Descrição de chapéu The Washington Post Governo Trump

Trump conta detalhes de contagem regressiva até a morte de Suleimani: 'ele tem um minuto para viver'

Presidente falou sobre a operação durante jantar com doadores de campanha

Colby Itkowitz David A. Fahrenthold
São Paulo | The Washington Post

Em um encontro com doadores de campanha, o presidente dos EUA Donald Trump fez um relato dramático do ataque aéreo que matou o general iraniano Qassim Suleimani, brincou que não se importa se os projetos de construção matam todas as cobras e mostrou sua indiferença ao Orçamento.

As declarações ocorreram durante um jantar privado na noite de sexta-feira (17), em Mar-a-Lago, de acordo com arquivos de áudio obtidos pelo jornal The Washington Post.

Trump explicou sua motivação para atacar Suleimani e relatou ouvir uma contagem regressiva oficial do Exército para a ação, realizada em 3 de janeiro.

Donald Trump diante do púlpito durante comício de campanha eleitoral em Milwaukee, Wisconsin
Donald Trump durante comício de campanha eleitoral em Milwaukee, Wisconsin - Saul Loeb/AFP

O presidente não disse nada sobre um "ataque iminente" por parte do Irã aos interesses dos EUA ou ameaças a quatro embaixadas dos EUA, como havia dito anteriormente para justificar o ataque militar que aumentou as tensões na região e abriu o debate sobre os poderes de guerra presidenciais.

Em vez disso, ele se referiu a  Suleimani como "o pai das minas na estradas", responsáveis por "todos os jovens e bonitos homens e mulheres que você vê andando por aí sem pernas ou sem braços". 

Trump disse que soube duas semanas do ataque que os EUA tinham Suleimani sob vigilância e que ele estava “falando sobre coisas ruins”. 

"Ele estava falando coisas ruins sobre o nosso país, como 'nós vamos atacar, nós vamos matar seu povo'. Eu disse, 'ouçam, quanto dessa merda nós temos que ouvir?'", disse Trump, para o aplauso dos doadores presentes. 

O presidente passou a descrever os minutos finais antes do ataque, que foi acompanhado da Sala de Situação, na Casa Branca.

"'Senhor, eles têm dois minutos e 11 segundos." Sem emoção. "Dois minutos e 11 segundos para viver, senhor. Eles estão no carro, em um veículo blindado, senhor. Eles têm aproximadamente um minuto para viver, senhor. 30 segundos. 10, 9, 8 ..." Então, de repente, bum.''

O agente, que estava no telefone, informou ao presidente que Suleimani e outro líder militar iraquiano que estava com ele "se foram" e desligou, de acordo com Trump.

"Eu disse: 'Onde está esse cara?'", falou Trump. "Essa foi a última vez que ouvi falar dele."

Embora a descrição detalhada da experiência de Trump assistindo ao ataque seja nova, ele falou em comícios e no Twitter sobre o ataque a Suleimani, de modo a reforçar a usar sua capacidade de comandante em chefe como um ponto de sua campanha à reeleição. 

Em um trecho de áudio separado, Trump é ouvido gabando-se de aumentar o orçamento de defesa em 2,5 trilhões de dólares —uma enorme quantia  que obteve ao adicionar valores dos orçamentos de vários anos; o orçamento do Pentágono para o ano fiscal de 2020 é de US$ 738 bilhões.

Para aqueles que criticaram seus gastos e a crescente dívida nacional, Trump disse: “Quem se importa com o orçamento? Nós vamos ter um país".

Durante a maior parte do tempo de Barack Obama no cargo, os republicanos pareciam se importar muito com o Orçamento, temendo o aumento da dívida pública nacional e fazendo disso o seu principal ponto de discussão. Eles deixaram essas preocupações para trás no governo Trump. 

Os arquivos de áudio, obtidos pelo Washington Post, vieram em quatro trechos curtos. A CNN, que também obteve os arquivos, publicou primeiro os relatos de Trump durante a arrecadação de fundos para sua campanha de reeleição.

No trecho de 40 segundos sobre o orçamento militar, Trump disse: "Foi um período incrível, apesar da caça às bruxas...”, antes que o áudio seja cortado.

Em outro pequeno arquivo, Trump lamenta o processo complicado de fazer obras de infraestrutura, zombando das preocupações ambientais, mencionando especificamente ninhos de tartarugas e cobras.

"No que me diz respeito, você pode matar essas cobras. Vou lhe contar um pequeno segredo. Quando matarmos, elas ainda estarão aqui muito tempo depois de nós. A cascavel. Você pode matar todas”, disse ele.

"Não sou uma grande pessoa que acredita demais em tubarões ...", antes que o arquivo de áudio termine.

O medo de tubarões de Trump é bastante conhecido. O presidente já tuitou sobre seu desdém por eles. Stormy Daniels, que supostamente teve um caso com Trump, disse que ele era obcecado por tubarões e uma vez disse: "Espero que todos os tubarões morram".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.