Projeto incentiva roteiros turísticos pelas rodovias de São Paulo

Plano estadual prevê a construção de pontos como um skywalk de 50 m e um mirante suspenso no Vale do Ribeira

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Um projeto de incremento de rotas turísticas com mirantes, skywalks e espaços para alimentação em pontos de rodovias paulistas deve começar a ser implementado no segundo semestre.

Segundo o governo estadual, além de atrair visitantes, a ideia é oferecer ao viajante uma experiência mais próxima à natureza e história de uma determinada região.

A primeira etapa do programa, chamado de Rotas Cênicas, está planejada no Vale do Ribeira, ao sul do estado, vinculada a outra iniciativa de desenvolvimento regional, o Vale do Futuro. A estimativa é que o trajeto receba 15 atrações com orçamento de R$ 18 milhões e entrega no primeiro semestre de 2022.

As obras estão previstas em três trechos rodoviários entre os municípios de São Miguel Arcanjo e Sete Barras (SP-139); Apiaí e Ribeira (SP-250) e Iporanga e Apiaí (SP-165).

Nesse último trajeto fica a maior atração da rota, orçada em R$ 13 milhões: um skywalk, ou uma passarela de vidro suspensa com 50 metros de extensão e vista para a Mata Atlântica no entorno do Petar (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira), região famosa por mais de 350 cavernas, além de trilhas e cachoeiras.

Outro exemplo de estrutura prevista para o Vale do Ribeira é o Paradouro Rastro da Serpente, instalado em uma rota de mesmo nome conhecida entre motociclistas. O projeto com cerca de 80 m² tem espaço para alimentação, ponto venda de produtos locais e estacionamento. Além dele, há também o mirante suspenso da Boa Vista, de onde se poderá avistar o Parque Estadual Carlos Botelho.

“As rotas foram mapeadas em regiões com beleza cênica, como matas, parques e cachoeiras, mas que também oferecem patrimônio histórico e cultural. São locais aptos para o turismo, onde um novo atrativo pode gerar mais visibilidade”, diz Rodrigo Ramos, coordenador da Secretaria de Turismo do Estado. O órgão é responsável pelo projeto em parceria com a Secretaria de Logística e Transporte e o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), que vai executar as obras.


Para Juliana Bettini, especialista em Turismo no BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), projetos de enfoque territorial que levam em consideração as dinâmicas próprias de cada região são relevantes para que se consiga um planejamento efetivo no setor.

Além do Vale do Ribeira, o governo de São Paulo também mapeou outras três rotas no estado: a da região da serra da Mantiqueira; a do Circuito das Águas e Flores, no interior de São Paulo; e do litoral norte. Os roteiros ainda não têm previsão de entrega.

Se, por um lado, viagens de carro começaram a ser valorizadas com a chegada da pandemia por um turista que quer percorrer distâncias curtas, por outro, é necessário que as rodovias estejam preparadas para essa movimentação. “A estrada precisa estar segura e permitir que o trajeto seja cumprido pelo viajante em um tempo desejável”, diz Mariana Aldrigui professora de lazer e turismo da USP.

No Brasil, são exemplos de roteiros cênicos —onde existem atrativos reconhecidos na paisagem e pontos de parada estabelecidos— os percursos entre vinícolas no Sul do país e atrações na região serrana do Rio de Janeiro. No mundo, elas também estão presentes em países como a Alemanha e a França.

Segundo Mariana Aldrigui da USP, rotas de viagens com pontos de parada destinados à alimentação já eram descritas em documentos que datam da época do Império Romano.


Foram os romanos que construíram as primeiras estradas conectando Paris ao mar Mediterrâneo, de acordo com o livro “A Deliciosa História da França” (416 págs., ed. Seoman). A rota Nationale 7 foi estabelecida sobre esses trajetos e ganhou importância com a invenção do automóvel e o estabelecimento do turismo em massa.

De acordo com a publicação, o trajeto, que liga a capital do país e a fronteira da Itália, estimulou o surgimento de um turista que valoriza a gastronomia local —já que barracas de produtores e restaurantes eram instaladas nas bordas da rodovia visando o viajantes que precisava se alimentar.

Itens de artesanato e da culinária feitos localmente também devem ser fomentados pelo projeto das Rotas Cênicas nos pontos de parada nas estradas, de acordo com o governo do estado.

“Com isso, o turismo traz um consumidor àquela região e o pequeno empresário passa a vender seu produto a ele com valor agregado. Diferente do que se estivesse vendendo a preço de atacado para um mercado distante”, afirma Vinicius Lummertz, Secretário de Turismo do estado de São Paulo. Segundo Lummertz, o governo também trabalha em um projeto que vai mapear diferentes elementos e produtos da culinária paulista.

Para que a iniciativa dê visibilidade à região, diz Mariana Aldrigui, da USP, é importante que esteja conectada a outras estratégias locais.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.