Descrição de chapéu
Benedito Braga

É cuidando das pessoas que vamos despoluir o rio Pinheiros

Coleta de esgoto nos 25 afluentes provoca impacto direto em bairros pobres

Benedito Braga

Presidente da Sabesp e presidente honorário do Conselho Mundial da Água

Dona Antônia nos conta que hoje, ao cozinhar, consegue sentir o cheiro dos alimentos, coisa que não acontecia antes. Ela mora numa área invadida ao lado do córrego Zavuvus, na zona sul da capital paulista, e recentemente sua casa e milhares de outras vizinhas receberam ligações de esgoto no programa Novo Rio Pinheiros. O cheiro do esgoto que caía no córrego era o responsável por encobrir o odor da comida.

Mas o que uma área informal a quase dez quilômetros do Pinheiros tem a ver com a despoluição do rio? A casa da Dona Antônia é uma entre mais de 500 mil da bacia Pinheiros que não tinha o esgoto levado para tratamento. O esgoto, mais o lixo e o assoreamento, são as principais causas do cheiro ruim e da aparência degradada do Pinheiros.

Então secretário de recursos hídricos de São Paulo, Benedito Braga foi alvo de protesto do Greenpeace ao receber prêmio em 2015
Então secretário de recursos hídricos de São Paulo, Benedito Braga foi alvo de protesto do Greenpeace ao receber prêmio em 2015 - Alan Marques - 13.out.15/Folhapress

Para cumprir a meta de reintegrar o rio à cidade de São Paulo até 2022, começamos o trabalho pela infraestrutura de coleta de esgoto nos 25 afluentes que chegam a ele. O Zavuvus foi o primeiro a receber obras no programa, que já beneficiou mais de 80 mil pessoas. Ao mesmo tempo, as condições do córrego melhoraram muito em função da supressão da carga de matéria orgânica que era antes despejada nele.

Pessoas como a Dona Antônia se instalaram em áreas informais por conta da demanda por habitação e urbanização explosiva dos últimos 50 anos. Hoje, com a determinação dada pelo governador João Doria (PSDB) de concentrar diferentes esferas de governo nesse projeto, sob a coordenação da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente, temos a sinergia necessária para alcançar o sucesso que todos esperam na limpeza do rio Pinheiros.

As obras, realizadas através de contratos de performance, pagando por resultados, oferecem uma remuneração que estimula a celeridade dos trabalhos e a qualidade da água nos córregos. Indicadores como a Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) são usados para o cálculo da remuneração das construtoras. Estamos investindo cerca de R$ 1,7 bilhão, gerando 4.200 empregos, e as obras estão em ritmo acelerado, cumprindo o cronograma e com todos os cuidados com os colaboradores em tempos de Covid-19.

Os efeitos do programa não serão sentidos somente nos escritórios espelhados próximos ao rio Pinheiros, mas na vida das comunidades mais vulneráveis, mais distantes. Foi uma escolha técnica, mas também de caráter humano, já que a situação do rio é resultado da falta de uma visão de sustentabilidade da sociedade. Ao resgatarmos a dignidade dessas pessoas mais desatendidas, estamos também —diretamente— recuperando a vida do rio.

É cuidando das pessoas que vamos cuidar do rio. Nas frentes de obras as pessoas são envolvidas em atividades de educação ambiental, compreendendo a importância de cuidar do córrego. Assim, o córrego deixa de ser um vizinho malquisto, que cheira mal e ameaça com a enchente, tornando-se um companheiro vivo.

Se todos trabalharmos juntos, essa mesma transformação pode acontecer nas nossas vidas e no Pinheiros. Ele pode voltar a ser local de lazer e turismo, motivo de contemplação e orgulho, uma demonstração do nosso amor pela natureza e, é claro, por nós mesmos. Mas é um esforço de todos. A Sabesp está fazendo a parte dela. E você?

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.