Descrição de chapéu Café da Manhã

Por que grandes roubos a banco como o de Criciúma se repetem; ouça podcast

Criminosos cercaram cidade de Santa Catarina na madrugada de terça (1); ações semelhantes ocorreram no interior de São Paulo este ano

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Na madrugada de terça-feira (1°), um grupo de 30 criminosos cercou a cidade de Criciúma, em Santa Catarina, bloqueou um batalhão da Polícia Militar com um caminhão em chamas, fez reféns e explodiu bombas para assaltar uma agência do Banco do Brasil. Um policial foi ferido, e está em estado grave.

A ação já é considerada a maior da história de Santa Catarina. O modo de operar dos criminosos, que chegaram em grande número, fortemente armados e equipados, é parecido com outros assaltos que aconteceram neste ano nas cidades de Araraquara, Botucatu e Ourinhos, no interior de São Paulo.

O Café da Manhã desta quarta (2) conversa com Renato Sérgio de Lima, diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, para saber o que está por trás de ataques como esses e por que eles se tornaram comuns.

O programa de áudio é publicado no Spotify, serviço de streaming parceiro da Folha na iniciativa e que é especializado em música, podcast e vídeo. É possível ouvir o episódio clicando abaixo. Para acessar no aplicativo basta se cadastrar gratuitamente.

Ouça o episódio:

O Café da Manhã é publicado de segunda a sexta-feira, sempre no começo do dia. O episódio é apresentado pelos jornalistas Maurício Meireles e Bruno Boghossian, com produção de Jéssica Maes, Andressa Motter, Laila Mouallem e Victor Lacombe. A edição de som é de Thomé Granemann.

Imagem de capa do podcast Café da Manhã, com o nome do programa escrito sobre vários recortes de jornais. Logos de de Spotify e Folha de S.Paulo podem ser vistas nos cantos
Podcast Café da Manhã - Reprodução
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.