Descrição de chapéu
Josias Vieira do Nascimento Junior

Evangélicos pelo clima

Pauta não pode mais ser negligenciada por igrejas e, principalmente, políticos

Josias Vieira do Nascimento Junior

Ecoteólogo da Igreja Batista em Coqueiral (Recife) e coorganizador da Coalizão Evangélicos pelo Clima

O que não falta é versículo da Bíblia falando do meio ambiente. Em alguns lugares, ele aparece como o Jardim do Éden; em outros, como a criação. Mas, de um jeito ou de outro, está sempre lá. Por conta disso, sempre me perguntei por que os evangélicos não falavam muito sobre o tema. Seria falta de pregação?

Foi aí que descobri que o problema, na verdade, era que eu estava olhando para o lado errado. As pessoas evangélicas realmente não falam muito sobre o tema, mas têm posicionamentos a se considerar. Uma pesquisa realizada em dezembro pela agência Purpose, com 2.000 evangélicos em todo o país, revelou que cerca de 77% gostariam que sua igreja apoiasse atividades ambientais. Isso mostra que o povo de Deus já entendeu que, além de estender a mão às pessoas que mais precisam, o chamado da igreja também é preservar matas, florestas e seus animais.

Em um país onde os evangélicos tiveram papel central na eleição presidencial, é relevante o fato de que 76% dos evangélicos entrevistados desaprovam as políticas ambientais do governo Jair Bolsonaro —num levantamento onde essa questão aparece como a terceira mais relevante na hora de decidir o voto. São pessoas que vão à igreja todos os domingos, mas que não negligenciam as notícias nos jornais na segunda, pela manhã.

A mobilização política e de ajuda das igrejas evangélicas, que sempre teve muita força nos governos e em obras assistencialistas, parece pronta a dar mais um passo, agora no sentido do relacionamento em harmonia com a natureza. Mais do que pregações sobre o tema, faltavam pesquisas.
Foi a partir dos resultados desse levantamento e das análises que ele possibilitou que nasceu o

Evangélicos pelo Clima, uma coalizão formada por pessoas, igrejas e organizações evangélicas, pensando e atuando em prol do meio ambiente —e unidas pelo entendimento de que Deus tem uma missão para nós e convidou a igreja, como parte de sua criação, para a reconciliação de todas as coisas com Ele.

Cristãos e cristãs que, através de uma aliança com Deus, se comprometeram com a convivência harmônica no meio ambiente e que evidenciam que essa pauta não pode mais seguir sendo negligenciada pelas igrejas e pelos políticos —principalmente aqueles que têm os evangélicos como base de apoio e voto. São igrejas e pessoas presentes em todo o espectro da fé e prática evangélica, desde o campo mais histórico ao mais pentecostal, que estão unidas para se conscientizarem sobre a pauta climática, mas também para agirem juntas em seus territórios por todo o país.

Quando descobri esse esforço por algo que prezo tanto, corri para fazer parte. Assinei a carta e, hoje, me somo aos esforços de irmãos e irmãs comprometidos em evidenciar, na vida prática, que o Reino de Deus se concretiza na harmonia do todo que Ele criou. E, se você é evangélico e também acredita que nosso chamado vai além de frequentar a escola dominical, fica aqui o convite para que faça o mesmo. Porque zelar pela criação é cuidar da natureza.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.