Descrição de chapéu Coronavírus

Pelo menos 11 países registram casos de mutação do coronavírus

Anúncio de variante mais transmissível encontrada no Reino Unido levou a restrições na circulação de pessoas de mais de 40 nações

São Paulo, Paris, Madri, Estocolmo e Toronto | AFP e Reuters

Vários países confirmaram casos de contaminação por uma nova linhagem do coronavírus potencialmente mais transmissível —já são pelo menos onze com esses registros.

Detectada no Reino Unido, a variante levou mais de 40 países a bloquearem a entrada de viajantes do território britânico nos últimos dias e instaurou um endurecimento da quarentena em Londres e outras regiões da Inglaterra na véspera do feriado de Natal.

Regent Street, em Londres, fica vazia após governo britânico endurecer restrições para conter novas variantes do coronavírus
Regent Street, em Londres, fica vazia após governo britânico endurecer restrições para conter novas variantes do coronavírus - Niklas Halle'n - 26.dez.20/AFP

Novos registros foram anunciados entre a sexta-feira (25) e este sábado (26) na França (1 caso), na Espanha (4 casos) e na Suécia (1 caso). A Itália, que já tinha divulgado seus primeiros casos, identificou mais seis infectados.

Também foram confirmados os primeiros casos na Alemanha e no Japão. Antes já tinham sido relatados contágios na Dinamarca, na Holanda e na Austrália.

O Canadá anunciou neste sábado que detectou dois casos da forma do vírus —o casal não viajou recentemente nem entrou em contato com pessoas que poderiam estar infectadas, segundo as autoridades de saúde.

Não há indícios de que a cepa cause uma versão mais grave da Covid-19.

Segundo o ECDC (European Centre for Disease Prevention and Control), a nova linhagem tem uma transmissibilidade até 70% superior ao que se tem como parâmetros atualmente (entenda aqui o que significa a mutação). ​

Especialistas afirmam que mutações mais acentuadas em vírus que se espalham muito rapidamente são esperadas, mas não devem afetar a eficácia das vacinas distribuídas e testadas contra a Covid-19.

O primeiro caso positivo da nova variante do vírus na França foi detectado em um francês residente no Reino Unido e que está assintomático, informou o Ministério da Saúde francês em um comunicado. Segundo o texto, a pessoa foi isolada em quarentena.

Segundo o previsto no protocolo implantado após a descoberta dessa cepa no sudeste da Inglaterra, foi solicitado um sequenciamento genético do vírus que contagiou o cidadão francês ao Centro Nacional de Referência de Vírus e Infecções Respiratórias (CNR), que confirmou na sexta-feira (25) a infecção pela variante.

"As autoridades sanitárias procederam o rastreamento de contatos dos profissionais de saúde que cuidaram do paciente e das pessoas com as quais teve contato para que façam um isolamento estrito", acrescentou o comunicado. Segundo o ministério francês, várias outras amostras de casos que podem ser da nova variante estão em análise.

Neste sábado (26) a Espanha confirmou a chegada da linhagem em seu território com o anúncio de que foram detectados quatro casos de infecção pela variante.

As quatro infecções estão vinculadas a pessoas que chegaram recentemente do Reino Unido, afirmou Antonio Zapatero, vice-conselheiro de Saúde Pública da região de Madri, em uma entrevista coletiva.

"A situação dos pacientes confirmados não é grave, sabemos que a cepa é mais transmissível, mas não provoca gravidade", disse. "Não se deve tomar a notícia com nenhum tipo de nervosismo."

O país tem outros três casos suspeitos da variante, mas ainda aguarda os resultados dos exames.

A agência sueca de saúde disse que a mutação do coronavírus foi identificada num viajante que tinha ido ao Reino Unido para as festas de Natal —ele está em isolamento desde o diagnóstico.

A Suécia figura entre os países que impuseram restrições de viagens a passageiros oriundos do Reino Unido desde o anúncio da variante mais contagiosa.

No Brasil, não há registro de nenhum caso de infecção pela variante do coronavírus e estão suspensos desde quinta-feira (25) os voos internacionais que tenham origem ou passagem pelo Reino Unido.

Na quarta-feira (23) o Reino Unido anunciou que encontrou uma segunda nova linhagem, também mais transmissível do que as detectadas anteriormente. Segundo o governo britânico, a variante teria origem na África do Sul, o que levou a nação europeia a restringir a entrada de viajantes vindos do país africano.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.