders já levantara quase US$ 100 milhões de mais de 5 milhões de doações individuais, sem jamais ter promovido eventos tradicionais de levantamento de fundos, liderando os pré-candidatos democratas nessa área.

Mas, no momento em que ele avança para posicionar-se como representante de um partido que vem criticando há décadas a partir da esquerda, o poder de seu exército de seguidores na internet também preocupa democratas que conhecem o lado negativo desse exército —um lado cujos efeitos eles já sentiram na pele de maneiras pequenas e grandes.

Alguns ativistas progressistas que não quiserem apoiar Sanders começaram a se fazer acompanhar por segurança particular em suas viagens, depois de sofrer assédio online.

Várias escritoras feministas conhecidas disseram ter recebido ameaças de morte. Uma presidente estadual do partido mudou seu número de telefone.

Uma advogada de Portland, Oregon, viu sua classificação profissional cair vertiginosamente num site de resenhas online depois de ter discutido no Twitter com seguidores de Bernie Sanders.

Outros alvos notáveis dos fãs de Sanders incluem Ady Barkan, destacado ativista liberal que sofre de esclerose lateral amiotrófica e que, quando ele se preparava para endossar a candidatura da senadora Elizabeth Warren, algumas contas que apoiam Sanders acusaram de não ser capaz de tomar decisões devido à sua doença.

Também incluem Fred Guttenberg, pai de uma vítima do massacre na escola Parkland, na Flórida, em 2018, que criticou as declarações de Sanders sobre violência com armas de fogo.

“A política é um esporte de contato”, comentou Bakari Sellers, ex-legislador estadual pela Carolina do Sul que apoiou Kamala Harris na primária democrata.

“Mas é preciso ter muita consciência do que você está fazendo quando faz qualquer crítica a Bernie online. Você pode acabar tendo que aposentar seu telefone. Vai haver uma reação contrária, e ela pode ser sexista, racista e degradante.”

Ele contou que nos últimos dias um homem lhe mandou uma mensagem particular repleta de insultos chulos pelo Instagram, descrevendo Sellers, que é negro, como um “Tio Tom” e desejando-lhe um câncer do cérebro (Tio Tom é uma alusão ao personagem principal do romance “A Cabana do Pai Tomás”, de Harriet Beecher Stowe, e indica um afro-americano servil ou subserviente aos brancos).

Quando os apoiadores de Sanders lançam um ataque coletivo online contra alguém, eles frequentemente localizam múltiplos pontos de acesso à vida dessa pessoa, compilando algo que equivale a dossiês investigativos.

Eles atacam todas as contas públicas da pessoa nas redes sociais, postando insultos pessoais que podem chegar às centenas. Algumas das missivas são ameaças diretas de violência que podem ser denunciadas no Twitter ou Facebook e tiradas do ar.

O que ocorre com mais frequência é uma enxurrada de ameaças e farpas às vezes apresentadas como piadas. Se o alvo é uma mulher, o que frequentemente é o caso, esses insultos podem aludir à aparência física dela.

Algumas pessoas vistas como críticas a Sanders tiveram correspondências enviadas a seu endereço residencial ou aos de seus parentes. Os conteúdos das cartas não eram excepcionais: artigos noticiosos sobre os perigos políticos do centrismo. Mas a mensagem parecia ser clara: sabemos onde você mora.

Entrevistas com antigos e atuais assessores do pré-candidato, além de alguns de seus maiores defensores online, deixam claro que seus principais assessores, e frequentemente o próprio Bernie Sanders também, têm plena consciência do fel que é disseminado em seu nome.

Em fevereiro de 2019, pouco depois de anunciar sua segunda candidatura presidencial, Sanders enviou uma carta por e-mail a seus representantes. “Quero que fique claro que condeno o bullying e assédio de qualquer espécie e em qualquer espaço”, ele disse.

O fato de ele ter sentido necessário acrescentar essa observação a seu relançamento nacional talvez tenha sido tão revelador quanto o teor dela.

A campanha de Sanders se negou a discutir sua operação digital para 2020 e o grau em que ela monitora as discussões nas redes sociais.

Um porta-voz dela, Mike Casca, destacou o chamado por civilidade lançado por Sanders em fevereiro do ano passado. A campanha também divulgou uma declaração de uma porta-voz, Sarah Ford, enfatizando as declarações anteriores do candidato.

“Como o senador já disse em alto e bom tom”, falou ela, “não há lugar na revolução política para assédio e discursos agressivos online.”

Mas muitos veteranos políticos fora da operação de Sanders criticam o modo como a campanha do senador lida com as mensagens agressivas.

A estrategista progressista Jess Morales Rocketto, que trabalhou em campanhas de Barack Obama e Hillary Clinton, disse que Sanders empoderou assessores e representantes que “têm a tendência a amplificar agressivamente coisas que uma campanha normalmente calaria vindas de seus partidários”.

“Sempre há pessoas que dizem coisas problemáticas”, explicou. “Isso não acontece apenas na campanha de Bernie. O que é diferente nesse caso é que esse é um problema constante no universo de Bernie Sanders.”

Com mais de 10 milhões de seguidores no Twitter, Sanders tem uma audiência maior nessa plataforma do que Elizabeth Warren, Pete Buttigieg, Joe Biden e a senadora Amy Klobuchar somados.

É possível que um número considerável dessas contas sejam bots automatizados ou contas fictícias. Promotores federais detalharam esforços coordenados de indivíduos russos para interferir na eleição de 2016, com ênfase sobre dois candidatos –Donald Trump e Bernie Sanders— que os russos queriam promover, ao mesmo tempo em que denegriam seus adversários.

Em um partido dominado pela ansiedade sobre a importância da união para derrotar Trump, as farpas venenosas trocadas entre apoiadores de Sanders e suas contrapartes que defendem outros candidatos é motivo de preocupação grave para os democratas.

Peggy Huppert, ativista de Iowa que foi consultora da campanha de Sanders em 2016, disse que decidiu apostar em Pete Buttigieg (ex-prefeito de South Bend, Indiana) em 2020 “em grande medida pelo modo como ele se comporta”. Ela elogiou a carta enviada por Sanders a seus seguidores após o anúncio de sua candidatura, mas disse que está claro que a mensagem não foi ouvida.

“Obama definiu o tom de sua campanha: ‘Você será positivo, será respeitoso, será cortês’”, disse Huppert. “Acho que Bernie não fez o mesmo.”

Nos últimos dias, partidários de Sanders vêm enchendo os feeds de Warren e seus aliados nas redes sociais com serpentes —emojis, GIFs, fotos manipuladas—, após o desentendimento entre os dois pré-candidatos sobre se Sanders disse ou não a Warren em 2018, em uma conversa particular, que uma mulher não poderia chegar à Presidência.

E na semana passada Hillary Clinton voltou à tona para reabrir feridas antigas, dizendo ao The Hollywood Reporter que Bernie Sanders é culpado de permitir e apoiar uma cultura tóxica em sua campanha.

Para muitos dos admiradores de Sanders, a entrevista apenas reforçou sua convicção de que as forças democratas tradicionais desejam o mal político a seu candidato. Então por que, eles indagam, é que Sanders deveria sufocar seu megafone mais poderoso?

“Não dá para controlar esse pessoal”, disse RoseAnn DeMoro, defensora declarada de Sanders e ex-líder da maior organização nacional de enfermeiros, falando da base online de apoio do senador. “Eu deveria dizer ‘não dá para nos controlar’.”
 
Raízes na internet em 2016

Os altos assessores de Sanders procuraram inicialmente montar uma infraestrutura tradicional de campanha política, com funcionários em campo em estados como Iowa e New Hampshire, que estão entre os primeiros no processo de escolha do candidato presidencial democrata.

Mas boa parte do resto do mapa ficou a cargo de voluntários, responsáveis por ajudar a traduzir o entusiasmo online em apoio pessoal.

Para Bernie Sanders, que há muito tempo aposta sua carreira política no poder dos movimentos de massa, o ímpeto online não pareceu necessariamente algo fora do comum, embora ele não compreendesse todos seus detalhes.

Zack Exley, que foi assessor sênior da campanha de Sanders em 2016, contou que alguém uma vez indagou ao Senador como ele conseguia atrair tantas pessoas aos seus eventos.

“O que você quer dizer?”, o candidato teria respondido. Para ele, era assim que os movimentos funcionam, nada mais.

Outros sugerem que Sanders estaria altamente sintonizado com o que acontece online. Seus assessores de campanha rastreavam hashtags populares e de vez em quando topavam com posts acerbos. O candidato prestava atenção especial e ficava grato pela capacidade de seus apoiadores online de levantar fundos com doações pequenas.

“Eu ficaria espantado se ele não soubesse o que estava acontecendo de positivo ou negativo online”, comentou Michael Ceraso, assessor de Sanders em 2016 que trabalhou na campanha presidencial de Pete Buttigieg durante parte do ano passado.

Sanders diz que não tem Twitter ou outros aplicativos em seu telefone, mas tem consciência do poder de sua plataforma online.

“Considerando que tenho mais seguidores nas redes sociais do que todos meus adversários somados, acho que estamos fazendo algo certo nesse quesito”, ele disse ao conselho editorial do The New York Times. “O que eu fiz foi reconhecer a importância das redes.”

O deputado pela Califórnia Ro Khanna, que hoje é o copresidente nacional da campanha de Bernie Sanders, disse que a mesma internet que ajudou a conduzir Trump e Obama à Presidência fez de Sanders uma grande força improvável.

“Se não fossem as redes sociais, se não fosse pelo uso do e-mail, Bernie Sanders nunca teria se tornado um nome importante na disputa”, ele explicou. “Acho que isso nos dá uma ideia de qual pode ser o futuro das campanhas políticas.”

É exatamente isso o que temem alguns democratas. Quando a disputa primária de 2016 foi ficando mais e mais contenciosa, a campanha de Sanders mostrou a todos uma desvantagem desse fervor todo: o bullying online cometido por alguns defensores.

Sady Doyle, escritora feminista progressista e crítica de Sanders, já foi alvo da ira dos seguidores do senador e lembrou uma mensagem que recebeu de um desconhecido: “Se você tiver um filho, vou arremessá-lo contra as muralhas de Troia”.

Ela contou que seu marido lhe pediu para não ir a protestos sozinha quando estava grávida.

A pós-graduanda Maya Contreras, cofundadora de um think tank feminista, já criticou Sanders no Twitter e recordou como foi inundada de mensagens antes da eleição de 2016. “Recebi mensagens dizendo ‘volte para o lugar de onde você veio’ —que é Denver, no Colorado, onde nasci”, contou ela.

“Alguém escreveu no Twitter: ‘É melhor tomar cuidado onde você anda, senão alguma coisa vai lhe acontecer. Também me disseram ‘morra, vagabunda’.”

Para a campanha de Sanders, o equilíbrio procurado é delicado –repreender os seguidores de vez em quando, mas sem diluir a força do apoio online. Khanna, o deputado e copresidente da campanha, descreveu Bernie Sanders como “a única pessoa do nosso lado que é capaz de fazer frente ao que será a presença temível de Trump online”.

Essa visão é compartilhada por alguns apoiadores online, que converteram sua condição de fãs de Sanders em algo que quase constitui um trabalho em tempo integral.

O aposentado Rodney Latstetter, 62, do Illinois, que em 2017 postou várias mensagens sobre os esforços de levantamento de fundos de Kamala Harris em The Hamptons, disse que ele e um companheiro passam sete horas por dia administrando dezenas de grupos pró-Sanders nas redes sociais.

Sua página no Twitter promove Sanders e levanta dúvidas sobre seus rivais entre mais de 17 mil seguidores.

“Alguns de meus seguidores têm um probleminha de boca suja ou alguma coisa do tipo”, disse Latstetter.

Ele disse também que não tem certeza se apoiará qualquer outro pré-candidato democrata se ele ou ela receber a indicação. “Eu também tenho meus momentos em que tenho meus limites e saio distribuindo insultos.”

Esse tipo de briga digital já infiltrou a cultura popular de maneira perceptível. Endossando Elizabeth Warren com um tuíte este mês, o cantor John Legend acrescentou um aviso aos seguidores de Sanders: “Procurem não afastar as pessoas com sua agressividade. Terei o maior prazer em votar em Bernie Sanders se ele vencer as primárias. Vamos com calma.”

A mensagem não foi necessariamente bem recebida por seu público-alvo.

“Alguns de vocês, milionários, precisam entender que muitos de nós precisamos que Bernie Sanders chegue à Presidência”, respondeu uma conta. “Não podemos simplesmente ir com calma.” 

Tradução de Clara Allain.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.