Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

De ascendência marroquina, Davi Alcolumbre será 1º judeu a presidir Senado

Maior parte dos imigrantes chegou ao Norte do Brasil a partir dos anos 1870, com o ciclo da borracha

João Pedro Pitombo
Salvador

Eleito no último sábado (2) presidente do Senado Federal pelos próximos dois anos, o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) será o primeiro judeu a presidir o Congresso Nacional brasileiro.

Davi Samuel Alcolumbre Tobelem, 41, é oriundo de uma família de judeus marroquinos —seus avós paternos e maternos trocaram o desértico Marrocos no início do século 20 para desembarcar nas bordas da maior bacia hidrográfica do mundo, a do rio Amazonas.

O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), novo presidente do Senado pelos próximos dois anos
O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), novo presidente do Senado pelos próximos dois anos - Pedro Ladeira - 2.fev.19/Folhapress

A imigração dos judeus para a Amazônia, contudo, começou pelo menos um século antes. Há registros de famílias que emigraram para a região em 1810 e estabeleceram-se no Pará e no Amazonas.

Em 1826, já havia espaços de oração para judeus em cidades do Norte do Brasil como Belém (PA). Não eram exatamente sinagogas, mas casas particulares –a Constituição do período do Império vedava a construção de templos não católicos no Brasil.

“Os judeus que emigraram para o Norte têm uma história muito bonita e pouco conhecida. A maior parte das famílias  fazia comércio nos rios da região, eram os chamados regatões”, afirma Fernando Lottenberg, presidente da Confederação Israelita do Brasil.

As famílias eram oriundas de regiões de Marrocos sob influência espanhola, caso de cidades como Tânger, Tetuan e Casablanca. São conhecidos como judeus sefarditas, que fugiram da Espanha com a inquisição, no final do século 15, e espalharam-se principalmente pelo norte da África.

A maior parte dos imigrantes chegou ao Norte do Brasil a partir dos anos 1870, quando o ciclo da borracha passou a atrair famílias de diversas origens para a região.

No Amapá, famílias como Zagury, Levy, Bemergy, Tobelem e Alcolumbre incorporaram-se à comunidade e passaram a atuar sobretudo no comércio. 

A partir do século 20, as famílias judias começaram a participar mais ativamente da política do então território federal do Amapá. É o caso de Eliezer Moisés Levy, que foi prefeito de Macapá por dois mandatos (1932-1935 e 1942-1944).

A família do senador Davi Acolumbre desembarcou no Brasil em 1905, quando chegaram seus bisavôs maternos Alberto e Sarah Alcolumbre. Oito anos depois, nasceu em Belém (PA) Isaac Alcolumbre, avô materno do senador, que ganhou notoriedade no comércio de metais preciosos.

Nos anos 1930, chegaram José Tobelem e Maey Alcolumbre Tobelem, avô e avó paternos do senador. Eles estabeleceram-se inicialmente em Belém, no Pará, onde em 1948 nasceu o pai de Davi, Samuel José Tobelem.

Ainda na infância, Samuel mudou-se com os pais para o Amapá, onde fixou-se numa região entre os rios Matapi e Vila Nova. Junto com os irmãos, passou a atuar no comércio, comprando látex, borracha, peixe e produtos agrícolas das populações ribeirinhas. Os produtos depois eram revendidos na feira do povoado de Santana, que começava a se firmar como entreposto comercial.

Samuel José Tobelem casou-se com sua prima, Julia Peres Alcolumbre, seguindo a tradição dos judeus de manter a linhagem familiar. Tiveram cinco filhos, dentre eles, Davi, que nasceu em 1977, tornou-se comerciante e ingressou na política em 2001.

Outros membros da família Alcolumbre também ganharam notoriedade no Amapá, inclusive na política. São primos de Davi o ex-deputado estadual Isaac Alcolumbre, o ex-vereador de Macapá Moisés Alcolumbre e o ex-suplente de senador Salomão Alcolumbre Junior.

Seu tio, Alberto Alcolumbre, batiza o aeroporto de Macapá. O nome foi aprovado em 2009 a partir de um projeto de lei proposto pelo próprio Davi.

Mesmo com políticos e empresários de destaque, a presença de judeus no estado é diminuta. Segundo o Censo de 2010, dos 107 mil judeus que vivem no Brasil, 4.425 estão na região Norte e 217 no Amapá.

Para Fernando Lottenberg, da Confederação Israelita, a chegada de Davi Alcolumbre à presidência do Congresso Nacional é simbólica para os judeus brasileiros.

“As pessoas pensam que chegamos ao Brasil depois da Segunda Guerra, mas estamos aqui há 500 anos. Viemos junto com as caravelas”, afirma. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.