Veja o patrimônio e as transações imobiliárias de Flávio Bolsonaro desde 2002

Filho do presidente começou na política com Gol 1.0 e acumulou quase R$ 1,75 milhão

Carolina Linhares
São Paulo

​O filho mais velho de Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), atual deputado federal e eleito senador, entrou na mira do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).​

Flávio Bolsonaro e seu pai, o presidente Jair Bolsonaro - Adriano Machado/Reuters

O órgão de combate à lavagem de dinheiro estranhou 48 depósitos em dinheiro na sua conta, sempre no valor de R$ 2.000, num total de R$ 96 mil, feitos entre junho e julho de 2017. Os depósitos foram feitos no autoatendimento da agência bancária que fica dentro da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio).

Segundo Flávio, o dinheiro é parte de um pagamento em dinheiro que recebeu ao vender um imóvel em Laranjeiras. Como mostrou a Folha, Flávio fez 20 transações imobiliárias em 15 anos, lucrando com a compra e venda de imóveis em curto período de tempo.

De 2002 a 2018, seu patrimônio declarado à Justiça Eleitoral passou de um Gol 1.0 de R$ 25,5 mil para quase R$ 1,75 milhão em bens. 

Flávio justifica o patrimônio por ser empresário, mas não detalhou suas atividades no ramo. Seu primeiro negócio registrado é uma filial da loja de chocolates Kopenhagen, aberta em 2015. Antes disso, porém, ele já acumulava imóveis e transações. 

Veja as negociações de Flávio em detalhes.


O relatório do Coaf  

Relatório do Coaf sobre Flávio, feito em 17.dez.18 e revelado na sexta (18)
1. Órgão identifica pagamento de R$ 1.016.839 de um título bancário da Caixa

2. Órgão também identifica 48 depósitos em dinheiro na sua conta, sempre no valor de R$ 2.000, num total de R$ 96 mil, feitos entre junho e julho de 2017. Os depósitos foram feitos no autoatendimento da agência bancária que fica dentro da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio)

Explicação de Flávio
1. Afirmou que o título foi para quitar  financiamento do imóvel em Laranjeiras, antes de vendê-lo. De fato, segundo cartórios, em 29.jun.17, Flávio registrou a quitação do imóvel

2. Afirmou que os depósitos são do dinheiro recebido em espécie pela venda do imóvel em Laranjeiras. Comprador confirmou parte do pagamento em dinheiro. Os depósitos foram fracionados porque esse era o limite do caixa na Alerj.

Flávio diz que preferiu fracionar o pagamento em vez de depositar tudo de uma vez para não enfrentar fila e exposição na agência bancária. "Ao invés de enfrentar fila e esperar a caixa conferir o dinheiro na frente de várias pessoas, os depósitos eram feitos em envelopes no caixa eletrônico, no limite estabelecido pelo banco, em poucos minutos e sem exposição", escreveu em rede social. 

 

Relatório do Coaf sobre Queiroz, feito em jan.18 e revelado em dez.18
1. Órgão aponta que, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão em sua conta. Na época, recebeu R$ 81 mil de salário. Segundo o Jornal O Globo, órgão também apontou movimentação de R$ 5,8 milhões entre 2014 e 2015

2. Da verba que entrou em sua conta, R$ 160 mil vieram de transferências de outros funcionários do gabinete de Flávio, num possível esquema ilegal conhecido como rachadinha

3. Da verba que saiu da sua conta, um cheque de R$ 24 mil foi para Michelle Bolsonaro

Explicação de Queiroz 
1. Diz que movimentação vem da compra e venda de carros

3. Sobre o cheque, diz que é o pagamento de uma dívida de R$ 40 mil com Bolsonaro

Pergunta sem resposta
Não mostrou provas das negociações dos carros. Não explicou por que recebeu de outros funcionários do gabinete de Flávio, mas senador nega rachadinha. Não explicou restante da dívida de R$ 40 mil

A investigação

Flávio entrou na mira do Coaf porque o órgão identificou depósitos suspeitos na conta de seu ex-assessor na Alerj, Fabrício Queiroz. Entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão em sua conta bancária. 

Veja a cronologia da investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro. 

Jul.18 - Investigação criminal contra Queiroz tem início
Ao investigar a Alerj, Ministério Público Federal pede ao Coaf dados de movimentações financeiras de gabinetes dos deputados. Material é encaminhado em janeiro de 2018 ao Ministério Público do Rio. Em julho daquele ano, com base nas informações do Coaf, Promotoria abre investigação criminal sobre Queiroz sob suspeita de lavagem de dinheiro e ocultação de bens

Dez.18 - Caso vem a público
Promotoria marca depoimentos para que Queiroz se explique, mas o ex-assessor e seus familiares faltam. Ele alega tratamento de urgência de um câncer e é internado em hospital em São Paulo, onde é filmado dançando

10.jan - Flávio Bolsonaro falta a depoimento
Ministério Público chama Flávio a depor. Senador eleito também falta, afirmando que precisa ler os autos sobre o caso antes. Depois, em entrevista à TV, disse temer "arapuca"

17.jan - Flávio pede, e STF suspende investigação
A pedido de Flávio, ministro Luiz Fux, de plantão no STF, dá decisão provisória suspendendo a investigação do Ministério Público do Rio sobre Queiroz, até que Marco Aurélio volte do recesso e decida sobre a competência da corte

Os argumentos de Flávio ao STF

  • Supremo tem que analisar se cabe a o próprio Supremo assumir o caso, já que Flávio foi eleito e diplomado senador, tendo direito a foro privilegiado
  • Ministério Público do Rio quebrou seu sigilo bancário de forma ilegal, ao solicitar ao Coaf seus dados bancários sem autorização judicial

Não é bem assim

18.jan e 22.jan - Ministério Público rebate Flávio
Promotoria afirmou que Flávio não é investigado no processo que tem Queiroz como alvo. Órgão diz que 27 deputados estaduais, inclusive Flávio, são investigados na área cível, sob suspeita de improbidade administrativa. Eles são citados nos dados do Coaf. Na área cível, parlamentares não têm foro especial

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.