Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Crítica: 'O Hobbit: A Desolação de Smaug' sofre a maldição do filho do meio

Publicidade

Depois de decepcionar com o primeiro capítulo da trilogia "O Hobbit", uma espécie de prólogo de luxo de "O Senhor dos Anéis", o diretor Peter Jackson injeta ação (e novos personagens) no segundo capítulo, "O Hobbit: A Desolação de Smaug".

O filme é melhor e mais divertido que o primeiro, mas sofre com a síndrome de filho do meio: quer se rebelar, mas não tem coragem para tanto.

Novo 'O Hobbit' inclui elfa que não consta no livro e atrai ira de fãs de Tolkien
Análise: Novo longa 'O Hobbit' é o que mais se afasta dos livros de Tolkien

Jackson, que é um cineasta esperto, usa seus melhores truques lapidados em anos trabalhando em longas de terror para construir sequências arrebatadoras já no início, como a da comitiva de Bilbo (Martin Freeman) e 13 anões enfrentando as aranhas gigantes da Floresta das Trevas.

Divulgação
Martin Freeman (à esq.) como Bilbo e Richard Armitage como Thorin em cena de 'O Hobbit - A Desolação de Smaug'
Martin Freeman (à esq.) como Bilbo e Richard Armitage como Thorin em cena de 'O Hobbit - A Desolação de Smaug'

Outro acerto é na troca do tom cômico de "Uma Jornada Inesperada" pela adrenalina neste segundo capítulo. A fuga da comitiva do reino do elfo Thranduil (Lee Pace) em barris, por exemplo, equilibra os malabarismos élficos de um Legolas (Orlando Bloom) cheio de si e quase antipático e de Tauriel (Evangeline Lilly) com o jeito desengonçado dos anões. A química que transformou "O Senhor dos Anéis" funciona pela primeira vez na trilogia.

No entanto, o grande momento da produção é a aparição do imponente dragão Smaug.

Dragões falantes geralmente são um mau sinal no cinema ("Eragon" que o diga), mas a voz do inglês Benedict Cumberbatch ("Star Trek") e os efeitos especiais da Weta transformam a criatura em um obstáculo (finalmente) mortal para o grupo.

Infelizmente, o longa precisaria de muito mais para esconder que é uma trilogia inchada, repleta de momentos repetitivos.

E, quando chega ao ponto de haver um triângulo amoroso entre elfos e um anão é porque o desespero para preencher 161 minutos de trama foi longe demais.

O HOBBIT: A DESOLAÇÃO DE SMAUG
DIREÇÃO Peter Jackson
PRODUÇÃO EUA/Nova Zelândia, 2013
ONDE Cinépolis JK Iguatemi, Eldorado Cinemark e circuito
CLASSIFICAÇÃO 12 anos
AVALIAÇÃO bom

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Publicidade Biblioteca de Ofertas

Envie sua notícia

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Put Some Farofa
Gregorio Duvivier
De:
Por:
Comprar
O Mundo de Gelo e Fogo
George R.R. Martin, Elio M Garcia e Linda Antonsson
De:
Por:
Comprar
Judas
Amós Oz
De:
Por:
Comprar
Box - As Eras
Eric Hobsbawm
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página