Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Ricardo Balthazar: O tombo de Eike

Publicidade

SÃO PAULO - Há pouco mais de um ano, ao visitar as obras de um porto construído pelo empresário Eike Batista em São João da Barra (RJ), Dilma Rousseff saudou-o como um exemplo para o país. "É uma pessoa que delimita o seu sonho de uma forma extremamente ambiciosa e busca cumpri-lo e busca realizá-lo", discursou a presidente. Eike merecia o "orgulho" dos brasileiros, assim como "toda a atenção e todo o suporte" do governo, Dilma acrescentou.

Na semana passada, Eike corria para administrar o desmoronamento do seu império. Com duas empresas à venda e outras duas ameaçadas de fechar as portas, Eike terá que se desfazer de parte da sua fortuna pessoal para pagar as dívidas que acumulou com bancos públicos e privados.

Os negócios de Eike estão esfarelando porque os investidores que ajudaram a financiar suas aventuras perceberam que haviam apostado numa fantasia e, agora que a ficha caiu, decidiram guardar o talão de cheques e cortar seu crédito.

Para infelicidade de Eike, seu império foi ao chão num momento em que não pode mais contar com outro grande parceiro, o governo. Com dificuldades para arrumar a economia e ao mesmo tempo responder à insatisfação nas ruas, a última coisa que Dilma parece disposta a fazer é socorrer um tubarão em apuros.

O governo federal sempre contribuiu para alimentar o otimismo em torno dos planos de Eike, liberando mais de R$ 10 bilhões em empréstimos do bom e velho BNDES e incentivando a Petrobras e outras empresas a se associarem a seus projetos. Nos últimos dias, porém, não se ouviu em Brasília nem mesmo uma palavra de consolo para o empresário.

É melhor que seja assim. As passeatas de junho encerraram a era de otimismo em que o espírito audacioso de Eike podia ser vendido como um modelo para o país. Se ele quiser continuar servindo como inspiração nos novos tempos, terá que enfrentar suas dificuldades sozinho, sem esperar novos favores do governo.

Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Publicidade Cine Livraria Novo

Envie sua notícia

Publicidade

Livraria da Folha

O Estado Empreendedor
Mariana Mazzucato
De:
Por:
Comprar
Economia Nua e Crua
Charles Wheelan
De:
Por:
Comprar
O Fim do Brasil
Felipe Miranda
De:
Por:
Comprar
Matar Alguém
Roger Franchini
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página