Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

'Hoje o público se interessa mais por mim', diz Ferreira Gullar

Publicidade

O pequeno mas aconchegante apartamento em Copacabana onde vive Ferreira Gullar, 82, junto com a gatinha que ganhou de presente da cantora Adriana Calcanhoto há dois anos, reúne um notável acervo nas paredes.

Obras de Siron Franco, Marcelo Grassmann, Rubem Valentim, Osvaldo Goeldi, Alfredo Volpi, e um belo retrato do poeta assinado por Iberê Camargo, disputam espaço com as pinturas de natureza morta feitas pelo próprio Gullar e os móbiles à moda de Calder que ele confecciona.

Ferreira Gullar não se comove com momento das artes visuais
Poeta Ferreira Gullar é um 'laboratório permanente', diz especialista
Editora planeja 14 reedições e volume de melhores entrevistas de Ferreira Gullar

Pelos sofás e estantes, dependendo do dia, também descansam um punhado de papéis recortados e espalhados ao acaso sobre cartolinas.

Cecilia Acioli-02.ago.13/Folhapress
O poeta Ferreira Gullar na sala de seu apartamento, no Rio
O poeta Ferreira Gullar na sala de seu apartamento, no Rio

Estão em processo de maturação, ele explica. Poderão se transformar em colagens, e quem sabe em livro, como aconteceu no caso do infantojuvenil "A Menina Cláudia e o Rinoceronte", que está sendo lançado agora pela José Olympio. A editora está reeditando toda sua obra poética, com novos projetos gráfico e editorial.

*

Folha - Como enxerga sua obra, a essa altura da vida?
São momentos diferentes. O começo com "Luta Corporal" (1954) foi rebelde, criativo, audacioso, e deflagrou todo processo futuro da minha poesia. O "Poema Sujo" (1976) tem significação especial pela circunstância em que foi escrito [no exílio] e pela quantidade de matéria humana vivida e inventada --eu não sabia se ia continuar vivo por muito tempo ou não.

Considera-se atemporal?
Até aqui minha obra atravessa o tempo. Mais que isso, hoje o que tem acontecido é que as pessoas se interessam cada vez mais pela minha poesia, ao invés do contrário.

Como surgiu o livro "A Menina Cláudia e o Rinoceronte"?
Ferreira Gullar - Faço as colagens como hobby para me distrair e divertir, há anos. Isso nasceu de umas naturezas mortas que eu desenhava, e ao invés de colorir, recortava papel e colava em cima. Um dia tocou o telefone, fui atender, e o meu gatinho (já falecido) que estava em cima da mesa deu um tapa nos papéis e tirou da ordem. Quando voltei, colei tal como estava.

E desde então?
A partir daí eu desenhava e dava um tapa ao invés do gato. Depois deixei de desenhar e passei só a jogar recortes em cima do papel cartão. Usando tudo que chega aqui, envelope, capa de livro que vou jogar fora, jornal que já li.

*

Poeta participa de debate em SP na segunda-feira

O poeta e colunista da Folha Ferreira Gullar, que tem a obra relançada neste ano pela editora José Olympio, participa de debate com Augusto Massi, editor, crítico e professor de literatura brasileira da USP, com mediação do repórter especial Cassiano Elek Machado. O evento, promovido pela Folha, pela José Olympio e pela Livraria Cultura, será nesta segunda, 5, às 19h30, no Teatro Eva Herz da Livraria Cultura do Conjunto Nacional (av. Paulista, 2.073). Inscreva-se pelo e-mail eventofolha@grupofolha.com.br, informando nome e RG, ou pelo telefone 0/xx/11/3224-3473 em dias úteis.

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Publicidade Leya

Envie sua notícia

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Put Some Farofa
Gregorio Duvivier
De:
Por:
Comprar
O Mundo de Gelo e Fogo
George R.R. Martin, Elio M Garcia e Linda Antonsson
De:
Por:
Comprar
Judas
Amós Oz
De:
Por:
Comprar
Box - As Eras
Eric Hobsbawm
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página