Laerte é arte, filosofia, inspiração, diz leitora

Leitores comentm dinheiro nas nádegas de senador

Filosofia e inspiração
Querida Laerte. Agradeço por você iluminar a nossa alma (Ilustrada, 14/10). Você é arte, filosofia e inspiração, todo dia! Bravíssimo!


Letícia Moreira Dias Kayano (São Paulo, SP)

Nas nádegas
"Barroso afasta por 90 dias senador flagrado com R$ 18 mil na cueca e R$ 15 mil entre as nádegas" (Poder, 15/10). Em qualquer lugar do mundo, esse senhor, cujo "lar foi invadido" e que foi pego com dinheiro no espaço entre as nádegas, ou renunciaria ou seria cassado pelos seus pares. Não precisaria ser afastado do cargo.
Silvio Lima (Camaragibe, PE)

Jair Bolsonaro e Chico Rodrigues (DEM-RR) em março de 2019 - Marcos Corrêa - 14.mar.2019/PR

*


Muy corajoso o ministro Barroso. Mas que injustiça! Não deu oportunidade para o nosso senador pedir desculpas? Segundo a jurisprudência morista, desculpou-se, está perdoado. Não foi assim com o Onix Lorenzoni?
Felicio Almiro Lima Rodrigues
(Porto Alegre, RS)

*

Sempre pensei que dinheiro sujo fosse no sentido figurado. Poxa...
Andre Luis Vasconcelos de Azevedo (Rio de Janeiro, RJ)

*

Eu darei o benefício da dúvida ao senador. Esconder um bolo de dinheiro no bumbum não quer dizer que esteja escondido. Vai ver que no estado dele tem muito assalto e ele quis proteger a grana. Ou então colocou na poupança para render um jurozinho...
Jorge André dos Santos Fischer (Tremembé, SP)

Eduardo Bolsonaro cumprimenta Chico Rodrigues no Senado em agosto de 2019 - Mateus Bonomi/AGIF


Diga-me com quem andas que eu lhe enviarei papel higiênico!
Luiz Roberto da Silva (Campinas, SP)

*

Apesar da situação desse senador pego com dinheiro no corpo gerar muita brincadeira, precisamos lembrar que se trata de um senador da República! O brasileiro precisa começar a levar as coisas mais a sério.
Maria Rodrigues (Guarujá, SP)


Voadoras
Que todos os que fazem parte do relacionamento do presidente, além dos apoiadores que frequentam o cercadinho no Palácio da Alvorada, saiam de sua frente, pois ao que parece ele viverá soltando voadoras ("Bolsonaro diz que dará voadora no pescoço de quem praticar corrupção em seu governo", Poder, 14/10).
Jairo Guimarães (Santo André, SP)


Destruição
Agradeço a Flávia Boggio pela excelente coluna, elucidando o "trabalho" do ministro na destruição do meio ambiente ("O Diabo veste Salles", Ilustrada, 15/10). Conseguiu manifestar o sentimento de todos os brasileiros que valorizam a vida e lutam pela preservação. A população deve pressionar o Supremo Tribunal Federal, mantendo a esperança.
Lucia Martelli (Ribeirão Preto, SP)

Macaco bugio carbonizado por incêndio no Pantanal - Lalo de Almeida/Folhapress

Bolsonarização
Gigantesca a coluna de Conrado Hübner Mendes desta quarta-feira ("O centrão se bolsonarizou, não o contrário", Poder, 14/10). E, concordando com ele, acho que o que justifica o deslumbramento com a atual fase "moderada" do presidente --que é apenas o medo de ter os seus filhos enquadrados-- e a cumplicidade da imprensa se deve muito ao doentio antipetismo dos que tentam justificar esse desastre de governo.
Anísio Franco Câmara (São Paulo, SP)


Traficante
Um dos aspectos mais surpreendentes dessa história toda da liberação do traficante André do Rap é que o despacho do ministro Marco Aurélio determinava que, após a soltura, o criminoso deveria permanecer em residência indicada à Justiça. Cabe a pergunta: o ministro realmente acreditava que isso seria cumprido? Tanto uma resposta afirmativa como uma negativa revelam, cada uma a seu modo, uma lamentável falta de senso da realidade do ministro.
João Paulo Zizas (São Bernardo do Campo, SP)

Torturador
Com o comedimento e a coragem que lhe são peculiares, a professora Maria Hermínia Tavares esclarece quem é o dr. Tibiriçá, ou coronel Ustra("O honrado dr. Tibiriçá", Opinião, 15/10). Felizmente ela não foi torturada, mas quantos foram? Quando os torturadores serão devidamente incriminados? Até quando nosso país continuará sem presente, sem passado e sem futuro?
Heloísa Fernandes, socióloga (São Paulo, SP)

0
Charge de Laerte de 2 de abril de 2019 - Laerte/Folhapress

Estado de São Paulo
No texto "Candidatos no plenário da Assembleia dão viés eleitoral à oposição a Doria" (Poder, 14/10), a Folha errou ao não procurar o governo para responder acusações enviesadas até de deputado-candidato a prefeito, o que resultou em falta de isonomia nas fontes. A reportagem foi contaminada por boataria das redes sociais e omitiu ainda que a aprovação da reforma garantirá, por exemplo, pagamento de salários em dia e retomada de investimentos.
Vinicius Santos, assessoria de imprensa do governo do estado (São Paulo, SP)

Resposta da jornalista Carolina Linhares - O líder do governo, Carlão Pignatari (PSDB), foi procurado e não respondeu à reportagem.


Cidade de São Paulo
No texto "Prefeitura de SP matricula crianças até em creche em construção" (Cotidiano, 15/10), a Folha erra, mais uma vez. Ao contrário do publicado, não há matrícula em creche em construção e todos os prédios estão construídos e sendo adaptados, com rebaixamento de pias. Não há matrícula compulsória. Negar a matrícula, especialmente na pandemia, impediria a entrega do Trilhas de Aprendizagem e do cartão alimentação. Isso sim, além de não respeitar as normas, seria absurdo.
Bruno Caetano, secretário municipal de Educação (São Paulo, SP)

Resposta das jornalistas Aline Mazzo e Isabela Palhares - A Folha mantém as informações publicadas.


PT
A reportagem "PT impõe prazo a Tatto e discute apoio a Boulos em SP" (Poder, 15/10) não consultou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao fazer suposições sobre a campanha do PT. Lula reafirma seu engajamento com a campanha de Jilmar Tatto, na militância do PT e no seu crescimento em direção ao segundo turno.
José Chrispiniano assessoria de imprensa de Lula (São Paulo, SP)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.