Descrição de chapéu Eleições 2018

Autor de atentado a Bolsonaro foi filiado ao PSOL e divulgou ida a escola de tiro

Partido classifica ataque como 'atentado a normalidade democrática e ao processo eleitoral'

Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, suspeito pelo ataque contra Jair Bolsonaro (PSL)
Adelio Bispo de Oliveira, de 40 anos, suspeito pelo ataque contra Jair Bolsonaro (PSL) - Divulgação/PM-MG
Ranier Bragon
Brasília

O homem que esfaqueou o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), Adelio Bispo de Oliveira, 40, foi filiado ao PSOL de Uberaba (MG) de 2007 a 2014. Em julho, Bispo de Oliveira divulgou em sua página no Facebook que esteve em uma escola especializada no treinamento com arma de fogo, em Santa Catarina.

A ".38 Clube e Escola de Tiro" afirma, em seu site, ser "referência no país em treinamento de tiro policial e combate urbano".

A empresa afirmou no final da tarde desta quinta-feira (6) que os administradores estavam em reunião e que não iriam se pronunciar, por enquanto.

A relação de filiados políticos do Tribunal Superior Eleitoral informa que Bispo de Oliveira integrou os quadros do PSOL de 2007 a 2014, ano em que pediu desfiliação, de acordo com esses registros.

Em sua página no Facebook, Oliveira tem várias postagens críticas a Bolsonaro. Há também fotos contrárias a Temer, pedindo a sua saída da presidência.

"A aprovação de Bolsonaro é maior entre os menos estudados, ou seja, só analfabetos e semianalfabetos votam em Bolsonaro", escreveu na rede social em 18 de julho.

Dez dias depois, compartilhou um meme do raio-x de um crânio com fezes dentro, acompanhado da seguinte frase: "RX da cabeça de um fã de Bolsonaro."

Em uma antiga postagem ele divulgou uma notícia falsa sobre suposta disparada nas pesquisas de Lula e queda de Bolsonaro.

Bispo de Oliveira também compartilhava vários temas relacionados a maçonaria.

Na área de identificação do Facebook, aparece a seguinte frase: "Não importa em que partido tu militas, nem a ideologia que acreditas ou a fé que tu praticas. Se você tem prazer no triunfo da Justiça, então somos irmãos".​

Suspeito de atentato a Jair Bolsonaro fazia posts com críticas ao candidato
Suspeito de atentato a Jair Bolsonaro fazia posts com críticas ao candidato - Reprodução/ Facebook

Juliano Medeiros, presidente nacional do PSOL, afirmou que o partido não deve responder pelo ex-filiado que atacou Jair Bolsonaro. 

"Queremos que ele seja julgado no rigor da lei. Parece que é uma pessoa bem confusa. Se fosse ligado ao PSOL, seria minha responsabilidade. Como não é filiado, não acho que seja da nossa alçada", disse. "Não sabemos quem é esta pessoa e reafirmamos nosso repúdio veemente ao ato cometido. O PSOL não pode responder por alguém que um dia foi filiado ao partido."

O partido também soltou nota classificando o ato como "um grave atentado à normalidade democrática e ao processo eleitoral".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.