Descrição de chapéu Legislativo Paulista

Líder do PSL usou equipe da Assembleia de SP em ataque apócrifo a deputado

Funcionários trabalharam em edição e divulgação de vídeo, e parlamentar próximo de Eduardo Bolsonaro tentou esconder autoria

São Paulo

O deputado estadual Gil Diniz (PSL) utilizou funcionários de seu gabinete, pagos com dinheiro público, em ataque apócrifo contra um colega da Assembleia Legislativa de São Paulo.

Gil Diniz é líder do PSL na Casa e próximo do deputado federal Eduardo Bolsonaro, de quem já foi assessor parlamentar na Câmara dos Deputados. Em conversas no grupo de WhatsApp chamado de “Gabinete Gil Diniz”, ele orienta assessores a editar e divulgar um vídeo sobre o deputado Sargento Neri, líder do Avante.

“Nada que identifique que saiu de nosso gabinete”, diz o parlamentar. “Se viraliza, o Neri vai ficar puto.” Diego Martins dos Santos, o Gaúcho, então funcionário do gabinete, pergunta, irônico: “Esse é o intuito, não? Kkk”. O parlamentar responde, firme: “Viralizar, sim, mas sem saber quem fez”. A transcrição preserva a grafia das mensagens originais.

O deputado estadual Gil Diniz e o deputado federal Eduardo Bolsonaro, ambos do PSL, durante cerimônia na Assembleia Legislativa de São Paulo. Eduardo Bolsonaro faz coraçãozinho com as mãos
O deputado estadual Gil Diniz e o deputado federal Eduardo Bolsonaro, ambos do PSL, durante cerimônia na Assembleia Legislativa de São Paulo - Mathilde Missioneiro /Folhapress

Na semana passada, a Folha revelou que o deputado montou uma central de fabricação e distribuição de dossiês e memes (montagens com fotos e textos) apócrifos para atacar adversários.

A reportagem mostrou que uma série de memes foi feita sob sua orientação por ocasião da disputa entre Cauê Macris (PSDB) e Janaina Paschoal (PSL), colega de bancada de Gil Diniz, pela presidência da Assembleia, na qual o primeiro saiu vitorioso.

Sobre essa central de dossiês e memes, Gil Diniz afirmou à Folha que as montagens tinham sido feitas antes de sua posse na Assembleia, que ocorreu na mesma data da eleição, em 15 de março. Segundo ele, tudo foi feito de modo voluntário, uma vez que os auxiliares envolvidos ainda não haviam sido nomeados para cargos no Legislativo.

Mas conversas de WhatsApp obtidas agora pela Folha mostram que essa central de ataques apócrifos continuou a funcionar após a posse. 

O funcionário Gaúcho, por exemplo, que fez o vídeo contra o deputado Neri, recebeu em abril R$ 3.692,05 pelo trabalho no gabinete de Gil Diniz. O vídeo “Deputada Janaina [Paschoal] atropela o deputado Sargento Neri” foi distribuído nas redes sociais em 23 de março, cinco dias após a posse dos deputados.

O vídeo reproduz fala de Neri na tribuna da Assembleia na qual ele pede que a bancada do PSL envie ofício ao governador João Doria (PSDB) solicitando audiência para discutir salários da Polícia Militar. 

Na sequência do vídeo, Janaina pede a palavra e responde duramente a Neri, dizendo que o parlamentar havia virado as costas ao PSL na eleição para a presidência da Casa. “Vossa excelência quer fazer bonito agora com a população, jogando para cima da nossa bancada”, reclamou a deputada.

De acordo com as conversas no WhatsApp, logo após a publicação, Gil Diniz descobre que a sua logomarca aparece no final do vídeo. “Apaga daqui”, diz Felipe Provenzano Ramos de Oliveira, o Provenza, outro funcionário do gabinete do líder do PSL.

O parlamentar afirma, irritado: “Já mandei em um monte de grupo de policiais”. “Se apagar e reenviar, desaparece, deputado. Desculpe-me”, responde Gaúcho.

Gil Diniz é acusado por um ex-assessor de cobrar de seus funcionários a devolução de parte da remuneração. A prática é conhecida como "rachadinha" e agora está sob investigação do Ministério Publico. Segundo o deputado, essa acusação é falsa.

No último dia 25, ao receber uma homenagem na Assembleia Legislativa de São Paulo, Eduardo Bolsonaro também saiu em defesa de seu aliado em relação a essa suspeita. "Eu acredito na inocência do Gil Diniz", afirmou o filho do presidente Jair Bolsonaro. 

Procurado pela reportagem, o deputado Sargento Neri (Avante), que é ex-policial militar, se disse surpreso por ser alvo de ataque e classificou a atitude do colega parlamentar como desprezível. 

"Tenho conhecimento do vídeo e o que me deixou mais surpreso é que supostamente o manipularam no intuito de prejudicar minha imagem e por consequência essa armação trouxe prejuízos a esse parlamentar na questão pessoal, política e profissional", disse o deputado Neri. 

Outro lado

Procurado pela Folha, Gil Diniz não respondeu aos questionamentos. Na semana passada, além de afirmar que os memes foram feitos de maneira voluntária, disse que eram distribuídos entre amigos.

 “Até o presente momento, não fomos informados de que a produção de memes representa alguma modalidade de crime”, afirmou o deputado. "Amigão, o papo agora é só na Justiça. Você vai ter de provar na Justiça essa central de dossiês, bom trabalho."

Gaúcho confirmou ser o artista gráfico encarregado de fazer os memes e vídeos. “Trabalhei auxiliando eles no que eles me pediam”, disse. “Conforme eles pediam alguma ação eu fazia para eles, entendeu?”

Na semana passada, a deputada federal Joice Hasselmann (PSL) disse que assessores de Carlos, Eduardo e Flávio Bolsonaro, parlamentares filhos do presidente Bolsonaro, lideram uma rede especializada em disseminar pelas redes sociais campanhas de difamação e notícias falsas contra adversários políticos.

Um dos integrantes da central criada por Gil Diniz é Sonaira de Santana, que, à época dos memes sobre a eleição para a presidência da Assembleia, era funcionária de Eduardo Bolsonaro na Câmara dos Deputados, com salário de R$ 7.849,15. Sonaira trabalha pelo menos desde 2015 com os Bolsonaro.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.