Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
Poder e Política

Marina acena ao mercado e promete autonomia para o BC

Publicidade

Maria Alice Setubal, a Neca, coordenadora do programa de governo de Marina Silva, afirma que a candidata a presidente pelo PSB reafirmará os compromissos feitos anteriormente por Eduardo Campos (morto no último dia 13) a respeito de conceder autonomia formal, por lei, ao Banco Central.

http://www3.uol.com.br/module/playlist-videos/2014/neca-setubal-no-poder-e-politica-1408673905097.js

Em entrevista à Folha e ao UOL, Neca disse que ao longo da campanha mais economistas "estarão se aproximando" e terão mais o perfil de "operadores" do mercado, para compensar a característica mais acadêmica da maioria dos atuais conselheiros de Marina nessa área -papel no momento de Eduardo Giannetti e André Lara Resende, entre outros.

Essa é uma tentativa de Marina se qualificar como uma candidata confiável aos olhos do establishment financeiro e empresarial. O programa de governo da campanha presidencial do PSB deve ser lançado no próximo dia 29. A candidata também estuda fazer um discurso ou um documento mais sucinto a respeito de seus compromissos na área econômica.

Na entrevista, Neca disse que a meta de inflação anual num eventual governo Marina Silva permanecerá em 4,5%, mas será perseguida uma política que permita fixar o percentual em 3% a partir de 2019.

Neca tem 63 anos e é uma das acionistas do Banco Itaú. Tornou-se amiga de Marina Silva desde a campanha de 2010. Com que frequência conversam? "Quase todo dia. A gente se fala por telefone bastante".

A partir da consolidação de Marina como candidata a presidente, revela Neca, cresceram as ofertas de doações. "Acho que é o pragmatismo, saiu a primeira pesquisa...", filosofa.

Sobre o risco de paralisia política no início de uma eventual administração federal marinista, por causa do pouco apoio no Congresso, a avaliação da coordenadora do programa de governo é que "o PSB é um partido que não é tão pequeno assim". E haverá alianças. Cita alguns acertos eleitorais neste ano nos Estados "já com o PMDB". E fala que Marina "tem certeza que muitas pessoas do PSDB e do PT vão estar fazendo parte do governo, no Executivo".

Ao analisar o que considera erros do governo Dilma, faz a seguinte avaliação: "Ela tem uma incapacidade de ouvir. Desagrega. Acho que a Dilma reproduz uma liderança masculina. É aquela pessoa dura, que bate na mesa, que briga, que fala que 'eu vou fazer, eu vou acontecer, eu sei'. Isso é, no estereótipo, uma liderança muito mais patriarcal do masculino, do coronelismo brasileiro".

A seguir, trechos da entrevista:

*

Folha/UOL - Como foi a semana depois da morte de Eduardo Campos até a escolha formal de Marina Silva como candidata a presidente?
Neca Setubal - Foi uma das semanas mais intensas que vivi em toda a minha vida.
A convivência com o Eduardo [Campos] durante todo esse tempo tinha sido muito intensa. Nós aprendemos a gostar muito do Eduardo, a respeitar, a admirar.
Tem vários depoimentos de pessoas que tinham se afastado e que aos poucos, vendo o Eduardo, convivendo com o Eduardo, começaram a voltar a ficar mais próximos.
A Marina ficou completamente derrubada nesse momento [da morte], pela relação que ela tinha construído com o Eduardo. Apesar de toda a imprensa relatar muitas intrigas, para as pessoas que me perguntavam eu sempre falava: "Acho que tem diferença, especialmente das equipes locais, mas ela e o Eduardo têm uma sintonia impressionante". Era incrível a sintonia dos dois. Havia complementaridade, respeito e admiração.
Foi um impacto muito grande. Nos dois, três primeiros dias, houve uma imobilização, realmente, de luto.

Na quarta-feira [20.ago.2014], houve alguns momentos de tensão entre os grupos do PSB e da Rede?
Talvez tenha havido tensão interna no PSB, mas de grupos. Eu não sou tão ligada às questões partidárias, não acompanho isso. Não sei dizer [se houve tensão]. Da Rede, nenhuma. Nenhuma no sentido de que nós nos recolhemos. Obviamente, a gente achava que isso [Marina ser candidata a presidente] iria acontecer. Ela não teria como não ser. A gente também acreditava que o PSB não tinha como não lançá-la como candidata.

E no plano dos assessores? Houve a nomeação de Walter Feldman como coordenador. Antes, era Carlos Siqueira. Aí houve tensão?
O Carlos Siqueira é muito ligado ao Eduardo. Acho que desde sempre ele já era ligado ao Miguel Arraes. Ele está muito sensibilizado ainda. Como todos. Houve um certo desentendimento dele em relação ao desejo da Marina tê-lo como coordenador. A Marina sempre teve uma relação muito próxima ao Carlos Siqueira. A mudança para o Walter Feldman é porque agora, como a campanha tem um novo CNPJ, a coordenação financeira precisa estar ligada com a Marina, porque ela será a responsável -junto ao PSB, logicamente.

A partir de agora, a regra para receber doações terá as restrições impostas pela Rede, que rejeita dinheiro de algumas empresas, como a do setor de fumo, por exemplo?
Isso ainda não foi discutido. Acredito que em 2010 a Marina não recebeu doações da indústria do tabaco e de armas. Obviamente, com Eduardo teve outra conotação. A campanha já [doações] recebeu de [empresa de] bebida alcoólica. Não sei se de agrotóxico, talvez tenha alguma restrição. Mas eu não sei. Eu acredito que não terá de bebida alcoólica.

No caso de tabaco, se houve alguma doação como é que será tratado?
Bom, aí já foi. Agora vai zerar tudo e vai começar de novo. É outro CNPJ.

Como fica o programa de governo preparado em conjunto por você, pela Rede, e por Maurício Rands, pelo PSB? Temas como legalização do aborto e descriminalização da maconha estarão mencionados?
O programa não entra em nenhum desses dois temas.
Temos um tópico sobre política de drogas, de "drogadição", dentro da área de saúde. Acreditamos que não seja um tema de segurança, mas de saúde, e está dentro dessa área mais em termos de prevenção, de recuperação. Não entramos na questão da descriminalização da maconha, nem a favor nem contra.
Em relação ao aborto, temos no programa um eixo que trata das questões de cidadania e identidades. O foco desse eixo é a questão dos direitos humanos. Vamos tratar todas essas questões relativas às mulheres, relativas à saúde LGBT, em termos de direitos humanos, mas também não vamos entrar especificamente nessa questão. Ninguém é a favor do aborto, mas a favor de dar suporte às mulheres nessas situações.
E tanto a Marina quanto o Eduardo já haviam se pronunciado sobre isso.

Legalização do aborto não é uma questão mencionada?
Não, não é mencionada. Não mencionamos esse termo. Mas está tratada em todas as questões que envolvem mulheres e apoio às mulheres e contra a violência.

Haverá menção a mulheres que por eventualidade tenham praticado aborto e têm que receber apoio do Estado para um tratamento?
Acho que isso sim. Isso sim. Está mencionado. Nesse caso, o SUS deve atender as mulheres.

E para drogas o foco é no tratamento daqueles que são dependentes?
No tratamento e na prevenção. Exatamente.

A sua posição pessoal sobre esses dois temas é mais liberal do que era a de Eduardo e do que é de Marina?
Em relação ao aborto, sou a favor. Acho que é um direito das mulheres. Acho que isso deveria ser liberado.
Em relação às drogas, não tenho uma posição. Acho muito complexo.

Eduardo Campos falou várias vezes que a meta de inflação seria perseguir 4,5% nos próximos quatro anos para assumir uma meta, de 3%, a partir de 2019. Isso vai estar explicitado no programa?
Vai.

Dessa forma?
Dessa forma. Exatamente. A meta de inflação vai para o centro, para 4,5%, ao longo do governo de quatro anos. Para depois chegar a 3%. Isso está explícito.

Economistas ortodoxos e alguns do governo dizem que para reduzir a inflação ao longo de quatro anos nesse nível seria necessário aumentar juros e produzir desemprego no país. Esse tema é tratado no programa?
Não dessa forma, não vai dizer. Acho que não existe "vou aumentar juros". Nenhum programa vai colocar dessa forma.
O capítulo de economia tem um olhar que combina com uma parte da gestão de recursos naturais. Busca-se um diálogo com o desenvolvimento sustentável.
O Eduardo [Campos] tinha um compromisso com o social. Ao mesmo tempo que enfatizava a gestão, nunca perdia de vista o compromisso com a questão social. Ele dizia que conseguiria compor: trazer a inflação [para o centro da meta] e ter responsabilidade fiscal. No programa de governo tem o que ele falou. Ele já havia falado de ter um conselho de fiscalização.

Marina, como o programa já está pronto, concordava com todos esses pontos e vai assumi-los?
Vai assumi-los. Vai assumir todos os programas. Ela tinha se posicionado em alguns pontos de uma forma diferente do Eduardo. Por exemplo, o caso do Banco Central. Ela achava que não era necessário ter uma autonomia formal do Banco Central. Ela não achava que precisaria...

De uma lei...
...De uma lei para dar mais autonomia. Mas acho que são os consensos. Existiam diferenças e o programa reflete o que é de consenso. Então ela, enfim, aceitou isso.

No caso do Banco Central, como Eduardo propunha autonomia, mandatos para o presidente e diretores, isso tudo está mantido e será assumido por Marina?
Será assumido pela Marina. A declaração dela é que vai assumir todos os compromissos do Eduardo.

No caso do Banco Central, uma lei seria proposta?
Muitas vezes, Marina falava: "Bom, isso não era a minha posição, mas essa foi a posição do Eduardo e a gente concordou com isso". Então, ela vai assumir essas posições.

A autonomia do Banco Central?
É.

Há no programa alguma explicação objetiva sobre como fazer para que a inflação recue para o centro da meta de 4,5% ao ano?
Nesse detalhe, não. Mas o programa foca pontos muito claros.
Destaca metas da inflação, o tripé [macroeconômico]. Destaca muito fortemente a reforma tributária, a responsabilidade fiscal muito grande da qual o Eduardo falava. Marina manterá isso. Nos primeiros meses [de governo], Eduardo falava, entregaria ao Congresso uma proposta de reforma [tributária] que se daria ao longo do governo dele. Isso será mantido, está no programa de governo.

Mas como será possível baixar a inflação, manter os programas sociais, ampliando até alguns programas e ter responsabilidade fiscal?
A gente tem sempre que se reportar ao Eduardo, principalmente nesses temas macroeconômicos. A história dele é de muita coragem. Arriscava. Ele trazia para as pessoas o resultado dele em Pernambuco. Claro, Pernambuco é um Estado pequeno, obviamente. Mas em Pernambuco ele conseguiu virar a história, em termos de desenvolvimento econômico.
O que ele havia passado a falar ultimamente é que todo mundo perguntava de onde iria tirar os recursos para a educação integral de ensino médio, para o passe livre -que custa R$ 12 bilhões por ano-, o ensino integral custa R$ 20 bilhões. Ele falava: "Então, e os R$ 50 bilhões da energia por causa do rombo que aconteceu? E quando a taxa Selic aumenta 0,5 ponto percentual, que significa R$ 15 bilhões na dívida?".
Essa era a fala dele. Não sei como a Marina vai construir essa narrativa.

Há em geral uma dúvida no establishment a respeito de Marina. Eduardo Campos foi governador de um Estado por oito anos. Tinha experiência administrativa. Marina Silva não tem. Como ela responderá a essa crítica?
Acho que é muito relativo. Hoje, temos uma presidente cujo perfil é de gestão, pragmático, racional. Talvez o oposto da Marina. E o resultado que nós temos é bastante insatisfatório. Toda essa fala da Dilma gestora se desfez ao longo de quatro anos.
Mesmo os números de entrega do PAC são muito abaixo [do esperado].
Fernando Henrique tinha pouca referência de gestão. O Lula acho que nenhuma, menos ainda que Marina -que foi por quase oito anos, sete anos, ministra do Meio Ambiente, além de senadora.
Eu entendo que o mercado se preocupe. Aí a complementaridade Eduardo e Marina era uma coisa muito bacana, muito boa. Mas isso para mim, realmente, não é um problema. Por que não é um problema? Pelos exemplos que eu dei anteriores, e porque acho que a principal qualidade do presidente da República é liderança, é ter uma visão política. No Brasil não faltam técnicos bons. A questão é ter um olhar técnico com uma visão política.
Tem que ser competente, lógico. Mas tem que ter uma visão política e tem que ter uma visão, uma liderança. Escolher as pessoas certas. E aí a Marina, diferentemente do Eduardo, cada um com seu estilo, a Marina é uma pessoa que trabalha em equipe. O Eduardo era uma pessoa muito mais centralizadora. A Marina é uma pessoa de equipe.

Vai ser necessário que no lançamento do programa de governo Marina faça uma síntese de compromissos na área macroeconômica?
Talvez. Vamos começar a trabalhar amanhã [22.ago.2014], o Maurício [Rands] e eu, sobre como vamos fazer o lançamento.

Está segura de que Marina vai assumir todos os compromissos expressados por Eduardo?
Vai, certeza. O mercado visualizando as pessoas que estão ao lado dela vai ter muito mais segurança. Ela já tem vários economistas. Terá outras, mais operadoras. Tem [Eduardo] Giannetti, André Lara Rezende, Eliana Cardoso, José Eli da Veiga. São economistas que têm um olhar mais acadêmico. Eles já dão um certo aval para o mercado -embora eu entenda que não seja suficiente porque eles são mais teóricos. Acredito que ao longo da campanha nós vamos ter outras pessoas que estarão se aproximando, que são mais, vamos dizer, operadores.

E ela própria, a candidata Marina Silva, fazendo uma declaração mais específica sobre economia?
Isso sem dúvida.

Eduardo Campos defendia o fim da reeleição, mandatos de 5 anos coincidentes para todos os cargos executivos e legislativos. Isso está no programa?
Está. Explicitamente desta forma. Marina é contra a reeleição completamente.

Hoje, o Brasil tem eleição a cada dois anos. Nesse formato proposto, haverá só uma vez a cada cinco. Marina tem opinião a respeito desse aspecto da mudança?
Acho que não é por aí. Por quê?
A Marina personifica muito a nova política. A nova política que está em construção traz embutida uma maior participação da sociedade, ao longo dos anos. A eleição é um aspecto, claro. Talvez o mais importante. Mas está implícito que ao longo dos anos os cidadãos teriam muito mais possibilidade de participação, participação virtual, vindo de diferentes ferramentas que existem hoje.

Isso está no programa?
Está.

De que forma será essa participação ao longo do mandato de uma eventual presidente Marina Silva?
Inovação na democracia digital. Plebiscitos. Referendos.
Esta nova forma de participação que os jovens estão fazendo, todos esses vários aplicativos. Trabalhar com transparência nas contas públicas, acompanhando.
Eu sei que parece muito idealismo, "imagina romper com isso...".

Tem alguma ferramenta descrita, objetivamente, sobre a maior participação popular?
Como seria alguma ferramenta não tem. Mas existe uma discussão, uma análise sobre isso.

Seria mais desejável ter mais plebiscito, referendo?
Isso está explicitado.

É mais democracia direta...
Mas com respeito aos partidos. Não é uma posição alternativa ao sistema político.
Mas esse sistema político, no mundo, foi cunhado no século 19. Não dá, realmente, conta. Nós estamos em uma transição. Não está claro como será a nova forma de participação, mas é um momento no mundo de discussão desse sistema.

Uma das dúvidas a respeito da eventual eleição de Marina Silva é como ela lidará com o Congresso Nacional. Haverá um impasse?
Nós acreditamos que é possível fazer diferente e que tem que ser feito diferente e que isso não vai ser feito do dia para a noite.

Mas em um primeiro momento? Para não haver uma paralisia.
Teve o Itamar Franco [1930-2011; presidente de 1992 a 1995], que também teve problemas. Primeiramente, o PSB é um partido que não é tão pequeno assim. Você tem as alianças. Algumas alianças já com o PMDB. A Marina aposta nisso que o Eduardo também apostava. Ela tem certeza que as pessoas, que muitas pessoas do PSDB e do PT vão estar fazendo parte do governo, no Executivo.
Agora, na Câmara acho que vai precisar muito diálogo mesmo. Aí uma pessoa como o Beto [Albuquerque] vai ser fundamental.

Beto Albuquerque?
Beto Albuquerque. Uma pessoa do diálogo, uma pessoa que sabe transitar nas diferenças, nos diferentes partidos, uma pessoa como Walter Feldman, que tem também experiência na Câmara.

Só que dentro do Congresso tudo funciona muito na base das alianças formais...
E das bancadas específicas.

Exato. Digamos que a bancada do PMDB aceite apoiar o governo mas peça o Ministério dos Transportes. Esse tipo de negociação é viável num governo Marina Silva?
Acho que não dessa forma.

Seria como?
Acho que a Marina vai negociar e discutir em termos de programa. Se o partido se comprometer com o programa de governo, acho que a discussão vai ser dentro dessa linha.

O partido teria de dizer "eu concordo com o programa da presidente Marina Silva" e daí participa do governo?
Acho que vai ter discutir. Dando um exemplo, no caso dos Transportes, vai ter que entrar na proposta de transporte. Como que o partido vai se colocar em relação a isso? Tenho certeza que será assim. Certeza.
Claro que isso não vai mudar do dia para a noite. Não é possível. Mas a Dilma hoje tem uma coligação enorme. Tem 12 minutos na televisão e não consegue aprovar muitos dos projetos de lei que ela quer aprovar.
Acho que é possível uma nova forma de acordo. Claro que tem que ter acordos. Faz parte da política. A Marina é uma política antes de qualquer outra coisa. Marina é uma pessoa política. Todo o olhar dela -eu vejo isso muito porque eu não sou. Não venho dessa área. Para mim é muito claro enxergá-la dessa forma. Toda decisão dela, as falas dela, tudo isso é dentro de uma visão do político. E quando ela insistiu na criação da Rede é porque ela acredita na reforma política como a primeira reforma. Ela acredita que é por aí: se não passar pelo político nós não vamos mudar.

Mas muitos acreditam que o início de um eventual governo Marina Silva terá uma certa paralisia no país. Esse risco existe?
Acho que não. Estamos vivendo um momento histórico brasileiro, absolutamente inédito.
Ontem [20.ago.2014], Marina falou uma coisa que me fez sentido. Toda a homenagem feita pela sociedade e a comoção com a morte do Eduardo, embora a maioria das pessoas nem o conhecessem, foi uma demonstração de que as pessoas têm um respeito pela política. Não é que ninguém quer saber de política e que política não faz parte da vida. Mas que quando se apresenta uma liderança política, essa liderança política é homenageada.
Estou querendo dizer que acredito que isso tudo que aconteceu, com a morte do Eduardo, que nós estamos respondendo às manifestações de 2013.
A governabilidade vai existir como existiu ato contínuo depois do movimento [de junho de 2013]. Votou-se e se aprovou sei lá quantas medidas que estavam engavetadas, em uma forma de pressão.
É lógico que depois vai depender da capacidade da Marina, caso eleita, e de sua equipe.

Quais foram os principais erros do governo Dilma Rousseff?
Quando a Dilma assumiu, fiquei com uma esperança. Achei aquela posse uma coisa digna. As primeiras falas. Nos primeiros meses eu tinha mudado a minha percepção em relação a ela, achando que ela ia acontecer.
Ao longo do tempo, no meu entendimento, o principal problema do governo Dilma é a questão política. Acho que ela tem uma incapacidade de ouvir. Tem um discurso absolutamente racional, de uma gerente, gestora.
É bom ser gestora, mas gestora tem que ter liderança. Acho que ela não tem essa capacidade política, de ouvir e de agregar as pessoas. Ela desagrega. Essa centralização e falta de visão política, no meu entendimento, fazem com que ela queira estar em todos os ministérios. É impossível ela conseguir gerir todos os ministérios. Fica fazendo coisas erráticas e sem planejamento. Acho que são essas as principais dificuldades. Incapacidade política, uma incapacidade de ouvir.

E de liderar, seria isso?
E de liderar, exatamente.

Há uma declaração sua dizendo que Dilma reproduz um modelo masculino dentro do governo. O que é isso exatamente?
O século 21 é o século do novo. Está nos colocando o desafio de construir uma nova sociedade. A construção de uma nova sociedade é um olhar muito mais feminino. A mulher é que dá à luz. Esse olhar feminino tem que ser diferente, não é o mesmo olhar do masculino. Tem que saber equilibrar o masculino e o feminino. Todos nós temos o masculino e o feminino.
É uma visão e uma ação. Não é só o olhar, mas é uma atuação. Você tem que saber ouvir, saber acolher, saber ser criativo, saber lidar com os diferentes, e com o inusitado. E saber acompanhar. E ao mesmo tempo tem que ter muita firmeza. Não é uma coisa mole, chorosa. Muita firmeza, muita determinação. Tem que ter esse equilíbrio.
Acho que a Dilma reproduz uma liderança masculina. Claro que tudo isso é radical, óbvio. Um bom líder tem que ter sempre os dois mecanismos. A Dilma é aquela pessoa dura, que bate na mesa, que briga, que fala que "eu vou fazer, eu vou acontecer, eu sei". Isso é, no estereótipo, uma liderança muito mais patriarcal do masculino, do coronelismo brasileiro, do político tradicional que vai resolver tudo sozinho.

As atitudes e a forma de governar da presidente evocariam uma forma de governo antiga?
É isso.

Há uma crítica recorrente sobre a criação da Rede Sustentabilidade: se Marina Silva foi incapaz de fundar um novo partido, porque deixou para fazer muito em cima da hora, como conseguirá governar o país?
Um ponto que eu acho que foi verdadeiro que foi muito em cima da hora. Foi, assim, no tempo limite.

Exato.
Isso é um ponto realmente. E por que não foi antes? Não foi antes porque a Marina não queria sair do PV e entrar em um outro partido sem saber qual era aquela base. Ela sempre falava: "Eu não posso pular no escuro, nós temos uma base para criar um novo partido?".
Porque você tinha uma base do PV que não se confirmou. Era então preciso construir essa base.
Precisava se consolidar uma base que tornasse possível a criação do partido. Outros partidos que não têm base nenhuma, zero, foram criados na base burocrática. Não era o que a Marina queria.
Marina queria criar um partido orgânico. É um partido orgânico porque tem diretórios em todo o país, tem uma militância, mas não se concretizou na questão burocrática que os outros concretizaram.

Com a Marina candidata a presidente, como vai ser a arrecadação de fundos para a campanha? Vai ser melhor ou pior do que estava sendo com Eduardo Campos?
Vai ser melhor, com certeza.

Por quê?
Porque a gente já está vendo isso. Porque eu fiquei até chocada, para dizer bem a verdade.

Mas por quê?
Não sei. Mas o que eu quero dizer é assim... Acho que é o pragmatismo, saiu a primeira pesquisa...

Pelo fato de ela ser mais competitiva, pelo menos nesse momento do que estava sendo Eduardo?
Sim, pela pesquisa, só por isso.

Houve um aumento...
A procura.

De possíveis doadores?
Isso. Agora, várias pessoas da Rede receberam telefonemas de pessoas, empresas, que estão interessadas em fazer doação.

Se Marina Silva vier a ser eleita a presidente da República você gostaria de ajudar participando do governo? Com um cargo?
A gente nunca discutiu cargo. Ainda mais com a Marina. Mas eu certamente estarei ao lado dela. Não sei como, mas certamente estarei.

E se ela te convidar para participar em algum cargo, você estaria à disposição de ajudá-la?
Estaria à disposição.

A sua família, a família Setubal, é acionista do Banco Itaú. O Itaú tem relações com o governo. Teve uma autuação da Receita Federal e recebeu uma multa de um valor altíssimo, quase R$ 19 bilhões. Se você vier participar do governo, haveria conflito de interesses?
Acredito que não porque eu sou acionista do Banco Itaú. Logicamente, faço parte da família, mas eu nunca ocupei nenhum cargo no banco nem no Itaú Social. Nunca participei. Participo do Conselho Consultivo que não é nem deliberativo.
Outro dia eu estava com meus irmãos e a gente estava conversando. O Brasil foi outro Brasil. Pensar que meu pai [Olavo Setúbal, 1923-2008] foi convidado a ser presidente do Banco Central, ele não aceitou, na época do [governo] João Figueiredo [1918-1999]. Imagine que conflito de interesse seria. Mas se passava naquela época. Ditadura. E outra coisa: o José Carlos Moraes de Abreu, que era presidente do banco, participava do Conselho Monetário Nacional [risos]. Outro mundo, né? Outro mundo. Isso que era conflito de interesse real.

O Banco Itaú vai contribuir com as campanhas neste ano?
Não sei. Imagino que já tenha até contribuído, mas não tenho certeza.

Na conversa com os seus irmãos esse assunto não surge?
É porque o banco, como todos os demais bancos, contribui com todos os candidatos.

O Supremo Tribunal Federal está para concluir um julgamento que vai resultar no veto a doações de empresas para partidos e para políticos. É uma boa providência?
Na minha opinião, devia ter um teto. Um teto para pessoa jurídica. Um teto, já tem, mas é altíssimo, de 2%, sei lá, do faturamento. Devia ter um teto muito mais baixo.

Como é sua relação hoje com Marina?
É muito próxima. Acho que desde 2010 a gente construiu uma relação muito próxima.

Falam por telefone? Com que frequência?
Ah sim, quase todo dia. Quase todo dia. A gente se fala por telefone bastante.

Vocês não se conhecem há muitos anos?
Não, desde só de 2010, 2009. Sou muito ligada a Oded Grajew, Guilherme Leal. Guilherme eu conheço desde a adolescência. Foi a partir daí que participei do movimento Brasil Sustentável, que lançou a Marina.
E foi uma relação que a gente teve uma identidade muito forte, as duas, com as vidas opostas. Acho que a Marina tem essa capacidade, embora todo mundo fale que ela seja intransigente, que ela não tem diálogo. Mas ela é a pessoa que eu conheço que tem essa capacidade de conversar com o Roberto [Setubal], meu irmão, e com outros e todo mundo.

Acesse a transcrição completa da entrevista

-

RAIO-X - NECA SETUBAL

IDADE
63 anos

ORIGEM
Filha de Olavo Setubal (1923-2008), um dos principais acionistas do banco Itaú

FORMAÇÃO
Ciências sociais, pela USP

CARGO
Pela Rede, coordenadora do programa de governo da campanha presidencial de Marina Silva

-

A seguir, os vídeos da entrevista (rodam em smartphones e tablets, com opção de assistir em HD):

1) Principais trechos da entrevista com Neca Setubal (10:50)

2) Marina dará autonomia ao BC e chamará operadores do mercado (2:42)

3) Com Marina, crescem doações para campanha, diz Neca Setubal (1:02)

4) Muitos do PT e do PSDB estarão no governo Marina, diz Neca (3:40)

5) Neca: Dilma não lidera nem equilibra masculino e feminino (3:24)

6) Nova política exigirá mais plebiscitos e referendos, diz Neca (3:11)

7) Neca: Aborto é tema de saúde para Marina, mas não será liberado (1:14)

8) Marina trabalha em equipe; Eduardo centralizava, diz Neca Setubal (2:11)

9) Se Marina vencer, estarei ao seu lado, diz Neca Setubal (0:33)

10) Ser acionista do Itaú não produz conflito de interesses, diz Neca Setubal (1:47)

11) Falo com Marina todo dia, diz Neca Setubal (1:26)

12) Quem é Neca Setubal? (1:48)

13) Íntegra da entrevista com Neca Setubal (72 min.)

Acompanhe Fernando Rodrigues no Twitter e no Facebook

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Envie sua notícia

Siga a folha

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Pizzolato
Fernanda Odilla
De:
Por:
Comprar
Prestes
Daniel Aarão Reis
De:
Por:
Comprar
As Ideias Conservadoras
João Pereira Coutinho
De:
Por:
Comprar
Assassinato de Reputações
Claudio Tognolli e Romeu Tuma Junior
De:
Por:
Comprar
Folha Íntegra
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página