Descrição de chapéu Coronavírus

Entenda um a um os recados de Mandetta a Bolsonaro no anúncio do 'fico' no governo

Ministro afirmou que orientações dos governadores devem ser seguidas e que Brasil não está preparado para a pandemia

São Paulo e Brasília

Após um dia inteiro de indefinição, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse na noite desta segunda-feira (6) que continuaria à frente da pasta em meio à pandemia do novo coronavírus.

Mandetta fez um discurso cheio de recados ao presidente, após ter sua demissão avaliada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Em sua fala, o ministro afirmou que orientações dos governadores devem ser seguidas, que o Brasil não está preparado para a pandemia e que interromper o isolamento pode levar o vírus para as camadas mais vulneráveis da sociedade.

Leia, a seguir, trechos comentados da fala de Mandetta.

O ministro Luiz Henrique Mandetta após entrevista coletiva no Ministério da Saúde
O ministro Luiz Henrique Mandetta após entrevista coletiva no Ministério da Saúde - Pedro Ladeira - 6.abr.20/Folhapress

"Não temos nenhum receio da crítica. A crítica construtiva, ela enobrece e nos faz rever e dar passos à frente. Gostamos da crítica construtiva. O que nós temos muita dificuldade é quando, em determinadas situações, por determinadas impressões, as críticas não vêm no sentido de construir, mas vem para trazer dificuldade no ambiente de trabalho."

A mensagem foi lida pela equipe do ministério como um recado direto às interferências do Palácio do Planalto. Na última quinta-feira (2), Bolsonaro admitiu que havia um descompasso entre ele e Mandetta. Em entrevista à rádio Jovem Pan, disse que "faltava humildade" a seu ministro.

"O Mandetta já sabe que ele não está se bicando comigo. Já sabe disso. Eu não pretendo demiti-lo no meio da guerra. Não pretendo. Agora, ele é uma pessoa que, em algum momento, extrapolou”, afirmou. Procurado pela Folha, o ministro respondeu: "Ele tem mandato popular, e quem tem mandato popular fala, e quem não tem, como eu, trabalha".

As críticas se estenderam pelo fim de semana. No domingo (5), Bolsonaro ameaçou ministros de demissão, sem citar nomes.

"[De] algumas pessoas do meu governo, algo subiu à cabeça deles. Estão se achando demais. Eram pessoas normais, mas, de repente, viraram estrelas, falam pelos cotovelos, tem provocações. A hora D não chegou ainda não. Vai chegar a hora deles, porque a minha caneta funciona", afirmou a um grupo de religiosos que se aglomerava em frente ao Palácio da Alvorada.

"Isso eu não preciso traduzir, vocês todos sabem que tem sido uma constante. O Ministério da Saúde determinar uma determinada linha, adotar uma determinada situação e termos, muitas vezes, que voltar, fazer determinados contrapontos, para podermos reorganizar a equipe."

Mais uma mensagem direcionada ao Planalto. Enquanto o presidente defendia a volta à normalidade, o ministro, em consonância com os protocolos internacionais de saúde pública, pedia que as pessoas não participassem de aglomerações e que adotassem medidas de precaução.

O contraponto incomodou Bolsonaro, que encarava o tom do ministro como um provocador da "histeria" na sociedade. A situação levou o presidente a cobrar apoio no discurso de Mandetta, o que foi parcialmente atendido na época.

A participação de Bolsonaro em um protesto, no dia 15 de março, também causou uma saia justa com o ministro. O presidente ainda faria um segundo teste para saber se estava infectado com o novo coronavírus. Questionado sobre a recomendação de evitar aglomerações, Mandetta respondeu que a orientação era para não ir. "E continua sendo não para todo mundo”, afirmou, na ocasião, o que mais uma vez desagradou Bolsonaro.

"Enquanto não tivermos as condições de mudarmos as recomendações, nós reforçamos que devem ser seguidas as orientações dos senhores governadores de estado."

Mandetta reforça seu apoio aos governadores, que em sua maioria adotaram políticas de isolamento social e contrariaram Bolsonaro. O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), por exemplo, antigo aliado de primeira hora do presidente, teceu críticas a Bolsonaro e afirmou que não respeitaria suas decisões sobre saúde.

Em um de seus pronunciamentos, Bolsonaro atacou governadores e disse que eles precisavam "abandonar o conceito de terra arrasada" com a proibição de transporte e o fechamento de comércio.

Uma das cenas mais emblemáticas foi a briga entre o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e Bolsonaro, durante reunião. Doria cobrou "serenidade, calma e equilíbrio", e ameaçou ir à Justiça se o governo federal confiscasse respiradores mecânicos para doentes graves com Covid-19. Em resposta, Bolsonaro pediu para o tucano sair "do palanque".

“Subiu à sua cabeça a possibilidade de ser presidente do Brasil. Não tem responsabilidade. Não tem altura para criticar o governo federal”, afirmou. Antes disso, Bolsonaro já havia reclamado sobre a participação de Mandetta em uma entrevista à imprensa ao lado de Doria.

"A sociedade precisa entender que a movimentação social é tudo o que esse vírus, que é o nosso inimigo, quer. Essa movimentação vai levar esse vírus para as camadas mais frágeis da nossa sociedade e mais numerosas, para os moradores de rua, vão levar para as comunidades, para as favelas, vai levar para as grandes concentrações urbanas."

O trecho contraria tudo o que Bolsonaro tem falado até aqui sobre a pandemia. Até mesmo uma campanha que pede a volta ao trabalho foi elaborada pelo governo, mas terminou barrada pelo Supremo Tribunal Federal. Em pronuncimento, o presidente chegou a perguntar o porquê de fechar escolas se o grupo de risco é o de pessoas com mais de 60 anos.

Em outra declaração, Bolsonaro voltou a minimizar a pandemia afirmando que nada acontece com o brasileiro. "Eu acho que não vai chegar a esse ponto [dos Estados Unidos]. Até porque o brasileiro tem que ser estudado. Ele não pega nada. Você vê o cara pulando em esgoto ali. Ele sai, mergulha e não acontece nada com ele."

No final de março, Mandetta reafirmou a política de distanciamento social e disse que idosos não vivem em cápsulas. "Essas pessoas moram com vocês, essas pessoas têm netos, filhos, trabalham, pegam ônibus, são ambulantes. São eles que podem ser [as maiores vítimas], os próprios ambulantes que a gente quer acelerar e cuidar da economia informal."

"Nós não estamos preparados. Nós não estamos prontos para uma escalada de casos nas nossas grandes metrópoles. Ainda temos muito o que fazer."

Mandetta tem elevado o tom quando o assunto é o possível impacto da pandemia sobre o sistema de saúde, que pode colapsar. Quando o ministro mencionou essa possibilidade em abril, foi repreendido por Bolsonaro.

"Num primeiro momento eu estava achando que ele [Mandetta] estava exagerando, tá certo? Tanto é que ele foi bastante questionado ontem quando falou uma palavra que não era adequada para aquele momento, falou 'colapso', e ele explicou perfeitamente. É isso apenas que tenho conversado com ele, acertando ponteiros em algumas coisas", disse o presidente em entrevista à CNN Brasil.

Bolsonaro costuma minimizar a possível sobrecarga no sistema de saúde. “Não acredito [que vá ter colapso]. Estamos alargando a curva de infecção e eu estou confiando no remédio que está sendo testado aqui e fora do Brasil", afirmou na mesma entrevista.

"Este final de semana foi um final de semana de muita reflexão para todos. (...) Eu fui ler O Mito da Caverna, que é um dos diálogos de Platão que eu tinha lido aos 14 anos pela primeira vez e já li umas 20 vezes até e até hoje não consigo entender. Continuei sem entender."

Mandetta escolheu citar um texto frequentemente usado para ilustrar o conflito entre a ignorância e o conhecimento. O diálogo entre Sócrates e Glauco está no livro "A República", escrito por Platão no século 4º a.C.

No mito, pessoas que vivem acorrentadas em uma caverna veem apenas sombras projetadas —o que seria, para os prisioneiros, a verdade. Sócrates imagina, então, como seria se um deles pudesse sair da caverna e, com a luz, enxergar os objetos nitidamente.

A defesa por Mandetta dos protocolos da OMS (Organização Mundial da Saúde), em contraponto aos discursos de Bolsonaro pouco respaldados na ciência, fez a citação do livro ganhar ares de recado.

"Cada um voltou no domingo à noite com as suas baterias todas focadas para essa semana de trabalho. Infelizmente começamos com mais um solavanco a semana de trabalho. Esperamos que a gente possa ter paz para poder conduzir."

Ao dizer que continuaria no ministério, Mandetta afirmou que a inconstância estaria atrapalhando o trabalho. “Hoje foi um dia que rendeu muito pouco o trabalho do ministério. Teve gente limpando gaveta, pegando as coisas. Até as minhas gavetas", afirmou.

"Depois da reunião lá me levaram numa sala com dois médicos que queriam fazer um protocolo de hidroxicloroquina por decreto. Eu disse para eles que é super bem-vinda, que estudos são ótimos (...). A gente tem feito isso constantemente, tudo o que chega. (...) Há indícios? A tese é boa? É boa. Mas primeiro convença os pares técnicos. E aí vamos fazer pela ciência. Ciência."

Bolsonaro tem defendido que a hidroxicloroquina e derivados sejam ofertados a mais pacientes da Covid-19, mas por enquanto o Ministério da Saúde criou protocolo apenas para uso em pacientes com quadros críticos e graves internados, com acompanhamento médico. Mandetta tem reforçado que remédio não é panaceia e evidências da sua eficácia são frágeis.

Desde março, o presidente já mandou o Exército ampliar a produção da substância e deixou à mostra uma caixa de remédio feito com hidroxicloroquina em reunião do G20. Bolsonaro chegou a se reunir com médicos para buscar informações sobre o medicamento sem a presença do ministro da Saúde.

"Vamos fazer pela ciência. Não vamos perder o foco: ciência, disciplina, planejamento, foco. Esses barulhos que vêm ao lado, fulano falou isso, beltrano falou aquilo, esquece."

Mais uma mensagem de Mandetta em apoio ao trabalho científico.

"Vamos continuar, porque continuamos a enfrentar o nosso inimigo, que tem nome e sobrenome, o covid-19. Temos uma sociedade para lutar e proteger, médico não abandona paciente e não vou abandonar."

O ministro retoma uma expressão que vem usando nos últimos dias na qual compara o Brasil a um paciente seu. Uma eventual saída do cargo, e seu ônus em meio à pandemia, seria inteiramente de Bolsonaro.

"Sabemos da importância de permanecer, de ajudar. Sei de tudo isso. Todo mundo está fazendo sua dose de sacrifício, todo mundo dando seu quinhão a mais de colaboração. Nós também daremos o nosso sacrifício, nosso quinhão a mais de colaboração até quando formos importantes, nominados, fizermos alguma diferença, ou até quando o presidente entender que outra equipe, para outro lado, que não queira esse tipo de trabalho, que fale o caminho não é por aqui, é por ali, que encontre as pessoas certas, substitua. A gente está aqui para ajudar. Mesmo que venha outra equipe, nós vamos ajudar porque nós temos compromisso com a vida das pessoas."

Novamente, Mandetta envia o recado de que apenas deixará o posto se for demitido por Bolsonaro.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.