Vídeo analisa mudanças nas polícias americanas um mês após morte de George Floyd

Caso gerou onda de protestos contra o racismo ao redor do mundo

São Paulo

Ainda falta consenso entre os políticos americanos sobre as mudanças necessárias na estrutura da polícia.

Um mês após a morte de George Floyd, 46, em uma ação policial, a TV Folha faz uma análise do que mudou no país após a onda de protestos que se espalhou por 700 cidades no país, como relata Marina Dias, correspondente da Folha em Washington.

Para Silvio Almeida, doutor em filosofia e teoria geral do direito pela USP, as manifestações revelaram a faceta de uma sociedade saturada, que tem problemas não apenas com a violência policial contra a população negra, mas problemas que envolvem também a economia e a política.

"O momento de pandemia faz com que as pessoas se tornem cada vez mais descrentes e revoltadas contra a maneira com que a sociedade reproduz a condição precária de suas próprias vidas. A resposta que as instituições estão conseguindo dar à desigualdade, ao racismo e à violência é mais violência", diz Almeida, que também é presidente do Instituto Luiz Gama.

Segundo Ronilso Pacheco, pesquisador em teologia e direitos civis pela Universidade de Columbia (EUA), a conduta da polícia americana arrasta o legado da segregação.

"A polícia é herdeira quase que direta das forças de controle que estão vinculadas à escravidão. Primeiro com a vigilância e depois de controle do contingente de escravizados livres."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.