Descrição de chapéu Eleições 2020

Distrito industrial e albergue para moradores de rua são promessas não cumpridas por Trad no primeiro mandato em Campo Grande

Lupa analisou algumas das propostas do programa de governo apresentado em 2016 pelo prefeito

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Ígor Passarini
São Paulo | Agência Lupa

Eleito prefeito de Campo Grande pela primeira vez em 2016, Marquinhos Trad (PSD) busca a reeleição em 2020. Na última pesquisa Ibope, publicada em 30 de outubro, o candidato tinha 46% das intenções de voto, mais do que todos os seus adversários somados. Na eleição passada, ele registrou no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) um plano de governo com diversas propostas para a sua gestão. A Lupa avaliou algumas das principais promessas.

*

“Criar o Distrito Industrial de Campo Grande”
Na página 20 do plano de governo registrado no TSE em 2016

FALSO Em novembro de 2019, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e de Ciência e Tecnologia de Campo Grande criou um grupo para estudar a viabilidade do Distrito Industrial. Porém, o projeto não foi concluído até o momento.

Segundo a assessoria de comunicação do candidato, “a prefeitura já escolheu a área para o distrito e resolve questões burocráticas para transformar o projeto em lei para efetivá-lo”.



“Criar albergue para pessoas em situação de rua”
Página 15 do plano de governo registrado no TSE em 2016

FALSO A Prefeitura de Campo Grande não criou nenhum albergue municipal para as pessoas em situação de rua. O único local do tipo no município é o Cetremi (Centro de Triagem e Encaminhamento do Migrante e População de Rua), que já existia antes das eleições de 2016. Em dezembro daquele ano, ele chegou a ser fechado por cinco dias.

Durante a atual gestão, o Cetremi foi alvo de acusações de maus tratos aos abrigados, em 2019, e infestação por insetos, no início de 2020. A prefeitura chegou a anunciar uma reforma do edifício, que foi adiada por causa da pandemia de Covid-19.

Também durante a pandemia, a Secretaria Municipal de Educação cedeu três escolas municipais como alojamento para os moradores durante a quarentena. Contudo, essa cessão foi temporária.

Segundo assessoria de comunicação do candidato, a prefeitura “optou por aumentar a rede de atendimento à população de rua” e oferecer cursos de capacitação no Cetremi.


“Criar o programa EducaJá para a melhoria dos indicadores do Ideb”
Página 14 do plano de governo registrado no TSE em 2016

VERDADEIRO, MAS O programa EducaJá, que teria como objetivo melhorar os indicadores do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), foi implantado em 2018, segundo informações repassadas pela assessoria de Trad, por e-mail. De acordo com a assessoria, o projeto visa identificar dificuldades de aprendizagem de alunos da rede municipal e planejar e implementar ações para solucionar essas dificuldades. A assessoria também mandou algumas estatísticas do projeto.

Apesar disso, o projeto não está listado nas políticas educacionais do município e até esta quarta-feira (11) não havia nenhuma menção a ele no site da prefeitura.

Na edição de 2018 do Relatório Anual de Atividades publicado pela prefeitura, o projeto é mencionado apenas uma vez em 2018. Há apenas uma descrição do projeto, sem nenhuma menção a estatísticas ou objetivos concretos. “A Secretaria Municipal de Educação (Semed) com o escopo de viabilizar estratégias que possam modificar; reestruturar e transformar a qualidade de ensino, implantou o Projeto EDUCAJÁ para todos os alunos da REME, a fim de que possam avançar e viabilizar conhecimentos teórico-práticos necessários, dentro e fora da sala de aula, proporcionando um trabalho efetivo no que se refere à defasagem de conteúdo, resultando na possibilidade de aquisição de uma aprendizagem significativa e de qualidade”, diz.

na edição de 2019, a palavra “EducaJá” só é citada, novamente, uma vez, desta vez como nome de um evento realizado pela Semed: “Desvendando os Indicadores Educacionais - Educajá”. Segundo o relatório, 400 pessoas participaram de um evento de “reflexão com a equipe-técnico-pedagógica, análise e estudos individual e personalizado dos indicadores das escolas como proficiência, rendimento e resultados das avaliações externas”. Novamente, não há qualquer menção a ações específicas do programa, resultados ou objetivos concretos. O programa só era mencionado uma única vez.

Quanto ao Ideb, nos anos iniciais do ensino fundamental, a nota melhorou entre 2015 e 2019, de 5,4 para 5,7. Contudo, ela segue abaixo da média estabelecida pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), que, para 2019, era de 6,1. Nos anos finais, a nota ficou estagnada em 5. A meta do Inep era de 5,5.


“Ampliar a cobertura da Estratégia Saúde da Família”
Na página 11 do plano de governo registrado no TSE em 2016

VERDADEIRO Segundo o painel de indicadores da atenção primária à saúde, a população coberta pela Estratégia Saúde da Família na atenção básica em Campo Grande era de 74,8% em junho desde ano. Em dezembro de 2016, a cobertura era de 38%.


“Construir o Laboratório Municipal de Exames (Labcen)”
Página 13 do plano de governo registrado no TSE em 2016

VERDADEIRO Em agosto de 2017, no primeiro ano da gestão de Trad, a Secretaria Municipal de Saúde inaugurou a nova sede do Labcen (Laboratório Municipal de Exames) na capital sul-mato-grossense.


"Elaborar, aprovar e executar o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCs) ao servidores públicos na área de saúde"
Página 11 do plano de governo registrado no TSE em 2016

VERDADEIRO Entre março e abril de 2020, a Prefeitura de Campo Grande sancionou nove projetos de lei complementar estabelecendo novos planos de cargos, carreiras e salários para diferentes carreiras da área de saúde. O primeiro plano, para as carreiras de profissionais da enfermagem (LC 374), foi sancionado em 17 de março. Outros oito planos foram sancionados em 7 de abril: para médicos e odontólogos (LC 375), agentes da vigilância sanitária (LC 376), auditor municipal de saúde (LC 377), médico veterinário (LC 378), profissional em serviço de saúde (LC 379), suporte ao serviço de saúde (LC 380), técnico especializado em saúde (LC 381) e técnico especializado em odontologia (LC 382).


"Criar a ouvidoria do servidor"
Página 11 do plano de governo registrado no TSE em 2016

VERDADEIRO A ouvidoria do servidor municipal de Campo Grande foi implementada em maio de 2017, como uma divisão interna da ouvidoria geral do município –criada no ano anterior, ainda na gestão de Alcides Bernal (PP). Sua função é receber “elogios, solicitações, sugestões, reclamações e denúncias dos servidores públicos municipais” e encaminhar eventuais demandas para os gestores ou para a controladoria-geral do município.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.