Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
Publicidade

Traficantes do Rio disputam ponto de drogas em rede social

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS
Publicidade

Jovens armados com fuzis, que dizem pertencer a facções criminosas, travam uma guerra no Facebook pela disputa de pontos de venda de drogas em favelas da zona norte do Rio. Os principais alvos são os morros da Serrinha e do Cajueiro.

Responsável por um inquérito que investiga a disputa dos traficantes na rede social, o delegado Geovan Omena, da 29ª DP (Madureira), pediu na última semana à Justiça a prisão de 13 suspeitos de envolvimento com o tráfico na Serrinha.

Entre eles está Walace de Brito Trindade, 27, conhecido como Lacosta, apelido que ganhou por usar roupas da grife Lacoste, apontado como chefe do tráfico na favela e suspeito de integrar a facção TCP (Terceiro Comando Puro).

Os policiais vinham acompanhando a movimentação de Lacosta por meio das informações que ele próprio colocava em seu perfil no Facebook, mas apagou sua página recentemente.

Editoria de Arte/Folhapress

Mesmo assim, as postagens na rede social ajudaram a polícia a indiciá-lo com outros 12 suspeitos pelos crimes de tráfico de drogas, associação ao tráfico e porte de arma.

"Eles acham que estão se escondendo ali e acabam postando um monte de coisa que nos ajuda [na investigação] e os expõem", disse à Folha o delegado.

Em seus perfis, além da exposição de fuzis, pistolas e joias, os investigados trocam informações sobre invasões de áreas em poder de facções rivais, comemoram e planejam mortes de adversários, ameaçam cometer violências sexuais contra as mulheres dos concorrentes e lamentam a morte de comparsas.

"É uma forma de autoafirmação. Ele [traficante] usa as redes sociais, que estão na moda, para todo mundo saber que ele tem arma, que ele manda e tem um grupo armado que impõe terror. É uma forma de mostrar poder", diz o delegado.

O "confronto virtual" reproduz a guerra entre as facções Comando Vermelho (CV) e Terceiro Comando Puro (TCP).

"A Serrinha é só tranquilidade. Tranquilidade no Complexo de Madureira. Tudo TCP, paz e felicidades pros moradores", diz um jovem que se identifica como Dennis da Serrinha.

Na foto principal de sua página, ele se exibe com um fuzil e diz que trabalha no morro. A polícia, no entanto, diz que ainda levanta a identidade dele.

Em outro perfil, "Cajueiro. Congonha, Bagda do PH", traficantes ameaçam o rival Lacosta, apontado como chefe da Serrinha.

"Tranquilidade, morador. É nós botando a bala pra comer. É hoje que o Lacosta vai morrer. O barulho do meu AK [fuzil AK-47] até em Turiaçu vão escutar", escreve o responsável pela página, sem revelar sua identidade, em referência ao bairro vizinho à Madureira.

Ao escrever sobre si mesmo, ele diz que é "gerente geral" na empresa "Claudinho do Cajueiro" e que seu emprego anterior foi no "Complexo do Lins" –conjunto de favelas na zona norte.
Sobre sua escolaridade, afirma: estudou na instituição de ensino "Crime Organizado".

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Especiais

Siga a folha

Publicidade

Envie sua notícia

+ Livraria

Livraria da Folha

Armas
Adrian Gilbert, Philip Parker, R.G. Grant, Richard Holmes, Roger Ford
De:
Por:
Comprar
A Verdade por Trás do Google
Alejandro Suáres Sánchez-Ocaña
De:
Por:
Comprar
Freud, Além da Alma (DVD)
John Huston
De:
Por:
Comprar
Carcereiros
Drauzio Varella
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página