Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Família admite que adolescente cometeu suicídio em São Paulo

Publicidade

A família do adolescente Kaique Augusto Batista dos Santos, 17, afirmou na tarde desta terça-feira (21) que a suspeita inicial da polícia estava correta e que o garoto cometeu suicídio.

O jovem foi encontrado morto na madrugada de sábado (11) embaixo do viaduto Nove de Julho, na região central de São Paulo. Familiares que fizeram o reconhecimento fotográfico do corpo de Kaique disseram que ele estava desfigurado, sem os dentes e com uma barra atravessada na perna.

A mãe do garoto, Isabel Cristina Batista, pediu desculpas se algo que ela disse prejudicou a imagem da polícia. "Eu só tenho a agradecer a todos que me ajudaram nesse momento tão difícil. Agora, vou apenas conviver com essa dor para o resto da minha vida", disse chorando.

O advogado da família, Ademar Gomes, afirmou que imagens de câmeras de segurança localizadas a cerca de 50 metros do local onde Kaique foi encontrado morto mostram o garoto sozinho. "Ninguém estava perto dele. Kaique estava cambaleando, e exames mostram que ele havia bebido no dia, mas podemos concluir que não houve homicídio", afirmou.

Com base nos depoimentos de pessoas próximas de Kaique, como amigos e colegas de trabalho, além de textos de um diário encontrado no quarto do adolescente, o advogado Ademar Gomes disse que esse deve ser mais um caso de decepção amorosa. "Isso é comum, briga familiar ou entre casais. Contratamos um psiquiatra para analisar a documentação colhida e ele também cravou suicídio."

O advogado disse ainda que o garoto escreveu textos que demonstram uma tendência a se despedir da vida. "Ele fala de uma decepção amorosa e da vontade que ele tinha de casar, que não foi correspondida. A letra é dele, sem dúvida. Não há datas, mas é possível saber que são fatos recentes", afirmou.

Felipe Souza/Folhapress
Mãe de adolescente de 17 anos encontrado morto em São Paulo chora após concordar que garoto cometeu suicídio
Mãe de adolescente encontrado morto chora ao lado do advogado após concordar que jovem se matou

A mãe do garoto, porém, disse que ele não aparentava sinais de depressão. "Passamos o ano novo juntos, ele fez vários vídeos, sempre feliz, brincando e cantando. Se eu soubesse que ele estava com problemas, teria ajudado", afirmou.

O advogado disse que a polícia agiu corretamente desde o princípio e conduziu as investigações com imparcialidade. "Fizemos uma reunião ontem à noite e concluímos que não há qualquer prova para apurar o caso como homicídio", afirmou.

A mãe de Kaique disse que sempre aceitou o fato de ele ser homossexual e nunca tratou a opção do adolescente com preconceito. Segundo ela, o adolescente não tinha tentado se matar antes.

Amigos de kaique haviam dito que o garoto tinha perdido os documentos e o celular na festa, depois reencontrado os pertences. Ademar Gomes disse hoje que os objetos não foram achados.

Na semana passada, um grupo de pessoas protestou no Largo do Arouche, no centro de São Paulo, para cobrar investigações sobre a morte do garoto.

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Envie sua notícia

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Folha Shop

TV LED TV LED Smart, HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página