Descrição de chapéu
Antônio Geraldo da Silva e Afzal Javed

Terapia com choque salva vidas

Ao contrário do que o preconceito perpetua, tratamento é eficaz em casos mais graves

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Antônio Geraldo da Silva

Médico psiquiatra, é presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e membro do Comitê Permanente de Seções Científicas da Associação Mundial de Psiquiatria (WPA)

Afzal Javed

Presidente da Associação Mundial de Psiquiatria (WPA)

O preconceito, o estigma e a psicofobia contra as doenças mentais são nítidos, isto não é segredo para ninguém. Em tempos de negacionismo, onde aspectos ideológicos ultrapassam as evidências da ciência e de pesquisas nacionais e internacionais, uma das técnicas mais eficazes e seguras para o tratamento de alguns transtornos psiquiátricos volta a ser alvo de ataques públicos: a eletroconvulsoterapia (ECT).

Diante de tudo o que temos lido nos últimos dias, uma pergunta permanece: por que não discutimos o fim da eletrocardioversão, da eletroacupuntura e de todas as formas de eletroestimulação feitas pela área médica, mas concordamos com os pedidos de extinção da ECT? Respondemos: desinformação, preconceito, estigma e psicofobia.

Paciente em tratamento experimental com estimulação magnética transcraniana no HC da USP - Folhapress

O Conselho Federal de Medicina (CFM) determina como dever dos médicos "defender o direito de cada paciente de usufruir dos melhores meios diagnósticos cientificamente reconhecidos e dos recursos profiláticos, terapêuticos e de reabilitação mais adequados à sua situação clínica ou cirúrgica" e também regulamenta e instrui quanto aos cuidados na aplicação da técnica no Brasil, desde 2002.

De acordo com a resolução nº 2.057/2013, a ECT "deve ser realizada em ambiente com infraestrutura adequada de suporte à vida e a procedimentos anestésicos e de recuperação"; portanto, em ambiente hospitalar. Tal resolução aprova ainda as normas e os roteiros de vistoria, os princípios universais de proteção ao ser humano, a defesa do ato médico privativo de psiquiatras e os critérios mínimos de segurança para os estabelecimentos hospitalares ou de assistência psiquiátrica de quaisquer naturezas.

A eletroconvulsoterapia deve ser sempre realizada com o consentimento do paciente mediante termo, após indicação do psiquiatra e avaliação devida. Médico anestesista e enfermeiro também fazem parte da equipe multiprofissional que realiza o procedimento.

Por isso, a Associação Brasileira de Psiquiatria não se cala e não se esconde. Entendemos que nos isentar de defender uma terapêutica que salva vidas por pura ignorância e preconceito pode ser considerado um crime contra os doentes mentais.

Precisamos denunciar a omissão dos governos, dos sistemas de saúde e instituições que perpetuam esse pensamento retrógrado e criminoso. Não podemos compactuar com a ignorância quando sabemos que a eletroconvulsoterapia salva vidas e é considerada a terapêutica de primeira escolha para diversos quadros psiquiátricos. Por vezes, é a única e última solução de quadros graves e crônicos ou cronificados.

Este não é um tratamento excepcional ou experimental, mas uma modalidade com eficiência e eficácia comprovadas e indicações precisas nos consensos e diretrizes terapêuticas nacionais e internacionais.

Não ter o procedimento no arsenal terapêutico é condenar uma parcela importante dos doentes mentais ao sofrimento perpétuo e à morte.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.