Descrição de chapéu Dias Melhores Coronavírus

Casal de SP leva para casa família venezuelana que dormia em aeroporto

Mãe e filhos encontrariam o pai na Argentina, mas espaço aéreo do país foi fechado devido ao coronavírus

Viçosa (MG)

Em casa, ainda que longe de seu destino final. Assim estão se sentindo a venezuelana Josmar Esparragoza, 40, e seus filhos enquanto esperam a reabertura do espaço aéreo argentino, quando poderão pegar o voo que os levará ao reencontro do pai das crianças.

Separado da família desde que migrou para Buenos Aires, há dois anos, o marido de Josmar conseguiu comprar a passagem para a mulher e os filhos, de 14 e 5 anos, em março.

Eles então vieram da Venezuela para o Brasil por terra, via Boa Vista. Em Manaus, pegaram um avião para a Argentina. Chegando lá, no último dia 17, porém, tiveram de retornar a São Paulo, pois o país acabara de fechar as fronteiras devido à pandemia de coronavírus.

A partir dali, os três dormiram por 15 dias no aeroporto de Guarulhos, contando com a ajuda de funcionários de um restaurante para se alimentar. Na terça-feira (31), após reportagem da Folha sobre a história de Josmar e seus filhos, um casal que vive em São Paulo e leu a reportagem decidiu ir atrás da família no aeroporto para oferecer acolhida em sua casa.

A venezuelana Josmar Esparragoza (com a filha no colo e o filho ao lado), com Isabel Vargas e o marido, Celso, na casa do casal, na zona norte de São Paulo - Arquivo pessoal

Chegando lá, houve um desencontro: os venezuelanos haviam sido levados para um abrigo público, onde passaram aquela noite.

Mas Isabel Vargas, 41, e Celso Rosaneli, 51, não desistiram. Conseguiram entrar em contato e, no dia seguinte, foram buscá-los no abrigo. "Meu marido me mostrou a reportagem com lágrimas nos olhos. Falei: 'Vamos lá?'. Fomos imediatamente", conta Isabel. "Temos uma casa grande, não temos filhos. Fiquei feliz em acolhê-los."

Isabel é boliviana, o que ajuda na comunicação com a família, que só fala espanhol. Josmar e os filhos estão hospedados em um quarto próprio com banheiro, as crianças podem brincar em uma área externa e já se apegaram ao cachorrinho da família, Tuti.

"Estamos maravilhosamente bem. Eles disseram que podemos ficar todo o tempo que seja necessário até que o problema se solucione", diz Josmar. Seu maior alívio, afirma, é ver que seus filhos estão felizes.

"Eles adoraram o casal, a menina está louca pelo cachorrinho. Estamos em um quarto amplo, com TV, com todas as comodidades. Nem sabemos como agradecer", diz.

"Ontem fizemos videochamada com meu marido e apresentei todo mundo. Ele está mais calmo, agora sabe que estaremos bem até conseguir chegar até ele."

Josmar Esparragona com os filhos, Samantha, de cinco anos, e Vladimir, de 14, no aeroporto de Guarulhos
Josmar Esparragona com os filhos, Samantha, de cinco anos, e Vladimir, de 14, no aeroporto de Guarulhos - Diana Steiger Ribas/Arquivo pessoal

Muitos leitores entraram em contato com a Folha se oferecendo para pagar hospedagem para a família ou ajudar de outras maneiras. Entre eles, venezuelanos que também passam dificuldades neste momento em São Paulo, mas se dispuseram a dividir o que têm com a família de Josmar.

Na casa onde eles estão agora, na Vila Nova Mazzei, zona norte, todos estão cumprindo o isolamento social recomendado para minimizar os efeitos da pandemia. "Meu marido só sai quando precisa comprar alguma coisa", diz Isabel.

Ela afirma que as duas famílias se entrosaram bem. "É gratificante ver o sorriso no rosto das crianças. Eles estão felizes aqui."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.