Leitores questionam prêmio no TJ-SP e Paulo Guedes por querer taxar livros

Vacina russa, Enel e bolsonarismo são temas de comentários dos leitores do jornal

Bônus na Justiça
Tribunal de “Justiça”? Justiça só para eles (“TJ de SP vai dar prêmio de até R$ 100 mil para desembargadores julgarem processos durante a crise”, Painel, 11/8). Sociopatas. A sociedade se esfola para pagar as contas, e esses senhores com altíssimos salários se dão um prêmio, burlando o teto salarial. Escárnio.
Luciano Neder Serafini (Ribeirão Preto, SP)

*

Vão ganhar prêmio para fazer um trabalho que eles já ganham salário para fazer. É isso, produção?
Mariana Silveira (Cachoeiro de Itapemirim, ES)

*

O “prêmio” não é para fazer o que já fazem. São processos além daqueles ordinariamente recebidos. Seria, sim, compensação pela produtividade extra. Vários servidores ganham isso. Auditores, advogados e médicos em hospitais públicos, todos por fazerem além do normalmente exigido. Por que seria diferente só com os desembargadores do TJ-SP?
Marco Machado (Florianópolis, SC)

*

O Tribunal de Justiça não premia desembargadores, escrito falacioso, que busca formar na mente do cidadão ideia negativa. Juízes não recebem penduricalho, mas vencimentos previstos em lei e atrasados, de direitos não honrados a tempo pelo Estado. Com distribuição de processos imensa, o TJ busca brevidade, daí as câmaras extraordinárias, para julgar mais, melhor e mais rápido. E, pelo serviço, magistrados têm dias para gozo, o que não significa ganho financeiro. O TJ aceita críticas, mas não as que denigrem.
Geraldo Francisco Pinheiro Franco, presidente do Tribunal de Justiça de SP (São Paulo, SP)


STF, Lula e Moro
Bolsonaro fará de tudo para que, o mais rápido possível, o novo ministro —a ser indicado por ele— tome posse e participe do julgamento (“Buraco no Supremo após aposentadoria de Celso de Mello é aposta de Lula contra Moro”, Poder). E sabemos qual posição esse novo ministro terá (especialmente neste caso).
Matheus Souza (Americana, SP)

*

O caso irá ao plenário do STF. A presidência muda em setembro, e o Fux vai chamar para si os louros de manter Lula condenado e, possivelmente, preso. Alguém já viu estratégia do advogado de Lula dar certo?
José Renato Monteiro (São Paulo, SP)

*

Declarar a suspeição de Sérgio Moro não é só uma questão de direito mas também de caráter!
Ygor Heleno (Carmo do Cajuru, MG)


Vacina russa
A vacina pode ser chinesa, inglesa, americana, russa, paraguaia, marciana, reptiliana etc. Funcionando é o que importa (“Sem resultados, OMS não vai recomendar vacina russa", Saúde, 11/8). Ninguém deixa de ter smartphone ou comprar roupas de marca só porque têm peças chinesas ou vieram da China.
Flávio Augusto (São Paulo, SP)
*
A vacina tem que ter o aval da OMS, senão é inócua.
Rubens Gonçalves (Curitiba, PR)


Covid
Causou-me indignação o presidente Jair Bolsonaro elaborar ranking sobre o coronavírus e elencar, nos primeiros da lista, governadores e prefeitos adversários políticos. Justamente ele que não fez nada para evitar as 100 mil mortes. Lamentável.
Maria Helena Beauchamp (São Paulo, SP)


Enel
Diariamente milhares de pessoas reclamam contra a Enel (antiga Eletropaulo) e não são atendidos. Sugestão a Bolsonaro: use Aneel e Ministério de Minas e Energia para fazer intervenção e posterior expropriação da empresa que trata a população com tanto descaso.
Moyses Cheid Junior (São Paulo, SP)


Paulo Guedes e os livros
É acertado Paulo Guedes taxar produtos voltados a ricos (“A falácia de Paulo Guedes sobre a taxação de livros”, Luiz Schwarcz, Opinião, 10/8). Mas é equivocado achar que livro é coisa de rico. Rico lê no Kindle. Mas tem coisa de rico que deve ser taxada. Aeronave, embarcação, jet ski e joias, como as do Cabral, poderiam ter algo nos moldes do IPVA. Até lucros e dividendos retirados por pessoa física da empresa não pagam IR.
Elcio Cabral Melo, roteirista (Ubatuba, SP)

*

E, pela proposta do Guedes, as igrejas serão isentas da tal da CBS.
Cristina Dias (Curitiba, PR)

*

Espero que esse governo que libera e facilita a venda de armas e que dificulta a compra de livros acabe num tiro que saia pela culatra, antes que ele acabe com a nossa cultura.
Raimundo Carvalho (Vitória, ES)

*

Por favor, enviem o artigo do Luiz Schwarcz ao ministro Paulo Guedes. Acho que será de grande ajuda para quem pensa que livro é luxo.
José Paulo Pereira (Taubaté, SP)


Bolsonarismo
Se pegar a principal oposição semântica do discurso bolsonarista, no “Orvil”, fica com fato notório: a classe proletária, em diversos momentos, tentou estabelecer algum sistema de justiça social e distribuição de renda. A isso tudo deu-se o nome de “tentativas de tomar o poder”, sempre nas mãos dos que detêm a propriedade, a renda. Ou seja: esquerdistas querem sociedade democrática e justa, e as Forças Armadas, lacaias, conspiram para que ela não se estabeleça (“A arquitetura da destruição”, Ilustríssima, 9/8).
Edson Ribeiro da Silva (Curitiba, PR)

*

Choro de ideologia derrotada. A maior destruição da história republicana deu-se pela corrupção, pelo aparelhamento da mídia, governo e inúmeros instituições educacionais que só provocaram miséria, clientelismo e falta de segurança. O atual governo recebeu o país quebrado. E busca sanar problemas nunca abordados em gestões anteriores.
Marcos Serra (Porto Alegre, RS)

Educação
Em relação à carta da leitora Rita de Cássia Kovalinkinas Foltram (Painel do Leitor, 11/8), a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo esclarece que planeja a retomada das aulas pautada em medidas de contenção da epidemia, atendendo aos interesses da população e sem colocar vidas em risco, seguindo as recomendações sanitárias do Centro de Contingência do coronavírus. Os contratos terceirizados de prestação de serviços serão retomados assim que às aulas voltarem.
Lúcia Saito, assessora de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (São Paulo, SP)

#UseAmarelo pela democracia

Um verdadeiro periquito democrático, flagrado no oitavo andar de um prédio em Santos, pelo leitor Marcelo Ghibu
Um verdadeiro periquito democrático, flagrado no oitavo andar de um prédio em Santos, pelo leitor Marcelo Ghibu - Marcelo Ghibu

Um verdadeiro periquito democrático.
Marcelo Ghibu (Santos, SP)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.