Moro pede à PGR apuração sobre depoimento do caso Marielle que cita Bolsonaro

Ministro da Justiça afirma em eventual 'envolvimento indevido' do nome de Bolsonaro

Camila Mattoso Raquel Landim
Brasília e Riad (Arábia Saudita)

O ministro da Justiça, Sergio Moro, solicitou à PGR (Procuradoria-Geral da República) a abertura de uma investigação para apurar as circunstâncias em que o nome do presidente Jair Bolsonaro apareceu no inquérito do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes.

Moro diz no documento que há inconsistência nas informações sobre o caso que, segundo ele, sugere equívoco na investigação conduzida no Rio ou eventual tentativa de envolvimento indevido do nome do presidente no crime. O ministro da Justiça está no Equador em uma agenda de segurança pública. 

Nesta quarta-feira (30), em viagem à Arábia Saudita, Bolsonaro afirmou ter acionado Moro para ver se é possível que a Polícia Federal tome o depoimento de um porteiro do condomínio onde o presidente tem casa no Rio de Janeiro.

Segundo reportagem do Jornal Nacional, o ex-policial militar Élcio Queiroz, suspeito de envolvimento no assassinato de Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes em março de 2018, disse na portaria que iria à casa de Bolsonaro, na época deputado federal, no dia do crime.

Os registros de presença da Câmara dos Deputados, no entanto, mostram que Bolsonaro estava em Brasília nesse dia.

Segundo o depoimento do porteiro à Polícia Civil do Rio de Janeiro, o suspeito pediu para ir na casa de Bolsonaro e um homem com a mesma voz do presidente atendeu o interfone e autorizou a entrada. O acusado, no entanto, teria ido em outra casa dentro do condomínio.

O porteiro disse que acompanhou a movimentação nas câmeras de segurança e que viu que, ao entrar no condomínio, o carro de Élcio se dirigiu à casa 66. Lá morava Ronnie Lessa.

Segundo o Ministério Público, Élcio é suspeito de dirigir o Cobalt prata usado na emboscada contra a vereadora. Já Lessa seria o autor dos disparos. Eles estão presos desde março.

Bolsonaro quer que Moro investigue as pessoas à frente da investigação do caso Marielle. Ele contou que pediu ao ministro que encaminhasse o assunto à Procuradoria Geral da República (PGR) e ressaltou que sabe que a defesa do governo não cabe ao Ministério da Justiça, mas à Advocacia Geral da União (AGU).

“Conversei agora há pouco com o ministro [Moro] para que sejam investigadas essas pessoas que fizeram que constasse nos depoimentos informações que apenas atrapalham o processo e visam me incriminar”, disse Bolsonaro.

O presidente afirmou ainda que seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro, esteve no condomínio e pegou os registros, inclusive gravações, e que não haveria naquele horário chamada para a sua casa. “A ligação está para outra residência e a voz está muito longe de ser a minha”, afirmou.

A informação já havia sido compartilhada por Carlos, Eduardo Bolsonaro e pelo perfil do próprio presidente, embora ele estivesse naquele momento participando de um evento em Riad. Segundo o Jornal Nacional, os registros indicariam chamadas para a casa da família.

Bolsonaro não respondeu se conhece Élcio Queiroz, o que seu advogado havia negado, embora existam fotos dos dois circulando nas redes sociais. “Tiro foto com centenas de policiais. Pode ser que tenha foto, mas nunca frequentei a casa de ninguém no condomínio”.

Segundo veiculado no Jornal Nacional, o livro de visitantes aponta que, às 17h10, Élcio informou que iria à casa de número 58. O porteiro disse no depoimento, no entanto, que acompanhou por câmeras a movimentação do carro no condomínio e que Élcio se dirigiu à casa 66, onde mora Lessa. 

O porteiro teria ligado novamente para a casa 58; segundo ele, quem atendeu disse que sabia para onde Élcio estava se dirigindo. No depoimento, o porteiro teria dito que, nas duas vezes que ligou para a casa 58, foi atendido por alguém cuja voz julgou ser de Jair Bolsonaro.

Bolsonaro tem duas casas dentro do condomínio —uma de sua família e outra onde reside um de seus filhos, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC).

Os investigadores estão recuperando os arquivos de áudio da guarita do condomínio para saber com quem o porteiro conversou naquele dia e quem estava na casa 58, segundo o Jornal Nacional.

 

Quem está apurando a autoria e motivação do crime em si é a Polícia Civil e o Ministério Público do Rio. A PF entrará no caso se o novo inquérito, pedido por Moro, for aberto.

No pedido enviado à PGR, o ministro da Justiça coloca a possibilidade de que o porteiro tenha “simplesmente se equivocado ou sido utilizado inconscientemente por terceiros para essas finalidades”. 

A apuração do caso de Marielle e Anderson teve uma série de complicações desde o início.

Em maio, a Polícia Federal concluiu que houve tentativa de atrapalhar as investigações. O relatório foi enviado a Raquel Dodge, então procuradora-geral da República. 

A PF entrou pela primeira vez no caso em novembro do ano passado, quando começou uma "investigação da investigação", paralela, para verificar denúncias de irregularidades no trabalho estadual. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.