Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
Publicidade

Equipe econômica vê tendência de aceleração da atividade

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS
Publicidade

A equipe econômica do governo Dilma Rousseff comemorou o resultado acima do esperado do PIB no quarto trimestre e avaliou o dado como um sinal de aceleração da atividade.

"Esse crescimento indica que a economia brasileira está numa trajetória de aceleração gradual em relação ao ano anterior. Estamos numa trajetória de crescimento que vai continuar em 2014", afirmou o ministro Guido Mantega (Fazenda).

Havia o temor de dois trimestres de queda consecutiva no desempenho da produção nacional –no terceiro, houve retração de 0,5% na atividade.

Em 2013, a economia brasileira cresceu 2,3%, segundo dados do PIB divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira (27). Em valores, o PIB de 2013 somou R$ 4,84 trilhões.

Para o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, o crescimento em 2013 "confirmou a gradual recuperação da atividade econômica iniciada no segundo semestre de 2012".

O governo comemorou o resultado "satisfatório" do ano passado, que poderia ter sido "ainda maior" caso o cenário internacional fosse mais favorável.

"Se não houvesse essa dificuldade da economia internacional, teríamos crescido mais, aproveitando o mercado interno, e o mercado externo, com aumento das exportações", afirmou Mantega.

Editoria de Arte/Folhapress

Segundo o ministro, foi um "crescimento de qualidade", puxado por investimentos, que apresentou alta de 6,3%.

"Isso significa que a indústria e agricultura adquiriram máquinas e equipamentos, se tornaram mais produtivos, e o aumento de produtividade terá consequências para 2014."

De acordo com o ministro, o investimento deve manter trajetória crescente em 2014, estimulado pelas concessões de projetos de infraestrutura, como estradas e aeroportos.

INDÚSTRIA

A indústria, que teve um desempenho fraco em 2013, produzindo apenas 1,3% mais do que no ano anterior, foi impactada pela crise internacional e pela falta de mercados internacionais, afirmou Mantega.

Já o agronegócio, um dos destaques da expansão em 2013, com crescimento de 7%, não sofreu tanto os impactos da turbulência cambial e das mudanças nos fluxos de capital, motivadas, entre outros fatores, pela desaceleração do crescimento da China e a retirada de estímulos feita pelo banco central americano.

Editoria de Arte/Folhapress

"É difícil que caia o consumo de commodities agrícolas para alimentação, e o Brasil é um grande exportador de commodities agrícolas. Tivemos safras melhores, a produtividade do setor continua subindo."

PREVISÕES

Mesmo com os dados surpreendentes, o governo mantém sua projeção de crescimento para 2014 em 2,5% - uma perspectiva otimista, tendo em vista a expectativa do mercado de crescimento de 1,7%.

Mas é possível fazer revisões, "de acordo com a dinâmica da economia ao longo do ano".

Tombini avalia que as mudanças na composição da demanda e da oferta "fortalecem as perspectivas de continuidade do atual ciclo de crescimento neste e nos próximos anos, processo este que tende a se apoiar nos sólidos fundamentos da economia brasileira, na robustez do mercado interno e no ambiente de intensificação da atividade global".

Mantega voltou a afirmar que não haverá novas desonerações em 2014, e que os estímulos concedidos ainda estão fazendo efeito.

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Envie sua notícia

Publicidade
Publicidade A Economia da Desigualdade

Livraria da Folha

As 100 Melhores Cervejas Brasileiras
Mauricio Beltramelli
De:
Por:
Comprar
O Capital no Século XXI
Thomas Piketty
De:
Por:
Comprar
Trabalho Interno (DVD)
Charles Ferguson
De:
Por:
Comprar
Pablo Escobar
Alonso Salazar Jr.
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página