Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro muda comando de comunicação da Presidência em meio a críticas

Empresário Fábio Wajngarten deve ser anunciado pelo Palácio do Planalto nos próximos dias

Gustavo Uribe Talita Fernandes
Brasília

Preocupado em ajustar ruídos de comunicação de seu governo, o presidente Jair Bolsonaro decidiu mudar o comando da Secretaria de Comunicação da Presidência da República.

O atual titular do posto, Floriano Amorim, confirmou à Folha na noite desta terça-feira (26) que deixará o cargo. O empresário Fábio Wajngarten, especialista em comunicação, já foi escolhido e deve ser anunciado pelo Palácio do Planalto nos próximos dias.

O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de assinatura de contratos de concessão de transmissão de energia, no Palácio do Planalto
O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de assinatura de contratos de concessão de transmissão de energia, no Palácio do Planalto - Pedro Ladeira - 25.mar.2019/Folhapress

Ficam sob os cuidados da Secretaria a gestão de verbas e ações de publicidade e o atendimento à imprensa.

A mudança na Secom ocorre após avaliação de que era preciso dar maior tecnicidade ao trabalho do órgão.

Nesse contexto, pesou o fato de a equipe econômica ter reforçado à Bolsonaro a necessidade de intensificar a publicidade da reforma da Previdência nos meios tradicionais de comunicação.

Wajngarten foi escolhido com aval da família Bolsonaro e com apoio do ministro da Economia, Paulo Guedes, com quem almoçou nesta terça.

O atual ocupante do órgão, Amorim, foi escolhido para o cargo durante o governo de transição por indicação de dois filhos do presidente —do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) e do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), com quem atuava no gabinete.

Contudo, auxiliares do presidente vinham criticando sua gestão, argumentando que ele não tinha as qualificações técnicas necessárias para comandar a estrutura.

Incomodou também a postura ideológica do secretário, que resistiu em aplicar recursos em canais de TV para publicidade da reforma da Previdência. 

A equipe econômica defende que não é possível aprovar as mudanças nas regras de aposentadoria sem uma massiva comunicação com a população, passando pelos meios tradicionais.

Bolsonaro se elegeu adotando tom crítico à imprensa e prometendo cortar dinheiro público para emissoras de TVs e jornais.

Ele chegou a chamar a TV Globo de "inimiga" em conversa com o ex-ministro Gustavo Bebianno.

A escolha de Wajngarten foi elogiada pelo escritor Olavo de Carvalho, guru da nova direita brasileira e influente na família Bolsonaro. “Alguém me disse que o Fábio Wajngarten foi convidado para dirigir a Secom. Será uma notícia auspiciosa. Espero que se realize”, escreveu ele no Twitter.

Apesar do mal-estar, Floriano disse à Folha que está deixando a pasta a pedido. Ele afirmou ter conversado com Bolsonaro no fim da tarde e que deixaria a Secom porque “é muito difícil ajudar o Brasil”.
 

Afirmou não saber sobre seu futuro nem confirmou se irá para a EBC (Empresa Brasileira de Comunicação), como cogitado.
 
Floriano disse que seu trabalho estava mexendo com muitos interesses, mas não deu detalhes. Mencionou apenas que estava mudando a estrutura da Secom, transformando a produção de vídeos em algo mais barato.
 
A condução da comunicação oficial é criticada desde o início do governo, em caráter reservado, por deputados aliados e militares do governo.
 
Um dos focos das críticas é a interferência de Carlos na área. Desde o mês passado, o filho do presidente ajuda na estratégia de comunicação sobre a reforma da Previdência.
 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.