Papa Francisco aponta 'novos colonialismos' como causa de incêndios na Amazônia

Declaração foi feita durante homilia que abre o sínodo, que aborda temas polêmicos para a igreja

Cidade do Vaticano | AFP

O Papa Francisco condenou os "interesses" dos "novos colonialismos" que causam incêndios na Amazônia e acabam com a diversidade, durante a homilia de abertura do Sínodo em defesa desta região da América do Sul.

"O fogo aplicado pelos interesses que destroem, como o que devastou recentemente a Amazônia, não é o do Evangelho", disse ele, depois de explicar que são os "novos colonialismos" que "querem avançar apenas suas próprias ideias e queimar o diferente para padronizar tudo e todos ", alertou.

Na cerimônia solene, com celebrantes vestidos com hábitos litúrgicos verdes e acompanhados por canções antigas, participaram mais de 200 prelados entre bispos e cardeais, além de numerosos indígenas da Amazônia.

Papa Francisco cumprimenta representantes de povos indígenas da região amazônica
Papa Francisco cumprimenta representantes de povos indígenas da região amazônica - Remo Casilli/Reuters

"Quantas vezes o dom de Deus não foi oferecido, mas imposto, quantas vezes houve colonização em vez de evangelização", reconheceu o pontífice argentino, que visitou a floresta em 2018.

"Deus nos proteja da ganância dos novos colonialismos", exclamou o pontífice na missa que abre o sínodo.

Considerado o pontífice mais sensível aos problemas ecológicos após publicar em 2015 a encíclica "Laudato Sí", o papa argentino quer mobilizar e sensibilizar os líderes do planeta sobre os grandes males desse imenso território, com mais de 30 milhões de habitantes.

A região é um dos temas recorrentes do Papa Francisco desde o início de seu período à frente da igreja católica, mas ganha agora especial destaque ao ser o foco do encontro do pontífice com os bispos, que começa neste domingo (6). 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.