Pacientes e médicos são vítimas quando saúde vira negócio, diz americana

Para a médica de família Debra Blaine, modelos atuais não deveriam ser aplicados à saúde

Iara Biderman
São Paulo

A médica de família americana Debra Blaine revela os bastidores da indústria da saúde e os dilemas de uma época em que vida e morte são vistas como fonte de lucro no livro “Code Blue: The Other End of Stethoscope” (código azul: o outro lado do estetoscópio).

Deco Farkas

No thriller (sem edição em português), uma médica é procurada por um antigo namorado, que tenta alertá-la sobre um grupo de hackers que está ganhando fortunas com a morte de pacientes.

Ela ignora as tentativas de reaproximação do antigo amor —sem saber que ele pode ser a vítima na lista da organização criminosa.

“Os pacientes precisam saber o que está acontecendo, mas nem sempre as pessoas querem ouvir. Passar essas informações no formato de thriller pode ser uma forma de engajar o público”, diz. 

Para ela, os modelos de negócio atuais não deveriam ser aplicados à saúde. “É um modelo que prioriza o lucro com parâmetros como quantidade e satisfação do consumidor, baseado em conveniência, aparência e rapidez. Essas coisas não são as considerações prioritárias em um tratamento médico.”

Princípios éticos como buscar o bem para qualquer pessoa e justiça para todos deveriam ser as considerações filosóficas de base para a prática da medicina, segundo a reumatologista Helena Carneiro Leão, que é presidente da Associação médica de Pernambuco e especialista em bioética pela Universidade do Porto.

Quando a doença vira mercadoria e a saúde, moeda de troca, a corda aperta também para os médicos.

“Eles estão cercados por ilhas de negócios e, para permanecer no mercado de trabalho, estão se tornando pessoas jurídicas, perdendo sua identidade”, diz Leão. 

Segundo Blaine, atualmente nos Estados Unidos os médicos são pressionados a tratar o paciente como consumidor, e agradar o freguês tornou-se mais importante do que curar ou tratar. 

Essa relação criou distorções. O “cliente” passa a associar melhor tratamento com a qualidade do café do laboratório ou o serviço de quarto do hospital, afirma a médica. 

Criam-se novas demandas, e os pacientes esperam receber as melhores mercadorias, que acreditam ser as tecnologias e remédios mais novos e caros —mesmo que não sejam o tratamento mais indicado. 

“Uma parte da população precisa realmente de tratamentos de ponta e não consegue obter, enquanto outra parte está acostumada a ter tudo o que quer imediatamente”, diz.

Blaine não pretende culpabilizar pacientes e médicos pela crise vivida tanto em seu país como no Brasil.

Eles são, para ela, vítimas de um sistema de publicidade massiva, lobbies e interesses econômicos. 

Educar os pacientes é, para Blaine, a forma de mudar o jogo. Isso vai desde mostrar às pessoas os desconfortos envolvidos nos tratamentos até o que está por trás dos lançamentos de novos produtos médicos. 

Não espera obter isso com ajuda da grandes empresas da área. Iniciativas da indústria para “empoderar” pacientes entendidos como consumidores podem ser apenas mais uma estratégia para vender novos produtos. 

Profissionais de saúde com boa formação e melhores condições de trabalho seriam, na visão de Blaine, a melhor forma de informar a população sobre os limites éticos de quem lucra com a saúde. 

Mas as coisas tampouco estão fáceis para os médicos. “Hoje, nos Estados Unidos, a taxa de suicídio per capita de médicos é a maior do país. Algo em torno de 34 para cada 100.000, equivalente ao suicídio de um médico por dia”, afirma Blaine. 

Como Carneiro Leão, a médica norte-americana diz que a mudança desse cenário está ligada a princípios éticos que são, ou deveriam ser, básicos.

Precisamos mudar nossos valores. A ânsia por acumular riqueza faz mal não só à saúde, mas à vida de todo o planeta, como mostra crise climática que estamos vivendo.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.