Descrição de chapéu DeltaFolha

Centro se alinha à esquerda contra Bolsonaro ao tratar sobre crise do coronavírus

Mensagens críticas ao presidente no Twitter estão populares nos dois grupos, mostra levantamento da Folha

São Paulo

A forma como o presidente Jair Bolsonaro conduz a crise do coronavírus fez usuários de perfil de centro no Twitter se alinharem com os de esquerda nos últimos dias, compartilhando as mesmas mensagens críticas ao mandatário.

Análise da Folha avaliou quase um milhão de tuítes, de 180 mil perfis, que postaram temas relacionados a Bolsonaro, de sexta-feira (14) às 11h desta quarta-feira (18).

Jair Bolsonaro em entrevista nesta quarta (18) sobre o novo coronavírus, após ser criticado pela forma de condução da crise - Adriano Machado/Reuters

Das cinco mensagens que mais circularam entre usuários de centro, quatro também estiveram entre as mais compartilhadas na esquerda.

Um exemplo foi tuíte que dizia "Bolsonaro já tem mais testes de coronavírus do que projetos aprovados nos seus 30 anos como parlamentar". Foi o segundo post mais compartilhado tanto no centro quanto na esquerda.

Outro tuíte popular nos dois grupos dizia: "Bolsonaro é psicopata. Um senhor egocêntrico, lunático q foi legitimado por uma sociedade doente e decepcionada (com motivo). O sujeito é repugnante e desperta no povo o que há de pior. O descaso dele com uma EPIDEMIA MUNDIAL pode colocar mta gente em risco. É um imbecil!"

Bolsonaro tem sido criticado por dizer que há histeria na sociedade em relação ao novo coronavírus. O presidente seguiu recomendações de especialistas de se evitar aglomerações.

No último domingo (15), Bolsonaro ignorou orientações dadas por ele mesmo na semana anterior, ao estimular e participar dos protestos pró-governo sem demonstrar preocupação com a epidemia.

O presidente incentivou os atos desde cedo em suas redes sociais —foram ao menos 42 postagens sobre o tema. Sem máscara, participou das manifestações em Brasília, tocando simpatizantes e manuseando o celular de alguns apoiadores para fazer selfies. "Isso não tem preço", disse, durante transmissão ao vivo em suas redes sociais.

Bolsonaro foi duramente criticado por parlamentares. Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, divulgaram notas condenado o comportamento do presidente da República que, ignorando recomendações médicas, foi até o local do protesto.

Em outros eventos analisados pela Folha, os usuários de centro tenderam a ficar mais neutros. Alguns dos exemplos foram o discurso na ONU de Bolsonaro, em setembro, em meio às queimadas na Amazônia; ou quando o STF decidiu sobre prisão em segunda instância, que abriu caminho para a saída do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da prisão.

A classificação dos usuários entre centro, direita e esquerda é feita pelo GPS Ideológico, ferramenta da Folha que categorizou 1,7 milhão de perfis no Twitter, com interesse em política. Os usuários são distribuídos numa reta, do ponto mais à direita ao mais à esquerda, de acordo com quem eles seguem na rede social.

Entre os perfis de direita, fizeram sucesso nos últimos dias tuítes que atacam críticos ao governo, como a deputada estadual Janaína Paschoal, que pediu nesta semana a saída de Bolsonaro da Presidência.

A reação nas redes sociais parece ter sido captada pelo governo federal. Nesta quarta, o presidente e ministros concederam uma entrevista coletiva, com todos os integrantes da mesa vestindo máscaras —embora o uso, nas condições em que ocorreu, contrarie orientação do Ministério da Saúde.

No dia anterior, houve panelaço e gritos de ordem pedindo a saída do presidente em São Paulo e no Rio.

Em outra análise, a consultoria Quaest verificou que cresceu rapidamente no Twitter o uso das hashtags #ForaBolsonaro, #ImpeachmentdoBolsonaroUrgente e #AcabouBolsonaro.

Hashtags são usadas pelos usuários para identificar a que tema se refere a mensagem.

A análise mostra que havia poucos tuítes com essas hashtags até segunda (16). A partir daí, disparam as menções pedindo a saída do presidente, com pico nesta quarta.

Entre os usuários que tiveram mais mensagens retuitadas, estão políticos de esquerda, como a deputada Sâmia Bonfim (Psol), mas também há perfis de direita, como do deputado Alexandre Frota (PSDB), que foi o 12º perfil mais compartilhado sob as hashtags.

A Quaest analisou amostra representativa de 52 mil postagens no Twitter, realizadas entre os dias 8 e 18 de março, por 22 mil contas diferentes.

Nesta semana, o primeiro pedido de impeachment protocolado contra Bolsonaro depois dos protestos governistas do último domingo (15) chegou à Câmara dos Deputados.

De acordo com o pedido do deputado distrital Leandro Grass (Rede-DF), o presidente cometeu crime de responsabilidade ao incentivar a manifestação contra o Congresso e o Poder Judiciário.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.