Governador de SP convoca caminhoneiros traídos para retomar negociação

Eles se ressentem do recuo que Márcio França foi forçado a fazer depois que Temer negou uma das reivindicações

Thais Bilenky
São Paulo

O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), convocou os caminhoneiros com quem vinha costurando acordo para o fim da greve para nova rodada de reunião no Palácio dos Bandeirantes nesta segunda-feira (28), às 18h.

O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), que chamou os caminhoneiros para nova rodada de negociação
O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), que chamou os caminhoneiros para nova rodada de negociação - Marcelo Justo - 4.mai.18/Folhapress

Os motoristas autônomos ainda não confirmaram. Eles se ressentem do recuo que França foi forçado a fazer depois de o presidente Michel Temer (MDB) negar o congelamento do preço do diesel por 60 dias.

Sem essa garantia do governo federal, os caminhoneiros mantiveram a greve em São Paulo, embora reduzida.

Horas depois do encontro com o governador paulista, porém, Temer anunciou na TV o congelamento por 60 dias e outras medidas pleiteadas pela categoria.

Pessoas envolvidas nas negociações em São Paulo dizem que o anúncio de Temer foi insuficiente para desmobilizar os grevistas. Os motoristas que negociaram com o governador de SP se sentiram traídos e perderam força junto às suas bases.

Há a sensação de que os próprios agentes do Exército, em muitos casos insuflados por manifestantes que pregam intervenção militar, isto é, um golpe, agem de forma leniente.

A ordem do comando do Exército, contudo, é contrária: tentar restaurar a normalidade no país o quanto antes.

Pesa contra a continuidade da greve a exaustão dos caminhoneiros e inclusive a falta de combustível que também os afeta diretamente.

Segundo a Folha apurou, França tenta pressionar Temer a fazer o Congresso aprovar o quanto antes as medidas provisórias editadas no domingo para atender a categoria. Os motoristas exigem o desconto na bomba de combustível imediatamente para se desmobilizarem.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.