Descrição de chapéu pantanal

Leitores comentam incêndios no Pantanal

Eleições, China e ações afirmativas também estão entre assuntos comentados

Incêndios

"Fazendeiro perde 6.000 hectares no Pantanal, mas defende queimadas" (Ambiente, 25/9). Que tristeza ver imagens dos animais morrendo queimados. Sem falar dos que sobreviveram mas que agora não têm alimento. Inacreditável a ganância e a perversidade humana. Duvido que algum fazendeiro vá ser preso por esses crimes, tampouco o ministro do Meio Ambiente

Eliane Freitas (São Paulo, SP)

*

Pois é, seu Pedro, as queimadas podem até ter feito algum sentido um dia, mas agora, como se vê, não fazem mais. O calor é maior, a secura é maior e há bem menos água --foi o senhor mesmo quem disse. Então o método de queimar o solo tem de ser trocado por outro, mais seguro e mais eficaz. Aliás, no ano que vem talvez nem haja o que queimar.

José Fernando Marques (Brasília, DF)

*

O futuro é um prédio com temperatura, umidade e iluminação artificial controladas, produzindo alimentos e tendo toda a sua energia produzida por placas solares e toda a sua água reciclada. Enquanto o Brasil destrói e queima o seu patrimônio, os outros países investem em tecnologia e irão produzir em um arranha-céu mais comida do que uma pequena cidade brasileira.

Maurício Serra (Cidade Ocidental, GO)

*

Enquanto o mundo desenvolvido produz cada vez mais com menos terras, nós continuamos no passado e precisamos a cada dia de mais terras, numa marcha célere para o abismo. Quando vamos aprender? Quando já não mais de nada servirá agir?

José Padilha Siqueira Neto (São Paulo, SP)

Democracia

"O povo e as elites contra a democracia" (Reinaldo Azevedo, Poder, 25/9). O rapaz faz acrobacias com saltos duplos carpados e piruetas reversas para lavar as mãos do seu auxilio luxuoso para que o filhote da ditadura, aliás, o binômio de filhotes da ditadura, o ex-capitão e o ex-general, juntos, subissem a rampa de acesso ao Alvorada e ao Jaburu. Não só açulou a histeria farisaica supostamente moralista como relativizou a escalada da extrema direita.

Alberto A. Neto (Fortaleza, CE)

*

Reinaldo Azevedo é um fenômeno raro na crônica política do país. Sua agressividade latente faz com que ele pareça errado até quando está certo.

José Renato Monteiro (São Paulo, SP)

*

Perfeita a análise do articulista Reinaldo Azevedo. A democracia não é apenas eleições. É uma construção que se faz ao longo de muito tempo. Daí vem o valor das instituições, que vão agregando cultura e norma em defesa da coletividade --até para protegê-la de si mesma quando se equivoca terrivelmente.

Nelson Oliveira (Brasília, DF)

Não conduzo, sou conduzido

Em meio à pandemia, o governo chinês anunciou aumento de 12,5% no investimento em pesquisa e desenvolvimento em relação a 2019. Em São Paulo, o governador enviou à Assembleia o PL 529/2020, que propõe o confisco de recursos destinados à ciência, em nítida violação à constituição. A China já criou duas vacinas, em testes desde julho. São Paulo produzirá uma dessas vacinas. Aos líderes chineses e a muitos outros mundo afora, se aplica o lema da cidade de São Paulo: "Non ducor, duco". Ao ocupante do Palácio dos Bandeirantes, resta posar com a vacina chinesa nas mãos.

Hamilton Varela, professor titular do Instituto de Química da USP (São Carlos, SP)

Eleições 2020

"1 em 5 moradores da cidade de São Paulo admite não votar por medo do coronavírus, mostra Datafolha" (Poder, 26/9). Que se invistam os gastos das eleições nas estruturas e na segurança das escolas públicas. Muito mais importante do que investir nos futuros pretensos investigados por corrupção é garantir o futuro do país com educação. Assim como o vírus, os mal intencionados só mostram o estrago a ser feito depois da posse. A eleição pode esperar, a educação não.

Washington de Lima (Belo Horizonte, MG)

*

Com 147,9 milhões de eleitores, certamente haverá aglomerações nas eleições municipais. E muitos deixarão de votar por precaução, pois nenhum rosto denuncia que carrega o vírus. Se é temeridade abrir, mesmo parcialmente, a frequência do público a eventos esportivos, maior temeridade é querer que muitas pessoas se aglomerem nas seções eleitorais para votar.

Antônio Adélio Belmonte Ferreira de Carvalho (Belém, PA)

*

O que importa é preservar vidas, o resto se resolve depois. Não há novas evidências científicas e, se você for votar, mesmo sendo jovem, pode se contaminar e depois contaminar os idosos que convivem com você. Não teremos vacina antes das votações, os locais de votação são fechados, haverá muita gente próxima e os mesários, por exemplo, podem vir a ser vetores de proliferação do vírus entre as pessoas.

Marcelo Citrangulo (Campinas, SP)

Candidatos 'furta cor'

"Ao menos 21 mil candidatos mudaram declaração de cor para eleição de 2020" (Poder, 25/9). O STF tem a obrigação não só de barrar a troca de cor de candidatos mas, sobretudo, de torná-los inelegíveis. Isso é fraude, é crime. Permitir que essas pessoas concorram será a consagração da ilicitude e do descompromisso do candidato com o cargo que pretende exercer.

Lafayette Pondé Filho (Salvador, BA)

Professores

Professores, uni-vos! Vamos mostrar nas urnas a esse descarado pastor e a seu acólito-mor que somos um rebanho útil à sociedade. Já que "ser professor é não ter conseguido ser outra coisa na vida", damos graças, com certeza, por sermos professores. Fazer do aluno um ser cada dia mais atuante e pensante para que saiba escolher melhor pessoas decentes em quem votar é, e sempre será, nosso escopo. Esse Milton Ribeiro escracha o MEC ao atacar os professores. A cada dia enterra diretos do povo. É o caos.

Mariza Bacci Zago (Atibaia, SP)

Ações afirmativas

"Ambev quer elevar presença de profissionais negros entre seus fornecedores" (Painel S.A., 26/9). E os indígenas? Povo perseguido e massacrado desde 1500, após os irmãos Villas-Boas, ninguém mais os defende.

Marcos Fernando Dauner (Joinville, SC)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.