Não é resposta que um presidente dê a essas famílias, diz bispo de Altamira sobre Bolsonaro

Dom Erwin Kräutler defende respeito a parentes de mortos e lamenta naturalização de massacre

Fabiano Maisonnave
Altamira (PA)

O bispo emérito do Xingu, dom Erwin Kräutler, 80, está triste com o massacre inédito no presídio de Altamira, cidade onde mora desde 1965, e indignado com a reação do presidente Jair Bolsonaro à morte de 62 internos.

“Leio no jornal que o nosso presidente está falando que a gente deve perguntar às vítimas dos que morreram. Isso não é resposta, pelo amor de Deus, que um presidente dá a essas famílias aí. Cada preso tem mãe, tem pai. As mães estão chorando lá”, disse à Folha, em seu escritório.

Opositor histórico da construção da usina de Belo Monte, dom Erwin diz que as obras, durante o governo Dilma Rousseff (PT), tiveram um grande impacto negativo na cidade. “Altamira se tornou palco de agressões, de violências, arrastões e de homicídios, um atrás do outro”, lamentou.

 
Dom Erwin Kräutler, bispo emérito do Xingu em sua residência paroquial em Altamira
Dom Erwin Kräutler, bispo emérito do Xingu em sua residência paroquial em Altamira - Danilo Verpa/Folhapress

Um dos auxiliares mais próximos do papa Francisco para os preparativos do Sínodo da Amazônia, em outubro, dom Erwin não está imune à violência. Há 13 anos, vive sob proteção policial devido a ameaças de morte.

Há poucos anos, Altamira foi a cidade mais violenta do Brasil. Agora é palco de um dos piores massacres em presídios do país. O que explica a escalada?

Altamira não cresceu, inchou. Com a construção da hidrelétrica, veio tanta gente aqui sem ligação ou relacionamento com a cidade. Mas, se tem 50 bandidos no meio de 20 mil pessoas, isso já basta. 

Altamira se tornou palco de agressões, de violências, arrastões e de homicídios, um atrás do outro. O que entrou também foi a droga, muito grave. Há muitas mortes que são acerto de contas.

Conheço Altamira desde 1965. Quando cheguei, era uma cidade pequena, pacífica, esquecida pelo mundo, na beira do Xingu. A primeira avalanche de pessoas foi quando começou a Transamazônica. 

Veio a colonização, mas não tinha nada disso. O pessoal foi pra estrada, pegou o lote consignado e passaram muita dificuldade. Uns voltaram pra terra de origem, outros ficaram, ergueram a cabeça e puseram as mãos na massa, com mulher e filho e hoje já estão na segunda ou na terceira geração. 

Desta vez, foi totalmente diferente. Pode olhar pela cidade, só as casas pobres não têm muros altos. Nas famílias com mais poder aquisitivo, não dá nem enxergar a porta para entrar na casa, e em cima do muro ainda tem cerca elétrica. Na boca da noite, o pessoal sentava na porta da casa, jogava conversa fora. Isso acabou. As pessoas têm medo.

A igreja atua no presídio por meio da Pastoral Carcerária. Como são as condições do local onde houve o massacre?

São pra lá de péssimas. A população de Altamira aumentou, mas o novo presidio até hoje não está pronto, e esse presídio que está aí não tem condições. Tem superlotação, mas o que mais me toca é que tem meninos aí dentro, 22, 23 anos, em prisão provisória, aguardando sentença.

Tem gente que está mofando aí dentro e ninguém cuida do processo. E colocam tantos homens em um espaço mínimo… Não vou nem dizer que viram animais, porque animal não ataca outro animal da mesma espécie assim. Os homens chegam a um nível de perversão, de crueldade, que a gente só pode pensar em uma cena de Dante lá no inferno.

O presídio não tem a segurança necessária. As instalações não são do padrão exigido hoje. Não vamos generalizar, mas o Estado praticamente se esqueceu de Altamira. 

O sr. esteve pela manhã com familiares das vítimas diante do IML. Como tem sido a resposta do poder público para eles?

O que vejo é algo indigno. São familiares. Agora, a gente não pergunta o que fez, o que deixou de fazer, por que foi preso. Pode ser um irmão, um primo, uma filha. Ele foi morto e barbaramente executado e cortaram a cabeça, espalharam vídeos. Esse povo merece uma melhor qualidade de acompanhamento. 

Estão na rua, colocaram umas tendas para pelo menos não morrer do solzaço que está em cima de Altamira nesta época. Tudo isso é tremendamente indigno. Me dói no coração que o povo não conte.

Leio no jornal que o nosso presidente está falando que a gente deve perguntar às vítimas dos que morreram. Isso não é resposta, pelo amor de Deus, que um presidente dá a essas famílias aí. Cada preso tem mãe, tem pai. As mães estão chorando lá. 

O preso não deixa de ter mãe. Isso corta o coração, a mãe não tem culpa de ele estar aí, ele andou pelo caminho errado. Muitos caíram no vício da droga. Que mãe quer isso?

O mínimo que se espera é que se respeitem as famílias. Isso não está acontecendo. Imagine quando o mais alto Executivo na nação fala uma coisa dessas pra famílias que perderam um filho.

Não é a primeira fala do Bolsonaro contra direitos humanos. O sr. encontra uma grande ressonância dessa mensagem? 

Isso me preocupa muito, porque ainda tem gente que diz: “é isso mesmo”. Aí que vejo a insensibilidade. Se fosse o filho de um desses que dizem “bandido bom é bandido morto”, aí muda de figurinha. Sempre se fala do bandido da casa vizinha, mas nunca se sabe.

Aquilo que o Bolsonaro falou é só a tradução de “bandido bom é bandido morto”. Tem essa insensibilidade, essa maneira de enxergar. Muita gente se arvora de juiz, não conhece o caso e condena de ouvir falar. Quantas vezes acontece isso?

Você ouve o zumzumzum, o povo está falando e de repente se monta um sistema em que o homem é o pior criminoso e, no final das contas, nem tinha sido ele.

Um preso só pode ser chamado de bandido quando for julgado na forma da lei. Quando o juiz pronuncia a sentença. Aí ele é de fato criminoso. Mas, enquanto não puderem provar, ele é um preso provisório. Isso não acontece.

As pessoas estão perdendo a sensibilidade para tragédias como a de ontem?

Acho que sim. Parece pisar numa barata. Muita gente se se acostuma. Não é mais nem notícia. Morreram quantos? Três. A gente nem pergunta mais o que foi, o que deixou de ser. 

Essa falta de sentimento, de compaixão, quando a gente está diante de um fato desse, de uma tragédia dessas…. Eu tenho um coração, eu sofro com isso. Depois, a compaixão vira misericórdia, eu faço alguma coisa contra isso. 

Nós estamos fazendo o que podemos fazer, mas o resultado custa a aparecer ou não aparece. A gente desanima, parece que não tem saída. O que fazer? 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.