Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
26/06/2012 - 16h57

Secretaria afasta professora que sugeriu cintada em aluno em SP

Publicidade

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

A Secretaria de Educação de Sumaré ( a 118 km de São Paulo) decidiu afastar a professora que enviou um bilhete aos pais de um aluno de 12 anos orientando-os a dar cintadas e varadas para educá-lo. Ela ficará sem dar aulas até a conclusão da sindicância interna, que pode durar até 180 dias.

Professora 'orienta' pais a dar cintadas em aluno

Inicialmente, a prefeitura havia informado que iria oferecer um afastamento de licença médica para a professora, mas a assessoria afirmou que a secretaria mudou de posição "para que o processo de sindicância ocorra sem problemas e para que a professora possa se defender tarnquilamente".

Representantes da escola fizeram uma reunião hoje com os pais do garoto. A docente da escola municipal José de Anchieta, que não teve o nome informado, abonou o dia de hoje.

Ela enviou aos pais do aluno um bilhete, em papel timbrado da escola e escrito à mão, pedindo que os eles conversem com o garoto e, se isso não resolver, que partam para a agressão. "Se a conversa não resolver. Acho que umas cintada vai resolver (sic)", diz o recado.

Segundo os pais, o menino teve diagnóstico de dificuldade de aprendizagem há dois anos. Ele está na 5ª série e passa por acompanhamento psicológico. A família diz ainda que o garoto sofreu bullying dos colegas após ter sido criticado pela professora.

A Secretaria de Educação da cidade informou ainda que a direção da escola não sabia do envio do bilhete, que, pelas regras, deveria ter passado pela orientação ou coordenação, antes de ser entregue aos pais.

Reprodução
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página