Painel

Editado por Guilherme Seto (interino), espaço traz notícias e bastidores da política. Com Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel
Descrição de chapéu São Paulo

Em crise com fundação da TV Cultura, secretária de Tarcísio não vai a reuniões desde setembro

Marilia Marton diz que tinha 'outros compromissos'; emissora teme investida da gestão estadual

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Em pé de guerra desde o ano passado com a Fundação Padre Anchieta, que gere a TV Cultura, a secretária de Cultura de Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP), Marilia Marton, não participa de reuniões do conselho curador da instituição desde setembro.

Nesta quarta-feira (17), ela faltou ao quinto encontro consecutivo. Em outubro, foi representada em uma reunião por Marcelo Henrique de Assis. Desde então, a secretária não mandou mais assessores.

Um dos desgastes recentes da secretária com o conselho se deu devido à eleição de novos conselheiros, anunciada em fevereiro e realizada em março. Ela disse a aliados que não foi consultada, diferentemente dos demais conselheiros. Lilia Moritz Schwarcz, Djamila Ribeiro, Renata de Almeida, Antonia Quintão, Cristine Takuá e Gabriel Jorge Ferreira foram eleitos na ocasião.

Marilia Marton, secretária de Cultura de São Paulo, na abertura da mostra "Chaves: A Exposição", no MIS Experience
Marilia Marton, secretária de Cultura de São Paulo, na abertura da mostra "Chaves: A Exposição", no MIS Experience - Mathilde Missioneiro-5.jan.2024/Folhapress

Em nota, a Secretaria de Cultura afirma que Marton não conseguiu participar das reuniões do conselho "em razão de outros compromissos" e que todas as ausências foram "devidamente justificadas".

Reportagem da Folha mostrou que a TV Cultura, às vésperas de completar 55 anos, vive uma série de crises com o governo Tarcísio e seus aliados.

Publicamente, o discurso é de corte de gastos e aumento de eficiência. Nos bastidores, membros da gestão estadual e parlamentares bolsonaristas se incomodam com a independência da programação da emissora.

A briga de Marton com o conselho se intensificou em junho do ano passado, quando ela sugeriu a indicação do cineasta Josias Teófilo para o conselho. Teófilo é autor de um documentário sobre o escritor e guru do bolsonarismo Olavo de Carvalho.

A reação negativa foi forte por parte dos conselheiros, e Marton decidiu fazer a indicação de Aldo Valentim, ex-secretário nacional de Economia Criativa e Diversidade Cultural do governo Bolsonaro e atual secretário de Cultura de Osasco, na Grande São Paulo.

Numa reunião do conselho em junho, o clima foi pesado, e a secretária de Cultura de Tarcísio se queixou do veto ao cineasta, o que considerou uma falta de abertura para a diversidade.

Posteriormente, em setembro, em nova reunião, a secretária tentou intimidar conselheiros, dizendo que iria descobrir quem havia vazado para a coluna Painel a informação sobre a indicação que ela havia feito de Teófilo.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.