Leitores comentam aprovação de aborto na Argentina

Atitudes de Bolsonaro são alvo de críticas

Aborto
Excelente o texto de Hélio Schwartsman deste 1º de janeiro ("Parabéns aos argentinos", Opinião). Desde o título até a última frase. Parabéns aos argentinos!
Albino Bonomi (Ribeirão Preto, SP)


Ser contra ou a favor não importa. A decisão deve ser sempre da mulher, pois o maior ônus é dela. O que não tem o menor cabimento são homens que não engravidam opinarem e decidirem. Se homem engravidasse, aborto seria feito até em máquinas de refrigerantes.
Luiz Manoel Gomes Junior (Barretos, SP)


Argentina e Brasil
A Argentina legalizou o aborto seguro e gratuito, libertando milhões de mulheres da opressão patriarcal; a Argentina começou a vacinar seus nacionais após conter mortes, respeitando o isolamento; no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), a Argentina está na 46ª posição, o Brasil é o 84º. Está explicado por quê.
Eduardo Guimarães (São Paulo, SP)


Circo
Sábias as palavras de Lúcia Guimarães sobre a necessidade de cerco ao circo de Trump ("Hora de desmontar o circo Trump", Mundo, 31/12). Valem também para o Brasil. Passou da hora de sonegar espaço midiático às manobras circenses do nosso presidente.
João Garcia (São Paulo, SP)

*

Bolsonaro é o João de Deus da pátria. Em Brasília, como ocorria em Abadiânia, muitos sabem da insanidade, da mentira deslavada, do desprezo à vida humana por uma pessoa que está onde nunca deveria estar. Sua eleição foi um triste acidente para esta nação. Mas ele sabe se cercar de cúmplices, como fazia João de Deus. Ninguém prejudicou tanto o futuro dos jovens ao colocar o Ministério da Educação para servir apenas ao seu projeto político. O que fez e faz com a saúde não deixa dúvida: é o mensageiro da morte. E ri, ri muito de suas maldades.
Paulo Aligieri, médico (São Paulo, SP)

*

Este ano foi difícil em todo o mundo, mas alguns governantes, devido à sua inépcia, soberba e estultice, o tornaram ainda pior. Portanto, espero que em 2021 não tornem a cruzar burro com vaca, pois o resultado continuará não dando leite nem servirá para puxar carroça; ou seja, continuará uma aberração.
José Roberto Machado (São Paulo, SP)


Política
Parabéns à senadora Mara Gabrilli por sua conduta reta na política. Afaste-se dos mesmos, pois antes das eleições todos são iguais ("Doria me desrespeitou, quebrou promessa e não é único nome do PSDB para 2022, diz Mara Gabrilli", Poder, 1º/1). João Doria não é diferente; incentivo à pesquisa, luta pela causa dos deficientes, mas depois... A sua luta é nossa, senadora.
José Otávio Pinto e Silva (São Paulo, SP)


Djamila Ribeiro
Emocionante o texto de Djamila Ribeiro ("Sobre amor e esperança", Ilustrada, 1º/1). Fico na esperança de que o gerente da empresa em que servia café e os incentivadores do "a vida é assim" leiam o artigo.
Thiago F. Arruda (São Paulo, SP)


Covid
Deu na coluna Painel que os gestores se assustaram com o aumento dos casos de Covid em São Paulo (Poder, 1º/1). Só se assusta quem deixou para olhar os números de dezembro no fim do mês. Eu os atualizo diariamente. Média semanal de casos em São Paulo em outubro (cinco semanas): 5.557 casos/semana; total de casos: 27.785. Em cinco semanas, de 15/11 a 12/12, houve média de 10.462 casos por semana e um total de 52.312. Qual a surpresa?! Para mim, nenhuma.
Wilson Reinhardt Filho (São Paulo, SP)

Jair Bolsonaro em aglomeração na praia - Reprodução


O Jim Jones original levou à morte algumas pessoas que, por ideologia ou ignorância, o seguiram para a morte. O "nosso" Jim Jones, simulação de presidente, procura levar uma multidão de imbecilizados para a beira do abismo debochando das regras de convivência com o vírus invisível. Onde estão as autoridades deste país que nunca chega ao futuro? Até quando esse facínora seguirá imbecilizando as pessoas que não possuem o menor senso de coletividade?
Arnaldo Vieira da Silva (Aracaju, SE)


Vacinas
Será que os ruralistas sempre alinhados ao presidente vão, seguindo a opinião dele quanto a imunizantes, deixar de vacinar os bois, as vacas, as aves e os suínos? Ou os animais são outros?
Raul Moreira Pinto (Passos, MG)

*

Por uma questão de lógica e de justiça, creio que, após a vacinação de todas as pessoas da área médica e os funcionários dos hospitais, a prioridade deveria ser os moradores das favelas. São eles que vivem aglomerados, com trabalho presencial, usando transporte coletivo. Não falo em causa própria. Tenho 75 anos e não vejo a hora de tomar a vacina. Mas posso esperar, tomando todas as precauções e ficando relativamente confinada.
Maria Thereza Vergueiro (São Paulo, SP)


Anos 20
Irretocável o editorial "Nova década" (Opinião, 1°/1). De fato, precisamos mudar nossa trajetória histórico-institucional dependente do passado (e presente) patrimonialista e afastar a ameaça do populismo de qualquer verniz. Na economia, precisamos criar o ambiente necessário para que a destruição criativa se estabeleça entre nós. Só assim começaremos a construir a Grande Sociedade Aberta.
André Oliveira (Belém, PA)


Dimenstein
Impressionante como em apenas duas colunas Cláudia Collucci conseguiu traduzir a importância de Gilberto Dimenstein para o jornalismo e para a vida. Não posso negar que me ficou um nó na garganta ("Em livro sobre seu câncer, Dimenstein vira tema de sua última reportagem", Saúde, 31/12).
João Carlos Martins (São Paulo, SP)

Boas-festas
A Folha agradece e retribui os votos de boas-festas recebidos de João Teixeira de Lima, editor do portaljfonte.com.br, Jota Mape, jornalista, Fernando Vieira Mello, diretor de relações institucionais do Grupo Globo, Comunicação Vertical, TunibraTravel e Comando da Aeronáutica - Centro de Comunicação Social da Aeronáutica.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.