Descrição de chapéu
Depoimento

Pandemia fez Bancoc, a cidade mais visitada do mundo, ficar vazia

Ruas de Chinatown, um dos bairros favoritos de turistas, estão desertas, e suas luzes de neon, apagadas

Claudia Jardim
Bancoc (Tailândia)

A convite da Folha, seis pessoas que moram na Ásia contam como a região está enfrentando a pandemia de coronavírus.

Depoimentos de Coreia do Sul, Japão, Taiwan, Hong Kong, China e este, da Tailândia, descrevem os diferentes controles adotados pelos governos locais e como os moradores estão tentando manter a rotina sob as novas regras.

Bancoc, a cidade mais visitada do mundo, está vazia. É difícil acreditar que a vivaz e caótica capital tailandesa tenha sofrido mudanças tão drásticas que impuseram à cidade um ar desolador.

Estamos às vésperas do Songkran, uma das maiores festividades nacionais, que celebra a chegada do Ano Novo tailandês.

Nessa época do ano, milhões de turistas visitam o país para participar de um carnaval de rua em que a população, munida de baldes e de pistolas de água, diverte-se molhando uns aos outros durante três dias.

Sob calor de 45°C, esse sempre me pareceu um jeito perfeito de celebrar. Mas neste ano não haverá festa.

Homem de moto em avenida vazia em Bancoc, em meio à pandemia de coronavírus
Homem de moto em avenida vazia em Bancoc, em meio à pandemia de coronavírus - Mladen Antonov - 3.abr.20/AFP

O aumento exponencial do número de infecções por Covid-19 levou o governo a fechar suas fronteiras, proibindo a entrada de qualquer estrangeiro no país até novo aviso.

Entre a primeira quinzena de março e os primeiros dias de abril, o número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus na Tailândia saltou de pouco mais de 100 a quase 2.000, com 19 mortes, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins até o fim da tarde de sexta-feira (3).

A curva de contágio ascende de maneira quase vertical. E amedronta.

O turismo, um dos principais motores da economia, está abalado, e com ele os trabalhadores informais, que da noite para o dia perderam seu sustento.

Um taxista que conheço há anos me escreveu pedindo ajuda. Seus principais clientes eram chineses, os primeiros a desaparecer. Logo, se foram os europeus.

Não restou ninguém para levar a praias famosas, para assistir a lutas de boxe tailandês, para visitar templos ou dar comida aos elefantes. Todas as atividades vinculadas ao entretenimento de turistas foram proibidas.

Há duas semanas, rumores de que as escolas fechariam se concretizaram. A medida também afetou cinemas, shoppings, mercados de rua, spas de massagens e bares.

Desde então, somente supermercados, vendedores de comida de rua e farmácias funcionam com normalidade. O transporte público foi reduzido a cerca de 10% de sua capacidade. E, por fim, os parques tiveram suas portas fechadas.

As ruas de Chinatown, um dos bairros favoritos de turistas, estão desertas, e suas luzes de neon, apagadas. Ali, nem os vendedores de comida de rua, que antes distribuíam senhas para organizar as intermináveis filas de clientes, arriscam abrir seus postos de venda.

A instauração do toque de recolher das 22h às 4h, em vigor desde sexta-feira, dá tom um pouco mais sombrio à crise. Pontos de controle foram espalhados nas principais avenidas da cidade, nos quais policiais param o trânsito para exigir o uso de máscaras.

O som das sirenes de ambulâncias passou a ser mais frequente.

A quarentena não é obrigatória, mas o “fique em casa” passou a ser a realidade de muitas famílias que podem manter seus empregos em rotina de home office e ensino domiciliar.

O distanciamento social também é visto nas filas dos supermercados, farmácias e no metrô da cidade, que circula quase vazio.

Nos ônibus e tuk-tuks prevalecem os trabalhadores das classes populares que conseguiram manter seus empregos na capital.

Outros milhares que ficaram sem trabalho regressaram às suas províncias. O êxodo em massa inevitavelmente facilitará a expansão do vírus, até então concentrado na capital.

O governo militar tailandês há dias promete a aplicação de um pacote de proteção social para amenizar os efeitos da pandemia, mas por ora, não há nada concreto.

A incerteza é a nova regra. Talvez mais difícil do que controlar a epidemia será recuperar a confiança naquilo em que um dia consideramos como normalidade.

Ex-correspondente na Venezuela, a jornalista Claudia Jardim vive em Bancoc

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.