Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/10/2010 - 08h05

Pivô da quebra de sigilo usou flat de assessor ligado ao PT

Publicidade

FERNANDA ODILLA
VALDO CRUZ
MÁRCIO FALCÃO
DE BRASÍLIA
SILVIO NAVARRO
DE SÃO PAULO

O jornalista Amaury Ribeiro Jr., pivô da quebra de sigilos de tucanos ligados a José Serra (PSDB), ficou hospedado em flat de um contratado da Pepper, empresa prestadora de serviços da campanha de Dilma Rousseff (PT).

Amaury usou o apartamento de Jorge Luiz Siqueira quando se reuniu com o "grupo de inteligência" da pré-campanha petista, no restaurante Fritz. Na ocasião, foi discutida a elaboração de um dossiê contra tucanos.

Aécio acusa Lula de comandar 'facção política'
Despachante admite já ter prestado outros serviços a jornalista
Presidente do PSDB diz que depoimento de jornalista à PF prova que PT montou 'farsa'
Procuradoria não descarta uso eleitoral de quebra de sigilo de dados da Receita
Jornalista acusa coordenador de campanha de Dilma de furtar dossiê
Acompanhe a Folha Poder no Twitter
Conheça nossa página no Facebook

À época do encontro, o responsável pela comunicação da pré-campanha era o jornalista Luiz Lanzetta, dono da Lanza Comunicação.

Siqueira trabalhou quatro anos como coordenador-geral de logística do Ministério da Agricultura. Deixou o cargo em maio do ano passado e passou a trabalhar na Lanza.
Na época, Siqueira era gerente de despesas da Lanza.

À Polícia Federal Amaury se referiu a Jorge como "responsável pela administração de gastos da casa do Lago Sul" usada nessa fase.

Depois da revelação de que Lanzetta estava montando o "grupo de inteligência", a Lanza deixou a campanha. Siqueira, então, foi incorporado pela Pepper Comunicação Interativa, assim como a maioria dos contratados para trabalhar na campanha.

A assessoria da Pepper confirmou a informação.

Segundo a Folha apurou, Siqueira cedeu seu apartamento para Amaury a pedido de Lanzetta. Ele emprestava o flat para a campanha para hospedagens provisórias.

Amaury disse à PF que foi nesse local que o deputado Rui Falcão (PT-SP) teria copiado de seu computador dados do sigilo dos tucanos.

O deputado nega.

Siqueira e Lanzetta têm outro amigo em comum ligado à campanha de Dilma: o empresário Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, cuja família detém duas empresas --Dialog e Gráfica Brasil-- que ganharam mais de R$ 200 milhões em contratos com o governo.

Bené foi o responsável por negociar o aluguel de uma casa no Lago Sul, região nobre de Brasília, onde trabalhou a equipe de imprensa da petista. Lanza e Pepper dividiram o espaço.

Bené esteve na reunião com integrantes do então "grupo de inteligência" no restaurante Fritz, em Brasília. Também participaram Lanzetta, Amaury e um delegado da PF aposentado.

A Folha tentou falar ontem com Lanzetta, mas ele não foi localizado. A reportagem tentou também contatar Siqueira, mas a assessoria da Pepper informou que ele estava em São Paulo por problemas pessoais.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página