Descrição de chapéu

Investigação se fecha sobre Flávio, e Bolsonaro passa recibo

Presidente tornou atos dos filhos indissociáveis dos seus, e isso cobra um preço

São Paulo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passou um recibo bastante claro sobre o tamanho do problema que as renovadas investigações acerca das eventuais práticas ilegais de sua família e eventual associação a milícias no Rio significam.

Bolsonaro fala com jornalistas na saída do Palácio da Alvorada, nesta quinta (19)
Bolsonaro fala com jornalistas na saída do Palácio da Alvorada, nesta quinta (19) - Adriano Machado/Reuters

“O Brasil é muito maior do que pequenos problemas. Eu falo por mim. Problemas meus podem perguntar que eu respondo. Dos outros, não tenho nada a ver com isso”, disse um contrariado Bolsonaro nesta quinta (19).

A questão é que a transformação da Presidência numa sucursal do condomínio Vivendas da Barra cobra seu preço. Desde os primórdios da campanha eleitoral, quando era um subestimado “outsider”, apenas a família importava na tomada de decisões do agora ocupante do Planalto.

Havia uma divisão de trabalho, com um quê hierárquico. O agora senador e alvo de apuração Flávio sempre operou mais à sombra, procurando se apresentar como o ente mais racional do clã junto ao mundo político.

O deputado Eduardo brincava de ideólogo e se consolidava como herdeiro político central, enquanto o vereador Carlos era respeitado por todos como o dono da palavra final nas estratégias de campanha.

Como Eduardo era o nome da família em São Paulo, os dois outros irmãos absorveram muito das práticas e conexões do pai em décadas de atuação no Rio. Inclusive um certo Fabrício Queiroz, chapa de pescaria de Bolsonaro desde os anos 1980.

Um aliado muito próximo do presidente disse no começo deste ano, quando as suspeitas sobre a amplitude do que parecia um esquema paroquial de desvio de dinheiro público se adensavam, que “Queiroz é Jair, não é Flávio”.

O vaticínio não poderia ser mais correto. Bolsonaro, ao longo deste 2019, priorizou a opinião e os interesses familiares em detrimento do bem público em diversas ocasiões, seja na indicação de pessoas inadequadas para cargos, seja na condução errática de políticas públicas —isso para não falar em atos explícitos de nepotismo, como a tentativa micada de dar o “filé mignon” diplomático de Washington a Eduardo.

O horror do presidente com o “problema pequeno” vem da realidade de que ele não o é. É praticamente impossível dissociar atos de seus filhos daqueles do presidente, tal é a integração dos fios do cipoal do clã. E se Queiroz é Jair, como diria o aliado, o imbróglio é certo.

Até aqui, a estratégia palaciana de tentar separar as coisas se amparava numa apuração que se construía em torno do ex-assessor, e não tão diretamente do filho senador. Agora esse tênue cordão sanitário está rompido, com indícios diretos de apuração sobre lavagem de dinheiro e outras práticas pelo então deputado estadual.

Dada a quantidade de elementos desse universo particular das milícias fluminenses no radar, parece questão de tempo uma associação inquestionável com o clã Bolsonaro, o que dada a integração entre as partes carrega potencial catastrófico para o presidente. O incômodo o persegue.

Concorrem para o agravamento da situação o fato de que Carlos é objeto de investigação semelhante, sigilosa e sobre a qual pouco se sabe até aqui, e o mais grave: há pontos de contato entre o que se apura sobre os filhos do presidente e a investigação do rumoroso assassinato da vereadora Marielle Franco.

Em favor da pessoa física Bolsonaro, há exatamente essa confusão, em que movimentos como o depoimento falso do porteiro do condomínio o ligando aos matadores presumidos de Marielle inserem dúvidas sobre o todo apurado.

Quando seus aliados acusam Wilson Witzel de armação contra o mandatário máximo, ainda que não se tenha notícia de influência do governador fluminense sobre a investigação do Ministério Público, está sendo trabalhado um discurso crível de perseguição política.

Aqui entra uma questão nada desprezível de dosimetria. Retire da equação Marielle, um chamariz internacional para o caso, e ainda assim temos um episódio no qual, no limite, a família do presidente pode ser acusada de dar dinheiro público para criminosos. É escandaloso, ainda mais pelo contato pregresso de Bolsonaro com os personagens do caso.

Novamente, isso pode não atingir a pessoa física do presidente, mas sim a persona política. Se nada disso hoje é suficiente para ameaçar diretamente a rede de apoio de Bolsonaro, a mera promessa de que nada mudará no Congresso pelo premiê de fato Rodrigo Maia soa mais como uma advertência de dependência.

Sem a prometida recuperação econômica na ponta e com a fragilidade que sua articulação política invertebrada fornece, o “pequeno problema” pode virar coisa bem pior num horizonte visível. E Bolsonaro demonstra saber disso.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.