Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Após ameaça à Folha, Bolsonaro diz que país vive mais liberdade e democracia

Presidente afirmou nesta sexta que boicota produtos de anunciantes do jornal, que foi excluído de licitação da Presidência

Três Corações (MG)

Após ameaçar a Folha nesta quinta (28) e sexta-feira (29), o presidente Jair Bolsonaro disse que o país vive “ares de democracia e liberdade”.

A afirmação foi feita na manhã desta sexta em Três Corações (MG). O presidente visitou a cidade para participar da formatura de 573 sargentos combatentes da Escola de Sargentos das Armas, na região central do município.

Mais cedo, em Brasília, Bolsonaro ampliou as ameaças à Folha, ao dizer que boicota produtos de anunciantes do jornal e recomendar à população não comprá-los.

"Eu não quero ler a Folha mais. E ponto final. E nenhum ministro meu. Recomendo a todo Brasil aqui que não compre o jornal Folha de S.Paulo. Até eles aprenderem que tem uma passagem bíblica, a João 8:32 [E conhecerão a verdade, e a verdade vos libertará]. A imprensa tem a obrigação de publicar a verdade. Só isso. E os anunciantes que anunciam na Folha também."

A declaração foi dada após a reportagem questionar Bolsonaro sobre a decisão da Presidência de excluir o jornal da relação de veículos nacionais e internacionais exigidos em um processo de licitação para fornecimento de acesso digital ao noticiário da imprensa.

O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto
O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto - Pedro Ladeira - 25.nov.19/Folhapress

Já na cidade mineira, o presidente disse, em seu discurso de cinco minutos, que seu governo tem feito a sua parte e que, “como regra, todos podem sentir que o Brasil respira novos ares”.

“Temos certeza que, juntos, cada um fazendo o seu dever, cada um cada vez mais procurando e entendendo fazer aquilo que a pátria precisa, nós colocaremos o Brasil em local de destaque que ele merece no cenário mundial. O nosso governo tem feito sua parte, em alguns momentos pedimos sacrifício à população, mas como regra todos podem sentir que o Brasil respira novos ares, ares de democracia e de liberdade, e de trabalho acima de tudo”, afirmou. Ele deixou o local sem conceder entrevista.

Bolsonaro estava acompanhado dos ministros Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), também esteve no evento.

Aos formandos, Bolsonaro afirmou que, no passado, “nós lutamos por democracia e por liberdade e que, no futuro, se preciso for, daremos a nossa vida para que essa democracia e para que essa liberdade nunca deixe de existir entre nós”.

“A América do Sul, no momento, ainda vive em alguns países momentos de crise. Mas nós venceremos tudo isso. Pela gratidão, pelo sentimento de irmandade que existe entre nós na América do Sul, nós brasileiros só estaremos felizes quando todos os países da América do Sul, o seu povo também gozar de liberdade e democracia”, afirmou.

O presidente disse ainda que o Brasil “é uma pátria sem igual no mundo todo" e que “falta-nos pouco para sermos uma grande nação”.

Bolsonaro chegou ao local às 10h45 e foi ovacionado pelo público quando as imagens de sua chegada apareceram nos telões instalados no local.

Recebido com honras militares —com execução de tiros de salva—, o presidente assistiu ao desfile da tropa e de bandeiras históricas do Brasil e cantou uma música militar com os novos sargentos.

Depois entregou homenagem a um dos alunos que se destacaram na turma, fez selfies com presentes e pegou uma criança no colo.

Após deixar Três Corações, Bolsonaro irá a Resende (RJ), onde participará de evento na Fábrica de Combustível Nuclear da INB (Indústrias Nucleares do Brasil).

Neste sábado (30), também na cidade, estará na cerimônia de entrega de espadas aos novos aspirantes da Academia Militar das Agulhas Negras.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.