Leitores comentam pronunciamento de Bolsonaro na TV

'Estou jogando a toalha', diz leitor que votou em Bolsonaro

Unidos pelo coronavírus
√Č a velha hist√≥ria: quando o barco come√ßa a afundar, os ratos s√£o os primeiros a abandon√°-lo ("Caiado rompe com Bolsonaro e diz que n√£o respeitar√° decis√Ķes do presidente", Poder, 25/3). Bolsonaro est√° fazendo o milagre de unificar o pa√≠s: o povo, a classe m√©dia, os trabalhadores, os servidores, os pol√≠ticos, enfim, todo o mundo est√° se unindo... contra ele.
Geraldo da Silva (Salvador, BA)

O governador de Goi√°s, Ronaldo Caiado, e o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, cumprimentam os repatriados brasileiros trazidos de Wuhan, na China - Pedro Ladeira/Folhapress


Nosso país precisa de um líder séria. Após o pronunciamento da noite de terça, o capitão/atleta desnudou sua flagrante insanidade. As autoridades médicas e governamentais de todo o planeta estão histéricas (!), só o "atleta" está certo. Está mais do que na hora de instaurar-se um incidente de insanidade mental e a subsequente interdição judicial da triste e trágica figura.
Rubem Prado Hoffmann J√ļnior (S√£o Paulo, SP)

O presidente Bolsonaro perguntou qual √© a l√≥gica de suspender as aulas se as crian√ßas s√£o pouco vulner√°veis ao coronav√≠rus. A resposta √© simples: as crian√ßas v√£o se contaminar na escola e ter√£o poucos ou nenhum sintoma da doen√ßa, mas levar√£o o v√≠rus para suas casas, onde seus pais e av√≥s ser√£o contaminados e poder√£o ter a forma mais grave da doen√ßa. N√£o h√° uma sa√≠da f√°cil, e a economia vai sofrer, mas, no momento, o mais importante √© tentar reduzir o m√°ximo poss√≠vel o n√ļmero de mortos na pandemia, e isso implica manter o isolamento social, sem aulas, pelas pr√≥ximas semanas.
M√°rio Baril√° Filho (S√£o Paulo, SP)

N√£o √© a primeira vez ‚ÄĒnem ser√° a √ļltima‚ÄĒ que Jair Bolsonaro vem a p√ļblico desfilar incongru√™ncias e teorias irrespons√°veis. O presidente est√° cada vez mais isolado politicamente e perdendo apoio substancial nas redes sociais. Assim, na medida em que a hip√≥tese do afastamento do cargo √© praticamente impens√°vel ‚ÄĒvisto que um impeachment, al√©m de inoportuno, seria tecnicamente invi√°vel e √© imposs√≠vel imagin√°-lo renunciando‚ÄĒ, a solu√ß√£o imediata √© n√£o lev√°-lo a s√©rio. O tecido democr√°tico est√° mantido, a imprensa continua livre e o ministro Mandetta e os governadores continuar√£o seguindo as normas da OMS.
Luciano Harary (S√£o Paulo, SP)

A maior crise humanit√°ria da hist√≥ria do Brasil nas m√£os do governo mais despreparado e de um presidente da Rep√ļblica insano.
Ant√īnio Beethoven Cunha de Melo (S√£o Paulo, SP)

Eu votei em Bolsonaro, mas o seu destempero ficou insustentável. Estou definitivamente "jogando a toalha". Isso faz eu ter saudades da diplomacia do Temer. Pena que a maioria que assume o poder se transforme em ladrão. Quando teremos um presidente que irá reunir honestidade, competência, diplomacia e comedimento em seus pronunciamentos?
Cl√°udio de Melo Silva (Olinda, PE)

Bolsonaro √© extremamente despreparado para lidar com a crise de sa√ļde p√ļblica. Seus discursos alimentam uma narrativa nociva √† popula√ß√£o e d√£o legitimidade institucional √† desinforma√ß√£o que circula pelas redes sociais sobre as medidas necess√°rias para conter a pandemia. √Č hora de Mandetta mostrar que serve ao povo, n√£o aos caprichos de um presidente delirante.
Rafael Franceschetti Macedo (S√£o Paulo, SP)

Na edição desta quarta-feira (25), Hélio Beltrão adentra a seara médica defendendo uma conduta ainda não corroborada: o uso de hidroxicloroquina como medicação profilática ("Liberem a hidroxicloroquina", Mercado). Em vez de o colunista tangenciar o exercício ilegal da medicina, ele deveria dizer o que pensa sobre o "Estado mínimo" que vai socorrer empresas aéreas e bancos, entre outros, mas que vai aplicar a lógica de livre mercado em relação a nossos salários.
Francisco Moreno de Carvalho (S√£o Paulo, SP)

Até quando o mundo vai se curvar diante da China e perdoá-la por exportar vírus mortais para toda a humanidade, décadas após décadas? A mídia não está fazendo reportagens para mostrar os lugares de onde vêm esses e outros coronavírus. Pelo WhatsApp, já vimos mercados chineses a céu aberto vendendo carne de gato, cachorro, cobra e morcego. Estão todos com medo da China só porque ela é a bola da vez na economia mundial? Quando o governo chinês vai combater tais mercados de horrores?
Jaime Pereira da Silva (S√£o Paulo, SP)

A trag√©dia do coronav√≠rus n√£o pode ser usada como palco pol√≠tico para as pr√≥ximas elei√ß√Ķes. Aqui, no Brasil, precisamos de gabinetes de solidariedade e paz, n√£o de √≥dio. Todos de m√£os dadas para enfrentarmos a maior crise depois da Segunda Guerra Mundial.
Ricardo Patah, presidente da Uni√£o Geral dos Trabalhadores (S√£o Paulo, SP)

Fiesp
"A Fiesp exp√īs sua alma em reuni√£o com Bolsonaro" (Elio Gaspari, Poder, 25/3). Elio Gaspari esquece que a Fiesp j√° mostrou sua alma pelo menos duas vezes antes desta recente reuni√£o com o Bolsonaro. 1) Quando, em 1989, o ent√£o presidente da Federa√ß√£o das Ind√ļstrias do Estado de S√£o Paulo, Mario Amato, disse que todos iriam para o aeroporto caso Lula fosse eleito; 2) Quando o pato do atual presidente, Skaf, invadiu a avenida Paulista.
F√°bio Galv√£o (S√£o Paulo, SP)

Petrobras
Com o mundo sofrendo a trag√©dia da pandemia de coronav√≠rus, milhares de pessoas morrendo, economia mundial e especialmente a brasileira quebrando, perspectiva de milh√Ķes de desempregados no Brasil (fala-se em 30 milh√Ķes), redu√ß√£o de sal√°rios de mais de 50% para os empregados, vem a Petrobras propor a seus acionistas triplicar o teto de pagamento de b√īnus √† sua diretoria ("Petrobras triplica teto para b√īnus a diretores mesmo com coronav√≠rus e petr√≥leo barato", Mercado, 23/3). O valor chegaria a R$ 11,8 milh√Ķes em 2020. Como isso √© poss√≠vel? O governo √© o principal acionista da empresa. Esse desgoverno vai permitir esse absurdo?
Marco Antonio S. Oliveira (S√£o Paulo, SP)

Entrada do p,rédio da Petrobras no Rio de Janeiro (RJ) - Marcos Vidal/Futura Press/Folhapress

Coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.