Descrição de chapéu Opinião Tendências Debates

André Malbergier: Maconha para quem precisa   

Riscos de dependência e psicoses são menosprezados por muitos que usam a maconha e acreditam que seu ato é terapêutico 

André Malbergier

Peço licença aos Titãs para fazer uma referência à música “Polícia” no título deste artigo. É importante esclarecer, contudo, que trato aqui da maconha medicinal. Rigorosamente, deveríamos usar o termo canabinoides com potencial terapêutico —a variedade de termos gera confusão no Brasil e no mundo. 

Em alguns estados americanos que liberaram a maconha para fins medicinais, observou-se diminuição sensível da percepção de riscos em relação ao uso recreativo da droga, quadro a sugerir que a população não distingue com clareza o uso recreativo do terapêutico. 

Plantação de maconha em Hillsboro, no estado norte-americano de Oregon
Plantação de maconha em Hillsboro, no estado norte-americano de Oregon - Flávio Sampaio/Folhapress

Talvez aproveitando essa desinformação, defensores da legalização da maconha recreativa aderiram à luta pela sua liberação para fins medicinais.

 

Essa união aumentou o poder dos estudiosos da “maconha medicinal”, potencialmente útil no controle de náuseas e dor em pacientes com câncer, na esclerose múltipla, em epilepsia, infecções virais, Alzheimer e ansiedade, por exemplo.

O estímulo a essas pesquisas é o ponto positivo da questão. Por outro lado, promoveram-se desinformação e generalizações indevidas.
A maconha é uma substância psicoativa (droga) preparada a partir da planta Cannabis sativa, indica ou ruderalis. Dela são extraídas substâncias chamadas canabinoides — existem, segundo cálculos, de 60 a 110 tipos.

 Um deles, o THC (Delta-9-tetrahidrocanabinol), é o que promove os efeitos prazerosos. Há vários outros canabinoides extraídos da mesma planta, mas sem efeito psicoativo significativo (o que chamamos popularmente de barato).  

E já é possível também produzir canabinoides sintéticos em laboratórios. Ou seja, vários deles podem ter efeitos terapêuticos e se tornarem medicamentos sem a necessidade de legalização do uso recreativo da maconha ou de submeter pacientes ao efeito psíquico da droga e a seus riscos de dependência.

Tais riscos acabaram menosprezados por muitos que usam maconha recreativamente acreditando que o ato é terapêutico

É cada vez mais frequente atender jovens que dizem consumir maconha por seus supostos efeitos terapêuticos no tratamento contra ansiedade, insônia, estresse, nervosismo, timidez e desatenção. 

As informações abundantes na internet, quase sempre parciais, reforçam essa ideia e dão a sensação aos jovens de são especialistas no tema.

Artigo de fevereiro da revista médica “Jama” apontou que, embora a FDA (órgão dos EUA similar a nossa Anvisa) ainda não tenha regulamentado nenhum uso terapêutico da cannabis, 92% dos pediatras pesquisados afirmaram que recomendariam maconha a pacientes com câncer. 

É interessante destacar que os médicos certificados a prescrever cannabis medicinal apresentaram taxas menores de indicação, provavelmente por conhecerem melhor o assunto. Esses dados sugerem que nós, médicos, também somos influenciados pelo possível efeito terapêutico propagandeado por essa indústria já bastante poderosa.

Acredito nos potenciais terapêuticos dos canabinoides e defendo estudos criteriosos sobre o tema. Mas está claro também que a população em geral precisa de mais informações a respeito do assunto.
 

ANDRÉ MALBERGIER, médico psiquiatra, é coordenador executivo do Grea (Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas), da Faculdade de Medicina da USP

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.