Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Contra violência, colégios contratam seguranças para vigiar saída de alunos

Publicidade

Para proteger seus alunos, grandes instituições de ensino privado de São Paulo têm contratado empresas de segurança que atuam não apenas dentro dos prédios, mas nas ruas do entorno, esquinas e até em uma passarela.

Empresas de segurança dizem agir de acordo com a lei ao acompanhar alunos

Muitas vezes, os próprios alunos não sabem que os seguranças estão presentes.

Mesmo desarmados, os vigilantes acompanham a movimentação dos estudantes. O serviço, que custa cerca de R$ 8.000 por vigilante, revela a preocupação das instituições ante a sensação de insegurança na cidade.

As empresas privadas, no entanto, são proibidas de atuar em vias públicas, de acordo com a lei que regulamenta o setor. Do muro para fora de qualquer prédio, a segurança é de responsabilidade do Estado.

Victor Moriyama-08.jun.13/Folhapress
Segurança de empresa privada atua nas imediações da Faculdade Anhembi Morumbi, no bairro da Mooca
Segurança de empresa privada atua nas imediações da Faculdade Anhembi Morumbi, no bairro da Mooca

"No quarteirão da escola, a gente pode oferecer esse serviço. Podemos evitar que gente mal intencionada se aproxime de uma aglomeração de alunos para se aproveitar", diz Niv Yossef, gerente de projetos do Grupo GR.

Próximo do campus Mooca da universidade Anhembi-Morumbi, a Folha encontrou na quinta-feira três seguranças do Grupo GR nas ruas.

Um deles, de moto, fazia uma ronda no quarteirão. Um estava sentado em frente a um ponto de ônibus e outro, em uma passarela sobre a Radial Leste, a cerca de 100 metros da entrada da universidade.

De acordo com um vigilante que não quis se identificar, a missão é acompanhar suspeitos que possam se aproximar dos estudantes na entrada e saída da universidade.

Enquanto atravessava a passarela, a estudante de marketing Sara Faria, 21, disse que os vigilantes passam uma sensação de segurança.

Seu colega de sala Jefferson Lima, 22, concorda. "Eles podem nos avisar se alguém suspeito chegar perto, para não sermos pegos de surpresa."

"Quando você tem um reforço de segurança na rua, na calçada, na esquina, até disfarçado, ajuda a inibir. Precisa ter um olheiro", disse à Folha José Antonio Caetano, diretor comercial da Haganá, uma das maiores empresas de segurança privada do Estado.

"Fazer segurança no entorno é de responsabilidade do setor público. Mas, infelizmente, a gente tem que correr atrás e se proteger", completou.
Caetano disse que a empresa faz o serviço em cerca de 15 instituições de ensino na Grande São Paulo, entre elas o tradicional colégio Bandeirantes, na Vila Mariana, e em unidades da Uninove.

Após ser informada que o serviço é ilegal, a Haganá negou que trabalhe com segurança em áreas públicas.

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Envie sua notícia

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Manual Antidrogas
Manual Antidrogas
Gustavo Teixeira
De:
Por:
Comprar
Cidadania Insurgente
Cidadania Insurgente
James Holston
De:
Por:
Comprar
A Maldade Humana: Como Detonar uma Pessoa no Facebook
A Maldade Humana: Como Detonar uma Pessoa no Facebook
Beatriz Breves e Virgínia Sampaio
De:
Por:
Comprar
Adeus, Aposentadoria
Adeus, Aposentadoria
Gustavo Cerbasi
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

TV TV LED, 3D, FULL HD e Smart a partir de R$ 399,90

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página