Descrição de chapéu

Terrenos na Lua

1º voo tripulado de empresa reforça debate sobre exploração comercial do espaço

Lançamento de voo tripulado da SpaceX ao espaço - Bill Ingalls/Nasa/AFP

Acossados pela pandemia de Covid-19 e confrontados com intensos protestos raciais, os Estados Unidos tornaram-se palco, no último fim de semana, de outro acontecimento de enorme magnitude.

No sábado (30), ganhou os céus o primeiro voo espacial tripulado a partir dos EUA desde a aposentadoria dos ônibus espaciais, em 2011. Esse, porém, era apenas um dos motivos para a expectativa que cercava o lançamento.

O outro, com implicações maiores para o futuro, foi o fato de a empreitada ter sido liderada, pela primeira vez, por uma empresa privada, a SpaceX —contratada pela Nasa para levar dois astronautas.

O feito constitui mais um marco para a companhia fundada por Elon Musk, a qual, em poucos anos, passou a dominar o mercado aeroespacial. Hoje, dois terços dos lançamentos da agência espacial americana são realizados pela empresa com sede na Califórnia.

Tamanho sucesso sustenta-se numa técnica inovadora, que permite à SpaceX reutilizar seus foguetes, barateando dessa maneira as missões siderais em grande escala.

No fim de semana, depois de levar a cápsula com os astronautas à órbita da Terra, o foguete Falcon 9 retornou intacto ao solo. Quase 20 horas depois, o módulo acoplou-se à Estação Espacial Internacional.

Embora venha liderando essa corrida, a SpaceX não é a única empresa a mirar o espaço. A Blue Origin, de Jeff Bezos, a Virgin Galactic, de Richard Branson, e a Boeing vão também nessa direção.

Essas e outras companhias vêm propondo novas possibilidades de perscrutar o cosmo, como o turismo espacial, a fixação de bases na Lua e em Marte e até a exploração mineral de corpos celestes.

Com o avanço dessas iniciativas, ganha importância o debate sobre a regulação de tais atividades, já que o principal tratado sobre o espaço, de 1967, define que nenhum país pode reivindicar soberania sobre qualquer astro —mas nada fala acerca de exploração comercial e propriedade privada.

Os EUA vem aproveitando esse vácuo. Em 2015, Barack Obama sancionou uma lei que dá a cidadãos e entidades americanas o direito de reclamar a posse e comercializar recursos obtidos fora da Terra.

Atualmente, segundo reportagem da Reuters, Donald Trump prepara uma legislação para permitir a extração mineral na Lua por parte de empresas do país e de nações aliadas. A iniciativa pode levar outras potências a buscarem o mesmo, fomentando uma disputa tanto tecnológica como geopolítica.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.