Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Compositor Paulo Vanzolini morre aos 89 anos em São Paulo

Publicidade

O compositor e zoólogo Paulo Vanzolini morreu neste domingo aos 89 anos, vítima de complicações decorrentes de uma pneumonia. Ele estava internado desde a noite da última quinta (25) --seu aniversário-- na UTI do hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Deixa mulher, a cantora Ana Bernardo, e cinco filhos do primeiro casamento.

O velório, reservado a familiares e amigos, será nesta manhã, no Albert Einstein. O enterro deve ocorrer durante a tarde, no Cemitério da Consolação.

Zoólogo, Vanzolini teve grande importância para a ciência
Vanzolini foi muito mais que um cronista de São Paulo
Xico Sá: Vanzolini, cascavéis e o amor que rasteja

Um dos ícones do samba paulistano, criou clássicos como "Ronda", "Volta por Cima" e "Praça Clóvis", interpretados por grandes nomes da MPB, como Chico Buarque, Maria Bethânia e Paulinho da Viola.

No mês passado, Vanzolini foi um dos 87 artistas a se apresentar em evento no Teatro Oficina promovido pela Casa de Francisca, pequena casa de shows paulistana. Também em março, recebeu o Prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) pelo conjunto da obra.

Compositor bissexto, de músicas que chegavam a demorar um ano a ficar prontas, Vanzolini não tocava nenhum instrumento (para escrever as canções, entoava-as a amigos músicos) e tinha, assumidamente, um "grande problema com a afinação" (como disse em entrevista ao "Jornal do Brasil", em 1970), mas se firmou como um grande compositor de samba.

Compunha nas horas vagas do trabalho como zoólogo de renome internacional especializado em répteis. Com doutorado em Harvard, Vanzolini foi por três décadas diretor do Museu de Zoologia da USP, onde trabalhou por mais de 50 anos.

"Não tenho carreira de compositor. Música, para mim, é um hobby. Trabalho 15 horas por dia como zoólogo, adoro minha profissão. Não sei cantar, nem sei a diferença entre o tom maior e o menor", disse, em 1997, em entrevista à Folha.

Filho do engenheiro Carlos Alberto Vanzolini, Paulo Emílio Vanzolini nasceu em São Paulo em 1924 e morou, dos quatro aos seis anos de idade, no Rio. Desde cedo, habituou-se a ouvir sambas nas rádios. Aos 18 anos, ao entrar na Faculdade de Medicina da USP, em 1942, passou a frequentar rodas paulistanas de samba.

Naquela época, aceitou um convite do primo Henrique Lobo para trabalhar no programa "Consultório Sentimental", de Cacilda Becker, de quem se tornaria amigo. No programa, falando como "doutor Edson Gama", Vanzolini dava receitas de emagrecimento.

Antes mesmo de concluir o curso universitário, ingressaria como pesquisador no Museu de Zoologia. A medicina na USP, ele sempre disse, foi só um caminho para facilitar a admissão no doutorado em zoologia em Harvard.

Em 1948, casou-se com Ilze, secretária da reitoria da USP, com quem teria cinco filhos, incluindo o diretor de cinema e sócio da Conspiração Filmes, Tony Vanzolini. Embarcou com Ilze para os EUA, onde faria o doutorado e conviveria com músicos de jazz.

A primeira composição, "Ronda", é de 1951, ano em que também publicou o volume de poemas "Lira", pelos Cadernos do Clube de Poesia de São Paulo. A canção seria gravada só dois anos depois, em 1953, no lado B de um LP de Inezita Barroso, de quem era amigo.

A música ficaria famosa na voz de Marcia, nos anos 1960, e ganharia o país graças também a intérpretes como Bethânia (que a incluiu, em 1978, no LP "Álibi"), Carmen Costa, Angela Maria e Nora Ney.

Caetano Veloso fez uma referência melódica a "Ronda" em "Sampa", outro grande clássico paulistano. Vanzolini não via a referência como homenagem. "Uma música é considerada plágio quando tem oito compassos de outra. 'Sampa' tem 14 compassos de 'Ronda'. É uma citação", disse, ao "Jornal do Brasil", em 2000. Mas o compositor dizia não se importar, já que não gostava de "Ronda". "É muito piegas. Tem que gente que diz que 'Ronda' é o hino de São Paulo. Que belo hino! É a história de uma prostituta que vai matar o amante."

Nos anos 50, trabalhando na produção de programas musicais na Record, ficou amigo de outro grande representante do samba paulistano, Adoniram Barbosa Ðcom quem acabou nunca compondo, apesar de muitos planos nesse sentido.

Em 1963, foi a vez do cantor Noite Ilustrada lançar a segunda composição de Vanzolini a ser gravada, "Volta por Cima" --antes recusada por Inezita, que a considerou pouco comercial. A gravação, além de se tornar conhecida no país inteiro, foi incluída no filme "O Dragão da Maldade" contra o "Santo Guerreiro" (1969), que renderia a Glauber Rocha o prêmio de melhor diretor no Festival de Cannes. A música faria sucesso também na voz de Jair Rodrigues.

Só em 1967, mais de 20 anos depois de começar a compor, Vanzolini teria um disco inteiro gravado com suas canções. Produzido por seus amigos Luís Carlos Paraná (dono do lendário bar Jogral) e Marcus Pereira, "11 Sambas e uma Capoeira" teve músicas interpretadas por nomes como Chico Buarque ("Praça Clóvis" e "Samba Erudito"), Cristina Buarque ("Chorava no Meio da Rua") e o próprio Paraná ("Capoeira do Arnaldo"). Anos depois, esse seria considerado pelo compositor como seu único disco "que presta".

Vários outros anos se passariam até, em 1979, ele mesmo gravar suas músicas, em "Paulo Vanzolini por Ele Mesmo".

Embora tenha composto quase sempre sozinho, Vanzolini chegou a fazer parcerias, especialmente com Toquinho, que divide com ele a assinatura de músicas como "Na Boca da Noite" e "Boba".

Em 1993, depois de três décadas como diretor do Museu de Zoologia, teve aposentadoria compulsória, mas continuou trabalhando de segunda a sábado na instituição. "É a única coisa de que gosto, a única coisa que sei fazer [...]. Um dia eu nasci e já era zoólogo", comentou, em 2002, à revista "Scientific American Brasil".

Em 2009, foi retratado no documentário "Um Homem de Moral", de Ricardo Dias, que pôs imagens da metrópole para dialogar com canções como "Samba Erudito" e "Cuitelinho".

Nos últimos anos, Vanzolini já não costumava compor, apesar de ainda participar de shows, nem trabalhava no museu, embora colhesse os frutos de seu esforço --em 2012, ganhou R$ 300 mil da Fundação Conrado Wessel por sua produção científica.

Em 2004, foi internado no Hospital Sírio Libanês, com problemas cardíacos. Mas o maior representante da boemia paulistana nunca dispensou sua cervejinha. "Isso os médicos ainda não me tiraram", disse à Folha em 2009.

E até os últimos dias, todo sábado, segundo seu amigo também compositor Eduardo Gudin, ele ia ao Bar do Alemão, na zona oeste da capital, ouvir sua atual mulher, a cantora Ana Bernardo, e lá ficava até a madrugada chegar.

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Publicidade Leya

Envie sua notícia

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Put Some Farofa
Gregorio Duvivier
De:
Por:
Comprar
O Mundo de Gelo e Fogo
George R.R. Martin, Elio M Garcia e Linda Antonsson
De:
Por:
Comprar
Judas
Amós Oz
De:
Por:
Comprar
Box - As Eras
Eric Hobsbawm
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página