Mais de metade dos adolescentes acompanhados no SUS se alimenta mal, diz estudo

Em 2017, 55% afirmaram consumir produtos como macarrão instantâneo, salgadinhos e biscoitos

Brasília

Mais de metade dos adolescentes acompanhados pelo SUS têm se alimentado mal, apontam dados do Ministério da Saúde divulgados nesta terça-feira (16).

Levantamento feito pela pasta mostra que, em 2017, 55% dos adolescentes informaram consumir no dia a dia alimentos industrializados como macarrão instantâneo, salgadinho de pacote e biscoitos salgados.

Meninas e meninos aprendem sobre alimentos no Centro de Recuperação e Educação Nutricional da Unifesp - Karime Xavier/Folhapress

Do total, 43% também afirmaram ter hábito de consumir biscoitos recheados, doces e guloseimas, e 42% hambúrgueres e embutidos.

Os dados, com base em amostra de 101 mil adolescentes, são do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional, plataforma que monitora informações como peso e hábitos alimentares de pacientes atendidos na rede de atenção básica em saúde.

Para o governo, os números servem como alerta “para a má alimentação por esta parcela da população” e o risco de aumento da obesidade.

Atualmente, de acordo com os dados registrados no sistema, 8,2% dos adolescentes entre 10 a 19 anos atendidos nas unidades de saúde estão obesos.

O número é próximo do observado na última edição da Pense (Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar), que aponta 7,8% dos estudantes entre 13 e 17 anos nesta situação.

Segundo o ministério, adolescentes com obesidade aos 19 anos têm 89% de chances de serem obesos aos 35 anos –daí o alerta aos divulgar os dados.

Os hábitos alimentares, porém, variam conforme a região.

Atualmente, o Sul é a região com maior índice de adolescentes com alimentação inadequada –lá, 59% dos adolescentes consomem macarrão instantâneo, salgadinhos e biscoitos, e 54% consomem hambúrguer e embutidos.

Já o menor índice ocorre na região Norte, onde esses índices variam de 33% a 47%.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.