Polícia mata homem negro em Atlanta, e comissária renuncia

Episódio provoca protestos pela cidade em meio a tensão racial nos EUA

Austin (Texas) | Reuters

A chefe da polícia de Atlanta, na Geórgia, demitiu-se neste sábado (13) após ativistas tomarem as ruas da cidade em protesto contra a morte de um homem negro baleado por um policial na noite de sexta (12).

O assassinato ocorre depois de semanas de intensos atos pela igualdade racial nos Estados Unidos, em decorrência da morte de George Floyd, um cidadão negro morto pela polícia de Minneapolis depois de ficar 8 minutos e 46 segundos com o pescoço prensado sob o joelho de um policial branco.

Pessoas se reúnem em protesto contra o racismo depois da polícia de Atlanta atirar e matar um homem negro
Pessoas se reúnem em protesto contra o racismo depois da polícia de Atlanta atirar e matar um homem negro - Elijah Nouvelage/Reuters

Em Atlanta, um homem identificado como Rayshard Brooks, 27, havia adormecido em seu carro na fila do drive-thru da loja de "fast-food" Wendy’s, de acordo com a prefeita da cidade, Keisha Lance Bottoms, que aceitou a renúncia da chefe de polícia local, Erika Shields.

A saída da comissária foi exigida pelo reverendo James Woodall, presidente da Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Negras (Naacp) da Geórgia.

Segundo o New York Times, Brooks lutou com os policiais depois de fazer um teste de embriaguez e resistir à prisão. O homem, então, pegou uma arma de choque de um dos agentes, que atirou nele.

As autoridades afirmam que Brooks chegou a apontar o "taser" para o policial antes de ser atingido.

Em entrevista coletiva, o diretor do Gabinete de Investigação da Geórgia, Vic Reynolds, disse que um vídeo capturado por câmeras do Wendy’s parecia mostrar Brooks com a arma de choque enquanto fugia.

“Nesse ponto, o policial de Atlanta se abaixa e pega sua arma, descarrega-a, atinge Brooks no estacionamento e ele cai”, afirmou Reynolds.

As autoridades ainda não tinham divulgado os nomes dos dois agentes envolvidos no episódio, ambos brancos. “Não acredito que isso tenha sido um uso justificado de força letal e pedi o desligamento imediato do policial”, disse a prefeita Bottoms.

Além do vídeo do restaurante, uma outra gravação feita por um transeunte, compartilhada nas redes sociais, capturou parte do confronto entre Brooks e os policiais.

No vídeo, o homem negro é visto no chão do lado de fora do carro, lutando com os dois agentes. Ele parece pegar o "taser" usado por um dos policiais em sua perna.

Depois de alguns segundos, Brooks se liberta e começa a correr. Um oficial então usa uma das armas de choque. Depois, os dois policiais não são mais vistos no vídeo.

Tiros são ouvidos enquanto alguém grita “eu o peguei”. O registro, então, mostra Brooks no chão, aparentemente sem vida. Ele ainda foi levado para um hospital, onde acabou morrendo.

Um policial recebeu atendimento por uma lesão sofrida durante o episódio e foi liberado mais tarde.

O procurador distrital do condado de Fulton, na Geórgia, Paul Howard Jr., disse em comunicado enviado por email que seu escritório “já iniciou uma intensa e independente investigação sobre o incidente” enquanto aguarda as conclusões do Gabinete de Investigação da Geórgia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.