Descrição de chapéu
O que a Folha pensa

UTI Brasil

Mesmo ampliadas, vagas para terapia intensiva chegam ao ponto de saturação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

0
Equipe cuida de paciente com Covid internado em UTI no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto - Divulgação

Com o recrudescimento da epidemia de Covid-19 neste 2021, muitos se indagam sobre a razão de governadores e prefeitos não reabrirem hospitais de campanha e não multiplicarem leitos de unidades de terapia intensiva. Essas não são as perguntas corretas.

O modelo de hospitais emergenciais se mostrou problemático. Vários acabaram ociosos. Com o tempo ficou claro que fazia mais sentido abrir vagas nas unidades existentes, sem necessidade de replicar todas as estruturas de apoio nelas disponíveis, de secretaria e farmácia a cozinha e lavanderia.

As vagas de UTI foram, sim, aumentadas —muito. Em um ano de pandemia, mais de 25 mil leitos da modalidade foram incorporados aos 41 mil preexistentes nas redes pública e privada de hospitais, um incremento de 61%.

Pouco adiantou, como provam as estatísticas de ocupação. Nada menos que 21 das 26 capitais estaduais viram suas UTIs ultrapassarem 90% de lotação, o que na prática torna inadministráveis sistemas para alocar pacientes graves.

Há limites objetivos para a expansão contínua. É finito o número de médicos e enfermeiros especializados. Não resolve instalar camas e respiradores se não houver pessoal treinado para operá-los e executar procedimentos específicos.

A velocidade de contágio cresceu tanto que rareiam não só recursos humanos, mas suprimentos. A tragédia do oxigênio em Manaus, em janeiro, foi só amostra do que viria: 1.068 de 2.411 prefeituras ouvidas pelo Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) relatam risco de desabastecimento em dez dias.

Não bastasse a falta do gás, escasseiam medicamentos necessários para intubar pacientes, como sedativos e bloqueadores musculares. Não surpreende que, com a demanda sobrepujando a oferta, os preços tenham disparado até 220% acima dos valores pré-Covid.

Mesmo no estado mais rico, São Paulo, meio milhar de doentes morreram à espera de vaga em UTI, e isso apenas desde março.

No cenário dantesco, Jair Bolsonaro vai a Chapecó (SC) e mais uma vez promove tratamento precoce fraudulento. Correligionários seus, na Prefeitura de Bauru (SP) ou no Supremo Tribunal Federal, repetem o sofisma sinistro que põe a aglomeração em templos e bares à frente do direito à vida e à saúde.

Nunca foi tão urgente repetir: até que a vacinação permita a superação da epidemia, apenas o distanciamento social pode diminuir o impacto do desastre já consumado.

editoriais@grupofolha.com.br

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.