Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
Publicidade
Escândalo na Petrobras

PF prende ex-diretor da Petrobras em operação contra lavagem de dinheiro

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS
Publicidade

A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira (20) o ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, no Rio de Janeiro. Ele foi preso por tentar destruir provas e documentos, que o envolviam em um suposto esquema de lavagem de dinheiro.

Costa também é investigado pelo Ministério Público Federal no Rio por supostas irregularidades na compra pela Petrobras da refinaria de Pasadena, no Texas, em 2006.

No final da manhã desta quinta, Costa foi detido por investigadores da Operação Lava Jato da PF, que apura esquema de doleiros que movimentou, de forma suspeita, R$ 10 bilhões. Ele é suspeito de ter ganho um carro de um dos doleiros.

Daniel Marenco/Folhapress
O ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, sai do IML, na zona norte do Rio
O ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, sai do IML, na zona norte do Rio

A PF identificou que parentes dele estariam destruindo documentos na empresa que ele abriu depois que deixou a Petrobras. Costa está prestando depoimento neste momento na sede da Polícia Federal no Rio, na praça Mauá (centro). Na sequência, ele fará exame no IML (Instituto Médico Legal) e será transferido para o presídio Ary Franco, em Água Santa, na zona norte do Rio. A Folha ainda não localizou os advogados de Costa para falar sobre a prisão.

A operação foi deflagrada na última segunda-feira (17) em seis Estados e no Distrito Federal (DF). Costa foi alvo de mandado de condução coercitiva. Foi à PF, prestou esclarecimentos e foi liberado. Contudo, como ele era um dos alvos da operação, a polícia identificou que o próprio ex-diretor e parentes dele estariam destruindo documentos na empresa que ele abriu depois que deixou a Petrobras.

A PF, então, conseguiu autorização judicial para cumprir três mandados de busca em endereços ligados a Costa e, também, a prisão temporária dele. Durante a busca, foram apreendidos R$ 700 mil e US$ 200 mil do ex-diretor da Petrobras, além do carro.

Segundo a PF, 17 suspeitos já estão presos em Curitiba (PR). A investigação começou depois que a polícia identificou o contato de um doleiro em Brasília com empresas ligadas a assessores do ex-deputado federal José Janene, um dos réus do mensalão, morto em 2010.

A polícia afirma que praticamente todos os presos já foram investigados, denunciados ou condenados por crimes como lavagem, evasão ou remessa ilegal de divisas. De acordo com a polícia, os doleiros presos são investigados por lavar dinheiro do tráfico de drogas, de contrabandistas de diamante extraídos na reserva indígena dos Cinta-Larga (divisa do MT com RO) e também de obras de engenharia de grandes empreiteiras.

PETROBRAS

O ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa também é investigado pelo Ministério Público Federal no Rio por supostas irregularidades na compra da refinaria de Pasadena, no Texas, pela Petrobras em 2006.

Indicado pelo PP ao cargo de diretor da Petrobras, ele deixou o posto em 2012. Abriu uma consultoria e uma empresa de capital nacional e norte-americano de refinarias pré-moldadas. Paranaense, Costa foi indicado pelo ex-deputado federal José Janene (PP), falecido em 2010.

A compra da refinaria é investigada pelo Tribunal de Contas da União, Ministério Público do Rio e pela Polícia Federal. A principal polêmica é o preço do negócio: o valor que a Petrobras pagou em 2006 à Astra Oil para a compra de 50% da refinaria é oito vezes maior do que a empresa belga havia pago, no ano anterior, pela unidade inteira.

Executivos da Petrobras disseram à Folha que a presidente Dilma e todo o Conselho Administração da estatal tinham à disposição, em 2006, o processo completo da proposta de compra de uma refinaria americana, que se mostrou, mais tarde, um "mau negócio", segundo a própria empresa.

Quando era ministra e chefiava o conselho, Dilma deu apoio à aquisição. Desde 2006, a empresa gastou US$ 1,19 bilhão na usina de Pasadena. Em 2013, recebeu uma oferta de US$ 180 milhões, mas não a vendeu, mantendo-a até hoje.

Ao jornal "O Estado de S. Paulo", que revelou o voto de Dilma a favor da compra, a presidente disse em nota ter apoiado a medida porque recebeu "informações incompletas" de parecer "técnica e juridicamente falho". Dilma afirmou ainda que, se todas as cláusulas fossem conhecidas, "não seriam aprovadas pelo conselho".

OUTRO LADO

O Planalto disse que a Petrobras abriu em 2008 "procedimento de apuração de prejuízos e responsabilidades". Porém, em setembro último, a estatal relatou ao Congresso que a compra não "foi objeto de apreciação por órgão de controle interno". O Planalto informou ainda à Folha que a presidente só teve conhecimento das duas cláusulas que elevaram o preço do negócio em 2008. Questionado se ela não requisitou o processo completo, o governo informou simplesmente que "ela não teve acesso".

A Petrobras não quis fazer comentários oficiais sobre o caso. Tanto a atual presidente da Petrobras, Graça Foster, como seu antecessor, José Sérgio Gabrielli, que comandava a estatal na época do negócio, defenderam a operação no Congresso em pelo menos três ocasiões em 2013.

Em maio do ano passado, Foster afirmou que o debate no Conselho de Administração da Petrobras é sempre intenso e a preparação para uma reunião toma "semanas de discussão". Foster não era titular do conselho na época da compra, mas afirmou que participou de algumas reuniões nos últimos 15 anos como "assistente".

Por meio de nota, a defesa do ex-diretor da Petrobras informou que está ingressando com pedido de habeas corpus para garantir a liberdade de Costa, que está com a prisão temporária decretada.

Ainda segundo a nota, o advogado Fernando Fernandes, que defende Costa, classifica a prisão como injusta. A defesa afirma que o ex-diretor confirma que recebeu o carro do homem apontado como doleiro pela PF como forma de remuneração "porque [o doleiro Alberto] Youssef não efetuou o pagamento pelos serviços prestados por Paulo Roberto". A nota não esclarece qual foi o serviço prestado.

Editoria de Arte/Folhapress
Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Envie sua notícia

Siga a folha

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Box - As Eras
Eric Hobsbawm
De:
Por:
Comprar
A Filosofia Explica Grandes Questões da Humanidade
Clóvis de Barros Filho, Júlio Pompeu
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página