Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Quarta cirurgia de Bolsonaro após facada visa corrigir hérnia no abdômen

Presidente será internado em São Paulo neste sábado e passará por operação no domingo

Joelmir Tavares
São Paulo

Como consequência da facada que sofreu um ano atrás, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) volta à sala de cirurgia neste domingo (8), em São Paulo, para corrigir uma hérnia que surgiu na região onde foram feitas três operações desde o atentado.

O procedimento, com início previsto para as 7h, deve demorar duas horas e é considerado de média complexidade. O prazo de recuperação é estimado em dez dias pelo médico Antonio Macedo, que fará a cirurgia no Hospital Vila Nova Star, na Vila Nova Conceição (zona sul).

Bolsonaro quer estar com a saúde restabelecida a tempo de discursar na Assembleia Geral da ONU, em 24 de setembro, em Nova York. Ele falou que vai comparecer "nem que seja de cadeira de rodas, de maca".

O surgimento da chamada hérnia incisional já era esperado pelos médicos que atendem o presidente, em razão da série de intervenções feitas na região da barriga do paciente para tratar os danos provocados pelo ataque.

O então presidenciável foi esfaqueado por Adélio Bispo de Oliveira em 6 de setembro de 2018, durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG). O autor do crime está preso desde então.

A hérnia ocorreu porque, em virtude do enfraquecimento da parede muscular do abdômen, uma parte do intestino passou por uma cavidade desse tecido. As múltiplas incisões (cortes) na barriga fragilizaram o músculo, o que fez com que a porção do órgão e uma camada de gordura rompessem a membrana.

"Isso escapou por uma área mais frouxa e formou uma elevação sob a pele", explica Macedo. A saliência, segundo ele, foi detectada em consultas de rotina pelo médico da Presidência da República, Ricardo Peixoto Camarinha.

"Ele já tinha percebido esse problema e me passou uma foto mostrando a situação", diz o cirurgião do Vila Nova Star, que confirmou o diagnóstico em exame clínico feito no domingo passado (1º) no aeroporto de Congonhas, após Bolsonaro desembarcar para compromissos na capital paulista.

Bolsonaro dará entrada no hospital na noite deste sábado (7). Ele recebeu a orientação de iniciar nesta sexta-feira (6) uma dieta líquida, como preparação para o procedimento a que será submetido.

Os médicos preveem que ele fique internado pelo menos até quarta-feira (11). "Serão de quatro a cinco dias no hospital e depois um período igual sem poder fazer grande esforço físico", diz Macedo.

Se tudo correr como planejado, o mais provável é que ele tenha alta no meio da semana e seja liberado para voltar para Brasília com ordem de repouso. Segundo o Planalto, o presidente vai se licenciar do cargo por três dias. Quem assumirá será seu vice, Hamilton Mourão (PRTB).

Bolsonaro deverá despachar do hospital enquanto se recupera. "Ele poderá manter atividades intelectuais, falar ao telefone, conversar com ministros. Desde que não se esforce em exagero", prescreve o cirurgião.

Macedo foi responsável por cuidar do político no hospital Albert Einstein nas duas internações anteriores: em 2018, logo após o paciente ser transferido da Santa Casa de Juiz de Fora, e neste ano, na cirurgia para retirar a bolsa de colostomia e reconstruir o trânsito intestinal.

Um dos mais respeitados cirurgiões do aparelho intestinal no Brasil, o especialista deixou o Einstein em julho e passou a atender na Rede D’Or São Luiz, da qual o Vila Nova Star faz parte.

Ao anunciar que passaria pelo procedimento, o chefe do Executivo postou em uma rede social uma foto ao lado dos médicos que o examinaram e afirmou que "curtiria dez dias de férias" com eles.

Além da primeira-dama Michelle, o presidente deve ser acompanhado durante a internação pelos filhos Eduardo, deputado federal (PSL-SP), e Carlos, vereador do Rio (PSC-RJ).

A hérnia em Bolsonaro está localizada no lado direito do abdômen, perto do lugar da facada e da área onde ficava a bolsa de colostomia (usada para coletar fezes até a cirurgia feita em janeiro).

Na intervenção, a porção que "escapou" será colocada de volta no lugar e a parede muscular será reforçada com uma tela, para evitar reincidência. O procedimento, considerado corriqueiro, é necessário porque, em alguns casos, a hérnia pode provocar obstruções.

De acordo com Macedo, a literatura médica mostra que a hérnia pode voltar em 3% a 6% dos casos, o que é tido como um percentual baixo. Se Bolsonaro tomar os cuidados recomendados, provavelmente o problema não se repetirá, na avaliação do médico.

Por até dois meses depois da operação, o presidente terá que usar uma cinta pós-cirúrgica, que auxilia na cicatrização e protege a região de esbarrões e outros acidentes. Nesse período, ele também está proibido de fazer esforço físico intenso.

A recuperação de Bolsonaro após o esfaqueamento e a sequência de cirurgias foi vista como bem-sucedida pela equipe que o atendeu. Ele possui "condição de atleta", diz Macedo, lembrando o período do paciente como membro do Exército.

"Tem musculatura forte. Corre, nada, mergulha. Isso tudo ele usou agora no trauma", afirma.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.